Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
LETRAS (40002012012P8)
Memória e resistência: uma análise dos romances Pessach: a travessia e de Os cus de Judas
EDUARDO LUIZ BACCARIN COSTA
DISSERTAÇÃO
09/07/2019

Não há dor que esgote o luto enquanto não verbalizada e partilhada. A premissa defendida por autores como Walter Benjamin, Renato Franco e Eurídice Figueiredo, na qual a memória precisa atuar como elemento catártico e de resistência à dor da perda e à experiência vivida no trauma é o que nos levou a realizar a pesquisa de Dissertação que agora vem a lume. Para atingir esse objetivo, o presente trabalho analisa os romances Pessach: a travessia, de Carlos Heitor Cony e Os Cus de Judas, de Lobo Antunes. A partir dessa análise pretende-se levantar-se, na interdiscursividade presente, como a memória e as narrativas do eu impuseram resistência às ditaduras de Brasil e Portugal. Ambos os romances nos fornecem aspectos privilegiados para entendermos o que seria e o que de fato foram as Ditaduras no Brasil e em Portugal, em momentos diferentes. O romance de Cony, publicado nos primeiros anos do Regime Militar já enuncia um homem fragmentado e a realidade opressiva pelo governo monocrático estabelecendo uma relação intertextual com o livro do Êxodo e com as narrativas de Testemunho. Lobo Antunes, por sua vez, publica após os anos de “mão de ferro” do Governo de Salazar e Marcelo Caetano sua “poética do retorno” ou seu “aprendizado da agonia”, em que mostrará, também num processo dialógico, a relação entre as narrativas de si e os relatos dos sobreviventes dos campos de concentração. Com isso, procura-se estabelecer as relações intertextuais e interdiscursivas entre Literatura e História e entre os romances aqui estudados e outras narrativas similares em torno do “eu”. Tais narrativas, de alguma maneira, constituíram-se forma de resistência às Ditaduras, pois como afirmam Franco e Seligmann-Silva, as Ditaduras dialogam diretamente com os eventos ocorridos na Segunda Guerra Mundial. Afinal, o trauma de quem sobrevive a regimes de exceção e belicistas são idênticos, ainda que de forma e números distintos. Para tanto, faz-se uma revisão bibliográfica dos romances e da teoria da Literatura de Testemunho e da Literatura de Resistência às Ditaduras, procurando abrir novos espaços para estudos nessas áreas, valorizando, sobretudo, as narrativas em torno de si.

Pessach: a travessia;Os Cus de Judas;Interdiscursividade, intertextualidade e memória;Resistência Literária às Ditaduras;Narrativas de si
No pain will run out the period of mourning before it is verbalized and shared. This premise advocated by authors such as Walter Benjamin, Renato Franco and Eurídice Figueiredo, in which memory must act as an element of catharsis, resistance to the pain of loss and resistance to the experience lived in trauma. This is what led us to carry out this Dissertation Research, which now comes into being. In order to achieve its goal, this text analyzes the novels Pesach: the crossing, by Carlos Heitor Cony and Os Cus de Judas, by Lobo Antunes. In this analysis we intend to highlight how the memory and the narratives of the I offered resistance to the dictatorships of Brazil and Portugal in the present interdiscursivity. Both novels give us privileged standpoints to understand what would be and what in fact were dictatorships in Brazil and Portugal at different times. Cony's novel, published in the early years of the Military Regime, already enunciates a fragmented man and the oppressive reality imposed by the monocratic government establishing an intertextual relationship with the Book of Exodus and also with the narratives of Testimony. Lobo Antunes, in turn, publishes after the "iron fist" years of the Salazar and Marcelo Caetano Government his "poetics of return" or his "learning of agony" in which he will also show the relationship between narratives of themselves and the reports of the survivors of the concentration camps in a dialogical process. Therefore, one attempts to establish the intertextual and interdiscursive relations between Literature and History and between the novels studied here and other similar narratives around the "I". Such narratives, one way or another, were a form of resistance to the dictatorships, because as Franco and Seligmann-Silva state, dictatorships establish a direct dialogue with the events that took place during the Second World War. After all, the trauma of those who survive exception war-waging regimes and are identical, albeit distinct in different forms and numbers. In order to do so, we have made a bibliographical review of the novels and the theory of Literature of Testimony and Literature of Resistance to Dictatorships, in an attempt to open new spaces for studies in these areas, valuing, above all,the narratives around them.
Pessach: a travessia;Os Cus de Judas;Interdiscursivity, intertextuality and memory;Literary Resistance to Dictatorships;Narratives of self
1
160
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

LITERATURA BRASILEIRA E OUTRAS LITERATURAS VERNÁCULAS
PRODUÇÕES LITERÁRIAS MODERNAS E CONTEMPORÂNEAS
Edição fidedigna e anotada da correspondência João Antônio & Jácomo Mandatto

Banca Examinadora

TELMA MACIEL DA SILVA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
TELMA MACIEL DA SILVA Docente - PERMANENTE
EURIDICE FIGUEIREDO Participante Externo
SILVIO CESAR DOS SANTOS ALVES Docente - PERMANENTE

Vínculo

Colaborador
Empresa Privada
Ensino e Pesquisa
Não