Brasil

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE
GEOGRAFIA (42004012015P5)
IMIGRAÇÃO ITALIANA E A PRODUÇÃO VITIVINÍCOLA NO MUNICÍPIO DEPELOTAS-RS: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA IDENTIDADETERRITORIAL
TIARAJU SALINI DUARTE
DISSERTAÇÃO
25/03/2013

Este estudo teve como objetivo compreender os processos de identificação territorial de produtores rurais, a partir de um produto dotado de valor simbólico-cultural, a saber: o vinho. Aliado a isso, buscou-se relacionar a noção de multifuncionalidade da agricultura, a qual surge na atualidade como um referencial importante para a compreensão das transformações ocorridas nos espaços rurais, ou seja, as atividades agrícolas passam a não ser as únicas atividades que definem o rural e, também, as únicas fontes geradoras de renda para o agricultor. Para esse entendimento, é necessário remontar a história e identificar os fatores que levaram ao reconhecimento da vitivinicultura, presente há mais de um século na área estudada, como produto de um saber-fazer e que não se perdeu no tempo e no espaço, pelo contrário, continua percorrendo toda a estrutura social, econômica e cultural presente no rural. Assim, em face das expressões culturais vinculadas a imigração italiana sobre o território, foram apreendidos os elementos da sua organização em uma perspectiva simbólica e material do mesmo. Não obstante, observou-se que não são apenas os atributos étnicos que, na atualidade, conformam a unidade deste território. O que promove a coesão identitária entre os grupos sociais é uma prática (e um processo de saber-fazer) herdada dos antepassados e que ainda hoje se mantém, relacionando os traços culturais entre as gerações, desde a primeira que se (re)territorializou neste espaço. Demonstrou-se, também, que esta identidade torna-se hoje um forte atrativo turístico, caracterizando o enoturismo no município de Pelotas, possibilitando a ressignificação do rural, a partir da valorização das paisagens naturais e da herança cultural da imigração presente no município. Por fim, a pesquisa demonstrou que a existência de um processo de identificação está fundamentada na construção histórica dos grupos sociais, através de suas práticas no cotidiano. E, a partir disso, a identidade territorial no recorte estudado se configura vinculada ao fabrico do vinho e ao produto per se, dotado de significados relacionados tanto a dimensão material, quanto imaterial que constituem o território. Observa-se também que, atualmente, a identidade territorial relaciona-se ao processo da multifuncionalidade presente nas atividades turísticas, as quais representam estratégias de reprodução social e territorial para as famílias rurais.

Território; identidade; imigração; vitivinicultura; multifuncionalidade da agricultura.
Este estudo teve como objetivo compreender os processos de identificação territorial de produtores rurais, a partir de um produto dotado de valor simbólico-cultural, a saber: o vinho. Aliado a isso, buscou-se relacionar a noção de multifuncionalidade da agricultura, a qual surge na atualidade como um referencial importante para a compreensão das transformações ocorridas nos espaços rurais, ou seja, as atividades agrícolas passam a não ser as únicas atividades que definem o rural e, também, as únicas fontes geradoras de renda para o agricultor. Para esse entendimento, é necessário remontar a história e identificar os fatores que levaram ao reconhecimento da vitivinicultura, presente há mais de um século na área estudada, como produto de um saber-fazer e que não se perdeu no tempo e no espaço, pelo contrário, continua percorrendo toda a estrutura social, econômica e cultural presente no rural. Assim, em face das expressões culturais vinculadas a imigração italiana sobre o território, foram apreendidos os elementos da sua organização em uma perspectiva simbólica e material do mesmo. Não obstante, observou-se que não são apenas os atributos étnicos que, na atualidade, conformam a unidade deste território. O que promove a coesão identitária entre os grupos sociais é uma prática (e um processo de saber-fazer) herdada dos antepassados e que ainda hoje se mantém, relacionando os traços culturais entre as gerações, desde a primeira que se (re)territorializou neste espaço. Demonstrou-se, também, que esta identidade torna-se hoje um forte atrativo turístico, caracterizando o enoturismo no município de Pelotas, possibilitando a ressignificação do rural, a partir da valorização das paisagens naturais e da herança cultural da imigração presente no município. Por fim, a pesquisa demonstrou que a existência de um processo de identificação está fundamentada na construção histórica dos grupos sociais, através de suas práticas no cotidiano. E, a partir disso, a identidade territorial no recorte estudado se configura vinculada ao fabrico do vinho e ao produto per se, dotado de significados relacionados tanto a dimensão material, quanto imaterial que constituem o território. Observa-se também que, atualmente, a identidade territorial relaciona-se ao processo da multifuncionalidade presente nas atividades turísticas, as quais representam estratégias de reprodução social e territorial para as famílias rurais.
Território; identidade; imigração; vitivinicultura; multifuncionalidade da agricultura.
1
140
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

Contexto

GEOGRAFIA DA ZONA COSTEIRA E PROCESSOS RELACIONADOS
ANÁLISE URBANO REGIONAL
-

Banca Examinadora

GIANCARLA SALAMONI
Sim
Nome Categoria
SIDNEY GONCALVES VIEIRA Docente
ADAO JOSE VITAL DA COSTA Participante Externo
JUSSARA MANTELLI Docente

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - CAPES/FAPERGS 23

Vínculo

Bolsa de Fixação
Empresa Pública ou Estatal
Pesquisa
Sim