Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
CIÊNCIAS SOCIAIS EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE (31002013007P9)
DO LATIFÚNDIO AO AGRONEGÓCIO: OS ADVERSÁRIOS DO MST NO JORNAL SEM TERRA.
DIOGENES LUIZ DA SILVA
DISSERTAÇÃO
22/08/2013

Este trabalho aborda o processo de construção dos opositores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) através dos registros encontrados no Jornal Sem Terra (JST), um veículo de informação e formação dos trabalhadores rurais sem terra. A partir do JST procuramos compreender como o latifúndio foi sendo apropriado enquanto figura política e transformado em adversário do Movimento na luta pela reforma agrária no país. Os registros do jornal se configuram numa fonte de pesquisa relevante dos movimentos sociais do campo, uma vez apontado o seu papel aglutinador de lutas por terra que ocorriam já no fim dos anos 1970. Diante da intensa repressão imposta aos movimentos sociais pelo governo militar, o JST passou a representar a voz do conjunto de trabalhadores que lutavam por terras. Essa luta enfrentou as transformações decorrentes da modernização da agricultura e sua crescente industrialização, modificando intensamente as relações de trabalho no campo. A pesquisa se debruça sobre o contexto de mudanças político-econômicas vividas pelo Brasil entre as décadas de 1950 e 1970, quando se estruturou no país a chamada modernização da agricultura, que culminaria no modelo agrícola atualmente conhecido como agronegócio. Tal modelo é identificado nos anos 2000 como o novo adversário político do MST, sendo-lhes atribuídas as características que antes definia o latifúndio, ganhando posteriormente contornos próprios. Desta forma, o agronegócio é apontado como opositor à medida em que o Movimento atribui a ele marcas de exploração dos trabalhadores rurais, ao promover a concentração de terras e a expulsão das pessoas do campo. Atributos que por tempos caracterizaram o próprio latifúndio, adversário mais conhecido do Movimento e que carrega consigo, junto ao imaginário social, uma carga negativa quanto ao seu significado histórico. E é neste sentido que ele continua a ser mencionado como adversário, agora dividindo espaço com o agronegócio.

Latifúndio; Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Jornal Sem Terra (JST); Agronegócio.
This study approaches the process of forming opponents for Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST (Landless Rural Workers Movement) using the registers found in Jornal Sem Terra – JST (Landless Newspaper), a vehicle of information and formation of landless rural workers. From JST, it was the intention to comprehend the way the great landed estate was appropriated as a political figure and became an opponent of the movement in the struggle for agrarian reform in Brazil. The registers made in the newspaper articles are a relevant source of research about country social movements, once its role was pointed as something to agglutinate the struggles for land which occurred since the end of 1970’s. Because of the intense constraint made over the social movements by the military government, JST has started to represent the speech of a group of workers which have struggled for land. That struggle has faced the chances resulting from the agriculture modernization and its rising industrialization, which deeply modified the work relations in countryside. The research approaches that context of economical and political changes which happened in Brazil between 1950 and 1970, when the basis of agriculture modernization were structured in Brazil, which resulted in the agricultural model known, nowadays, as agribusiness. Such model was identified in the 2000’s as a MST new political opponent, with characteristics which previously were given to great land estate, but with its own features afterwards. This way, agribusiness is pointed as an opponent as the movement gives to it features of rural workers exploration while promoting land concentration and people banishment from countryside, characteristics which were seen for ages in the great landed estate, the most known opponent of the movement and which carries a negative feature about its historical meaning in the social images. And, that way, it is still mentioned as an opponent, now sharing space with agribusiness.
great landed estate; MST (Landless Rural Workers Movement); JST (Landless Newspaper); Agribusiness.
1
171
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE
CONFLITOS, MOVIMENTOS SOCIAIS E REPRESENTAÇÃO POLÍTICA
MOVIMENTOS SOCIAIS, DISPUTAS POLÍTICAS E FORMAÇÃO DE CONSENSOS: UM ESTUDO SOBRE A MÍDIA PRODUZIDA PELO SINDICALISMO RURAL E PELO MST

Banca Examinadora

LEONILDE SERVOLO DE MEDEIROS
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
LEONILDE SERVOLO DE MEDEIROS Docente - PERMANENTE
DEBORA FRANCO LERRER Docente - PERMANENTE
PAULO ROBERTO RAPOSO ALENTEJANO Participante Externo

Vínculo

Servidor Público
Empresa Pública ou Estatal
Ensino e Pesquisa
Sim