Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
MEDIC.VETERIN.(HIG.VETER.PROC.TECN.PROD.ORIG.ANIMAL) (31003010015P1)
ESTUDO FENOTÍPICO DA RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA EM Escherichia coli PRODUTORA DE TOXINA SHIGA (STEC) ISOLADAS DE CLOACA E CARCAÇA DE FRANGOS DE CRIAÇÕES COMERCIAIS
RODRIGO PACHECO ORNELLAS
DISSERTAÇÃO
15/08/2018

Os patotipos de Escherichia coli produtora de toxina shiga (STEC) constituem patógenos de importância na Saúde Pública por estarem associados a casos graves de diarréia e a casos de Síndrome Hemolítica Urêmica (SHU) em humanos. A toxina Shiga (STX) é o principal fator de virulência das cepas do patotipo STEC, sendo descritos dois grupos distintos da toxina, STX1 e STX2, codificadas,respectivamente, pelos genes stx1 e stx2. Além das toxinas Shiga, cepas STEC podem sintetizar a adesina não fimbrial intimina, codificada pelo gene eae. A presença deste gene aumenta a eficiência da colonização intestinal das cepas de E. coli bem como tem sido pelo aumento do desenvolvimento da SHU. Outro importante fato atribuido ao patotipo STEC é a constante associação com padrões de resistência à múltiplos antimicrobianos. O presente estudo teve como objetivo determinar o perfil de resistência antimicrobiana de cepas de E. coli produtoras de toxina shiga (STEC) de material cloacal e de carcaças de frangos. Dos isolados de cloaca 54,17% (13/80), foram caracterizadas como STEC e de carcaça 45,83% (11/91). O patotipo STEC foi assim caracterizado pela presença dos genes stx1 e stx2, associados ou não ao gene eae, identificados pela Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). Pelo teste de difusão em disco 84,62% (11/13) das cepas STEC isoladas de cloaca e 27,27% (3/11) isoladas de carcaça apresentaram perfil de multirresistencia. As cepas foram testadas contra os seguintes antimicrobianos: ácido nalidíxico, enrofloxacina, ciprofloxacina, ceftazidima, cefotaxima, ceftriaxona, ceftiofur, amoxicilina/ácido clavulânico, gentamicina, sulfal/trimetropim, cloranfenicol e tetraciclina. Na análise da multirresistência das cepas STEC, segundo o Índice de multirresistência a antimicrobianos (MAR), 84,62% (11/13) das cepas provenientes de cloaca e 81,82% (9/11) das cepas provenientes de carcaça apresentaram índices superiores a 0,2. Avaliando-se as frequências de multirresistência entre as cepas STEC e não STEC das fontes cloaca e carcaça, não houve associação entre virulência e multirresistência.

Escherichia coli;resistência;antimicrobiano;STEC
The pathogens of shiga toxin-producing Escherichia coli (STEC) are important pathogens in Public Health because they are associated with severe cases of diarrhea and cases of human uremic hemolytic syndrome (HUS). Shiga toxin (STX) is the main virulence factor of the STEC strains, with two distinct groups of the toxin, STX1 and STX2, respectively, coded by the stx1 and stx2 genes. In addition to Shiga toxins, STEC strains can synthesize the non-fimbrial adhesin, encoded by the eae gene. The presence of this gene increases the efficiency of intestinal colonization of E. coli strains as well as increased SHU development. Another important fact attributed to the STEC pathotype is the constant association with patterns of resistance to multiple antimicrobials. The present study aimed to determine the antimicrobial resistance profile of E. coli strains producing shiga toxin (STEC) from cloacal material and chicken carcasses. Of the cloacal isolates 54.17% (13/80), they were characterized as STEC and carcass 45.83% (11/91). The STEC pathotype was characterized by the presence of the stx1 and stx2 genes, associated or not to the eae gene, identified by the Polymerase Chain Reaction (PCR). By disc diffusion test, 84.62% (11/13) of STEC strains isolated from cloaca and 27.27% (3/11) isolated from carcass presented a multiresistance profile. The strains were tested against the following antimicrobials: nalidixic acid, enrofloxacin, ciprofloxacin, ceftazidime, cefotaxime, ceftriaxone, ceftiofur, amoxicillin / clavulanic acid, gentamycin, sulfal / trimethoprim, chloramphenicol and tetracycline. In the analysis of the multiresistance of STEC strains, 84.62% (11/13) of strains from cloaca and 81.82% (9/11) of strains from carcasses showed indices according to the multi-resistance index to antimicrobials (MAR) higher than 0.2. Evaluating the frequencies of multiresistance between the STEC and non-STEC strains of cloaca and carcass sources, there was no association between virulence and multiresistance.
Escherichia coli;resistance;antimicrobial;STEC
1
44
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

HIGIENE VETERINARIA E PROCESSAMENTO TECNOLOGICO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL
HIGIENE ANIMAL E DE SEUS DERIVADOS
-

Banca Examinadora

DAYSE LIMA DA COSTA ABREU
DOCENTE - COLABORADOR
Sim
Nome Categoria
RITA DE CASSIA FIGUEIRA SILVA Participante Externo
DAYSE LIMA DA COSTA ABREU Docente - COLABORADOR
VIRGINIA LEO DE ALMEIDA PEREIRA Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 24

Vínculo

-
-
-
Não