Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
LETRAS (40002012012P8)
O conflito entre a ética protestante e o tradicionalismo laboral em Post Office e Factotum, de Charles Bukowski
SAMUEL VELASCO
DISSERTAÇÃO
16/04/2019

A presente dissertação trata das relações de trabalho nos dois primeiros romances autobiográficos de Charles Bukowski, Factotum (2002a)e Post Office (2002b), com foco no antagonismo do protagonista à ética protestante do trabalho, e em como sua estratégia de resistência se desenrola no mundo ficcional construído por Bukowski. Primeiramente, nos propusemos a fazer um levantamento da fortuna crítica e condensaras leituras prévias dos críticos. Ao longo da revisão da fortuna crítica, concluímos que Bukowski era um outsider literário, e ainda que ele seja comumente associado aos beats, compartilhava com eles apenas interseções eventuais. Bukowski compôs dois romances cujas narrativas se centram no questionamento do caráter libertador do trabalho cronometrado, representado como hostil à autorrealização humana e como um dreno de vitalidade libidinal. A partir das reflexões de Ricoeur sobre o tempo e a narrativa, o objeto literário foi abordado como possuidor de um passado histórico próprio (diegético), distinto do passado da História (extradiegético). A superposição de períodos históricos foi explorada pelo autor em ambos os romances, o que sugere que Bukowski ―inventava‖ muito mais em seus escritos do que a maioria dos críticos lhe dá crédito, manifestando que o universo imaginado tinha precedência sobre o critério de verossimilhança. Propõe-se nesta dissertação que o personagem Chinaski, embora seja um ―substituto do autor‖, é um tanto distinto do escritor, e, talvez, em parte baseado no Bartleby de Herman Melville. Também é proposto que a resistência desorganizada e individualista de Chinaski à subsunção pelo trabalho sob o capitalismo encontra sua força no questionamento do trabalho-cronometrado, fazendo um argumento subjacente em prol do trabalho orientado por tarefas (task-oriented), centrado em necessidades humanas,nas quais o valor de uso tem precedência sobre valor de troca, i.e., o qualitativo sobre o quantitativo. Essa visão pré-moderna decompasso de trabalho, justaposta ao cenário urbano de Los Angeles, causa a impressão que um anti-herói contracultural ―pós-moderno‖ surgiu com o personagem Chinaski; questionamos essa noção, e propomos que a crítica de Chinaski implica na valorização dos ritmos de vida do passado, recorrendo aos valores do tradicionalismo laboral para buscar por sua liberdade sob o capitalismo industrial, o que ele aparentemente consegue ao se tornar escritor em tempo integral, trabalhando de modo parecido ao Verlagssystem.

Ética protestante;tradicionalismo laboral;trabalho orientado por tarefas;Charles Bukowski;Ficção americana
The present dissertation deals with the subject of labor relations in Charles Bukowski‘s autobiographical novels Factotum (2002a) and Post Office (2002b), focusing on the protagonist‘s antagonism towards the protestant work ethic, and how his strategy of resistance plays out in the fictional world built by Bukowski. Firstly, we set out to survey the literature and to summarize the findings of previous critics. Throughout the literature review, we concluded that Bukowski was a literary outsider, and although he is commonly associated with the beat writers, he shared only fortuitous intersections with them. Bukowski composed two novels whose narratives are centered on the questioning of the liberating character of timed-labor, depicted as hostile to human self-realization and as a drain of libidinal vitality. Stemming from Ricoeur‘s reflections on time and narrative, the literary object was approached as having a historical past of its own (diegetic), unlike History‘s past (extradiegetic). Superposition of time periods in both novels were explored by the author, suggesting that Bukowski fictionalized far more in his novels than most critics give him credit for, meaning that the imagined universe took precedence over the verisimilitude criteria. It is proposed in this dissertation that the character Chinaski, albeit an author-surrogate, is somewhat distinct from the author himself, and, perhaps partly based on Herman Melville‘s Bartleby. It is also proposed that Chinaski‘s unorganized, individualistic resistance to being subdued by work under capitalism finds its strength on the questioning of timed-labor, and the underlying argument for task-oriented, work centered in human necessities in which use-value takes precedence over exchange-value, i.e., qualitative over quantitative. This pre-modern take on the rhythm of work, juxtaposed to the urban setting of Los Angeles gives the impression that a ―post-modern‖ countercultural anti-hero emerged in the figure of Chinaski; we question this notion and propose that Chinaski‘s critique implies the appreciation of rhythms of living from the past, resorting to the values of labor traditionalism to pursue his freedom under industrial capitalism, which he apparently achieves by becoming a full-time writer working in a manner akin to the Verlagssystem.
Protestant ethic;labor traditionalism;task-oriented work;Charles Bukowski;American fiction
139
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

LITERATURA COMPARADA
REPRESENTAÇÕES E TEXTUALIDADES
A linguagem errante em busca da revelação: metaficção em Franz Kafka, André Breton, Rosário Fusco e Murilo Rubião

Banca Examinadora

MARTA DANTAS DA SILVA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MIGUEL HEITOR BRAGA VIEIRA Docente - PERMANENTE
ROGERIO IVANO Participante Externo
MARTA DANTAS DA SILVA Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 24

Vínculo

-
-
-
Não