Governo Federal

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
ARTES CÊNICAS (28001010035P0)
Os Catopês de São Benedito em Montes Claros: rastros de uma ancestralidade mineira negra e festiva
RICARDO RIBEIRO MALVEIRA
DISSERTAÇÃO
27/01/2011

O imaginário revela muito de um tempo, um lugar e um povo. As festas populares da cidade de Montes Claros no Norte de Minas Gerais estão profundamente relacionadas aos cultos religiosos católicos. Muitos destes cultos somaram-se às tradições africanas em uma região de grande concentração de negros que viviam em quilombos, fazendas e cidades. O imaginário do Congado norte mineiro expressa esta história e estas tradições. Os Ternos de Congado de Montes Claros representados pelos Catopês, Marujos e Caboclinhos festejam e louvam Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Divino Espírito Santo. À frente de um dos mais antigos Ternos de Catopê da cidade temos o Terno de São Benedito com o Mestre Zé Expedito. Esta dissertação tem como objetivo descrever os Catopês do Terno de São Benedito, analisando as festas de agosto, o imaginário atual e ancestral desta manifestação em Montes Claros. Propomos um percurso histórico com o foco na dramaturgia expressa nas músicas e no corpo, entendidos como elementos simbólicos que revelam os rastros de uma tradição negra norte mineira, que é forjada no estar-junto dos espaços festivos. A metodologia desta pesquisa parte do trajeto pessoal e familiar e suas ressonâncias na tradição popular do extra-cotidiano do Terno de São Benedito dos Catopês de Montes Claros - MG. Utilizamos para uma etnografia do Terno de Catopês, o trabalho de campo, a pesquisa bibliográfica e documental, somados à observação participante. Nosso horizonte teórico parte dos conceitos da Sociologia Compreensiva, Sociologia Interpretativa e da Etnocenologia, isto é, dos fenômenos cênicos presentes nas práticas espetaculares cotidianas organizadas. Buscamos ao longo da escrita um olhar do profissional da cena e seu encontro com a as dimensões da cultura popular. Levantamos a hipótese que os Catopês revivem e instauram de rastros ancestrais, presentes no espetacular do corpo, de práticas extra-cotidianas e das dimensões ocultas nas festas. Os Catopês revelam a ancestralidade, recriando e revivendo a memória e o imaginário Congadeiro. Os negros morenos Catopês brincam através do cantar, do rezar, do dançar, do tocar e do estar junto nas ruas do sertão norte mineiro no mês de agosto.

Afrodescendência, Etnocenologia, Catopês
O imaginário revela muito de um tempo, um lugar e um povo. As festas populares da cidade de Montes Claros no Norte de Minas Gerais estão profundamente relacionadas aos cultos religiosos católicos. Muitos destes cultos somaram-se às tradições africanas em uma região de grande concentração de negros que viviam em quilombos, fazendas e cidades. O imaginário do Congado norte mineiro expressa esta história e estas tradições. Os Ternos de Congado de Montes Claros representados pelos Catopês, Marujos e Caboclinhos festejam e louvam Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Divino Espírito Santo. À frente de um dos mais antigos Ternos de Catopê da cidade temos o Terno de São Benedito com o Mestre Zé Expedito. Esta dissertação tem como objetivo descrever os Catopês do Terno de São Benedito, analisando as festas de agosto, o imaginário atual e ancestral desta manifestação em Montes Claros. Propomos um percurso histórico com o foco na dramaturgia expressa nas músicas e no corpo, entendidos como elementos simbólicos que revelam os rastros de uma tradição negra norte mineira, que é forjada no estar-junto dos espaços festivos. A metodologia desta pesquisa parte do trajeto pessoal e familiar e suas ressonâncias na tradição popular do extra-cotidiano do Terno de São Benedito dos Catopês de Montes Claros - MG. Utilizamos para uma etnografia do Terno de Catopês, o trabalho de campo, a pesquisa bibliográfica e documental, somados à observação participante. Nosso horizonte teórico parte dos conceitos da Sociologia Compreensiva, Sociologia Interpretativa e da Etnocenologia, isto é, dos fenômenos cênicos presentes nas práticas espetaculares cotidianas organizadas. Buscamos ao longo da escrita um olhar do profissional da cena e seu encontro com a as dimensões da cultura popular. Levantamos a hipótese que os Catopês revivem e instauram de rastros ancestrais, presentes no espetacular do corpo, de práticas extra-cotidianas e das dimensões ocultas nas festas. Os Catopês revelam a ancestralidade, recriando e revivendo a memória e o imaginário Congadeiro. Os negros morenos Catopês brincam através do cantar, do rezar, do dançar, do tocar e do estar junto nas ruas do sertão norte mineiro no mês de agosto.
Afrodescendência, Etnocenologia, Catopês
1
152
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

Contexto

-
-
-

Banca Examinadora

SUZANA MARIA COELHO MARTINS
Sim
Nome Categoria
ANTONIA PEREIRA BEZERRA Docente

Vínculo

-
-
-
Não