Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
CIENCIA ANIMAL (41002016008P3)
EFEITOS ANALGÉSICOS E HEMODINÂMICOS DE DIFERENTES INFUSÕES CONTÍNUAS EM CADELAS SUBMETIDAS A MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL
FELIPE COMASSETTO
TESE
20/09/2019

COMASSETTO, F. Efeitos analgésicos e hemodinâmicos de diferentes infusões contínuas em cadelas submetidas a mastectomia unilateral total. Tese (Doutorado em Ciência Animal – Área: Anestesiologia veterinária) - Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Lages, 2019. A monitoração hemodinâmica e da oxigenação tecidual faz-se necessária, principalmente em pacientes idosos ou críticos e, desta forma, métodos minimamente invasivos e acurados para monitoração do débito cardíaco (DC) e da oxigenação são necessários. Esta tese apresenta-se em duas fases de estudo, que visam o desenvolvimento de um fator de correção para a mensuração do débito cardíaco pelo método de Fick, além de avaliar a segurança e eficácia de diferentes infusões contínuas em cães. Objetivou-se no primeiro momento avaliar a influência da hemoglobina sobre a determinação do DC pelo método de Fick e, desta forma, compara-lo à termodiluição na determinação deste parâmetro, além de desenvolver um fator de correção para o DC frente as diferentes fases hemodinâmicas. Para isso, oito cães machos, posteriormente encaminhados a orquiectomia eletiva, foram submetidos a diferentes estados hemodinâmicos: normotenso e em ventilação espontânea com isoflurano à 1,4 V% com FiO2 de 40% (BASAL); subsequentemente submetidos à ventilação mecânica e com isoflurano à 1,4 V% (VM); hipodinâmica (HIPO) com isoflurano à 3,5 V%; e hiperdinâmica (HIPER) por infusão de dobutamina 5μg/kg/min. Utilizou-se um cateter de Swan-Ganz para aferição do débito por termodiluição (TD) e para coleta de amostras de sangue venoso central e misto. Com o uso da calorimetria indireta obtiveram-se os valores de consumo de oxigênio (VO2) e produção de dióxido de carbono (VCO2), coeficiente respiratório (RQ = VCO2/ VO2) e expirado de CO2 (EtCO2). Para a determinação do DC por calorimetria utilizou-se o princípio de Fick para diluição de oxigênio com os valores de VO2, sangue arterial e sangue venoso misto ou central no cálculo; ou o princípio de Fick com diluição de CO2 com os valores de VCO2 e EtCO2. Observou-se a subestimação da hemoglobina em todas as fases hemodinâmicas, pelo método hemogasométrico em relação ao laboratorial de cianometahemoglobina. Antes da aplicação do fator de correção desenvolvido e ao comparar a TD com o método de Fick na determinação do DC, o erro padrão permaneceu abaixo de 30% apenas na fase hipodinâmica, indicando substituição de métodos para determinar o DC apenas nesta fase hemodinâmica, e após aplicar o fator de correção desenvolvido ao método de Fick e comparar novamente à TD, observou-se diminuição do desvio padrão do viés para todas as fases hemodinâmicas, sugerindo a possibilidade de substituição das técnicas. Conclui-se que a hemoglobina deve ser determinada sempre pelo método laboratorial e que o fator de correção para o DC proposto no presente estudo apresentou-se promissor quando aplicado ao método de Fick, caracterizando uma monitoração hemodinâmica minimamente invasiva. Posteriormente, na segunda fase do estudo, objetivou-se avaliar a segurança clínica, eficácia analgésica e aplicar o fator de correção desenvolvido no capítulo I para uma monitoração hemodinâmica minimamente invasiva, durante a infusão contínua de diferentes tratamentos em pacientes oncológicos. Foram utilizadas 28 cadelas, alocadas aleatoriamente em quatro grupos (n=7): Morfina/Lidocaína/Cetamina (GMLK): receberam infusão contínua de cetamina, lidocaína e morfina (10 μg/kg/min; 50 μg/kg/min e 4,4 μg/kg/min, respectivamente); Dexmedetomidina/Morfina/Lidocaína/Cetamina (GDMLK): receberam infusão contínua de dexmedetomidina, cetamina, lidocaína e morfina (0,016 μg/kg/min; 10 μg/kg/min; 50 μg/kg/min e 4,4 μg/kg/min, respectivamente); Dexmedetomidina (GDEX): receberam infusão contínua de dexmedetomidina (0,016 μg/kg/min) IV; Solução salina (GC): receberam infusão contínua de solução salina (5 mL/kg/h) IV; Após a indução anestésica todos os animais foram submetidos à anestesia com isoflurano de forma dose-dependente, mantidos sob ventilação controlada ciclada à pressão de 12 cm H2O, f de 12 movimentos/minuto, relação inspiração/expiração 1:2. Todos os parâmetros cardiopulmonares, hemodinâmicos, hemogasométricos, calorimétricos e de avaliação dolorosa foram avaliados a cada 15 minutos no período trans operatório. No pós-operatório imediato (2, 4, 6, 8, 12 e 24 horas após a cirurgia) avaliou-se quanto ao grau de analgesia por meio da Escala de dor Composta de Glasgow (GCMPS) e da Escala Analógica Visual (EVA) e o grau de sedação com o auxílio da Escala de avaliação do grau de sedação adaptada de Young et al. 1990 e modificada por Girard et al. 2010. Observaram-se redução da frequência cardíaca de forma semelhante em todos os grupos, incluindo o grupo controle. O índice cardíaco diminuiu consideravelmente em M4 nos grupos GD, GMLK e GDMLK enquanto que aumento da resistência vascular sistêmica foi evidenciado no mesmo momento para estes grupos. A SaO2 e a SvcO2 mantiveram-se dentro dos limites esperados para a espécie, sendo assim os tratamentos não interferiram na capacidade de oxigenação do sangue arterial e nem no fornecimento de oxigênio aos tecidos, respectivamente. Menor requerimento de resgates analgésicos foram evidenciados no período trans e pós-operatório para todos os tratamentos propostos. Maiores escores de sedação e de dor foram detectados nas duas primeiras horas de pós-operatório de forma semelhante aos diferentes grupos do estudo. Conclui-se que os tratamentos propostos se consideram seguros e eficientes, pois as alterações sobre as variáveis hemodinâmicas não repercutiram sistemicamente e do ponto de vista analgésico, as infusões proporcionaram menores escores álgicos, resultando em diminuição no requerimento de analgésicos no período trans e pós-operatório.

Método de Fick;Termodiluição;Débito Cardíaco;Infusão Analgésica;Mastectomia
Hemodynamic and tissue oxygenation monitoring is required, especially in elderly or critically ill patients, so minimally invasive and accurate methods for monitoring cardiac output (DC) and oxygenation are required. This thesis is presented in two study phases, aiming at the development of a correction factor for the measurement of cardiac output by the Fick method, besides evaluating the safety and efficacy of different continuous infusions in dogs. The first objective was to evaluate the influence of hemoglobin on the determination of Fick method DC and, in this way, compare it to the Thermodilution (TD) in the determination of this parameter, besides developing a correction factor for the DC against different hemodynamic phases. For this, eight male dogs, later referred to elective orchiectomy, underwent different hemodynamic states: normotensive and spontaneously ventilated with 1,4 V% isoflurane with 40% FiO2 (BASAL); subsequently submitted to mechanical ventilation and 1,4 V% isoflurane (VM); hypodynamics (HIPO) with 3,5 V% isoflurane; and hyperdynamic (HIPER) by dobutamine infusion 5 μg/kg/min. A Swan-Ganz catheter was used to measure the TD flow rate and to collect central and mixed venous blood samples. Using indirect calorimetry, oxygen consumption (VO2) and carbon dioxide production (VCO2), respiratory coefficient (RQ=VCO2/VO2) and expired CO2 (EtCO2) values were obtained. For determination of DC by calorimetry, the Fick principle was used for oxygen dilution with the values of VO2, arterial blood and mixed or central venous blood in the calculation; or the CO2 diluted Fick principle with VCO2 and EtCO2 values. Underestimation of hemoglobin was observed in all hemodynamic phases by the hemogasometric method in relation to the cyanometahemoglobin laboratory. Prior to the application of the correction factor developed and when comparing TD with the Fick method in the determination of DC, the standard error remained below 30% only in the hypodynamic phase, indicating replacement of methods to determine the DC only in this hemodynamic phase, and after applying the correction factor developed to the Fick method and comparing it again to the TD, a reduction in the standard deviation of bias was observed for all hemodynamic phases, suggesting the possibility of substitution of the techniques. It was concluded that hemoglobin should always be determined by the laboratory method and that the correction factor for DC proposed in the present study was promising when applied to the Fick method, characterizing a minimally invasive hemodynamic monitoring. Subsequently, in the second phase of the study, the objective was to evaluate clinical safety, analgesic efficacy and to apply the correction factor developed in chapter I for a minimally invasive hemodynamic monitoring during continuous infusion of different treatments in cancer patients. Twenty-eight female dogs were randomly allocated to four groups (n=7): Morphine/Lidocaine/Ketamine (GMLK): they received continuous infusion of ketamine, lidocaine and morphine (10 μg/kg/min; 50 μg/kg/min and 4,4 μg/kg/min, respectively); Dexmedetomidine/ Morphine/Lidocaine/Ketamine (GDMLK): received continuous infusion of dexmedetomidine, ketamine, lidocaine and morphine (0,016 μg/kg/min; 10 μg/kg/min; 50 μg/kg/min and 4,4 μg/kg/min, respectively); Dexmedetomidine (GDEX): received continuous infusion of dexmedetomidine (0,016 μg/kg/min) IV; Saline (GC): received continuous saline infusion (5 mL/kg/h) IV; After anesthetic induction, all animals underwent dose-dependent isoflurane anesthesia, maintained under controlled cycled ventilation at a pressure of 12 cm H2O, f 12 movements/minute, inspiration/expiration ratio 1:2. All cardiopulmonary, hemodynamic, hemogasometric, calorimetric, and pain evaluation parameters were evaluated every 15 minutes during the transoperative period. In the immediate postoperative period (2, 4, 6, 8, 12 and 24 hours after surgery), the degree of analgesia was assessed by the Glasgow Composite Pain Scale (GCMPS) and the Visual Analog Scale (EVA), and the degree of sedation with the aid of the adapted Young Sedation Rating Scale. 1990 and modified by Girard et al. 2010. Heart rate reduction was similar in all groups, including the control group. The cardiac index decreased considerably in M4 in the GD, GMLK and GDMLK groups while increased systemic vascular resistance was evident at the same time for these groups. SaO2 and SvcO2 remained within the expected range for the species, so the treatments did not interfere with the oxygenation capacity of the arterial blood nor the oxygen supply to the tissues, respectively. Lower requirement for analgesic rescues were evidenced in the trans and postoperative period. Higher sedation and pain scores were detected in the first two postoperative hours similarly to the different study groups. It is concluded that the proposed treatments are considered safe and efficient, since changes in hemodynamic variables did not affect systemically and from the analgesic point of view, infusions provided lower pain scores, resulting in a decrease in the requirement of analgesics in the trans and postoperative period. operative.
Fick method;Thermodilution;Cardiac output;Analgesic infusions;Mastectomy
1
181
PORTUGUES
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

SAÚDE ANIMAL
CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA
Avaliação da segurança e eficácia anestésica de diferentes protocolos em Medicina Veterinária

Banca Examinadora

NILSON OLESKOVICZ
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
DOUGHLAS REGALIN Participante Externo
ADEMIR CASSIANO DA ROSA Participante Externo
AURY NUNES DE MORAES Docente - PERMANENTE
CARLIZE LOPES Participante Externo
NILSON OLESKOVICZ Docente - PERMANENTE

Vínculo

CLT
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim