Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEEVALE
VIROLOGIA (42041015010P1)
POTENCIAL ONCOLÍTICO DE ENTEROVÍRUS ANIMAIS FRENTE A CULTIVOS PRIMÁRIOS DE TECIDOS NEOPLÁSICOS PULMONARES DE SERES HUMANOS
LEANDRO PRETTO ORLANDINI
DISSERTAÇÃO
31/07/2019

A incessante busca por novas possibilidades terapêuticas no combate ao câncer de pulmão conduziu à descoberta de que neoplasias dos mais variados tipos e subtipos histológicos são suscetíveis ao efeito de vírus a partir de dois princípios de ação, o ataque celular direto e a promoção da resposta imune, inata ou adquirida. A terapia por vírus oncolíticos consiste no uso de partículas virais naturais ou modificadas geneticamente, as quais replicam-se seletivamente no interior de células tumorais. Apesar desta linha de pesquisa ser quase secular, somente nos últimos anos conseguiu-se demonstrar, em ensaios clínicos significativos, os benefícios da viroterapia em pacientes portadores de neoplasia. A partir destes estudos e levando-se em conta a escassez bibliográfica de ensaios clínicos impactantes em pacientes com câncer de pulmão primário e secundário, além da constatação de que tais estudos prioritariamente utilizam linhagens tumorais imortalizadas e não amostras de cultivo primário, formulamos a hipótese de desenvolver um estudo específico em pacientes portadores de neoplasia pulmonar, primária e secundária. O objetivo do estudo consiste na determinação e quantificação da atividade oncolítica viral em amostras biológicas tumorais. Para tanto, 15 amostras pulmonares tumorais humanas, oriundas de pacientes atendidos pelo Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Regina, localizado em Novo Hamburgo (RS), foram expostas a potenciais vírus oncolíticos, especificamente enterovírus bovino (BEV) e suíno (Senecavirus SVV-001), a fim de correlacionar a infecção viral subpatogênica com atividade antitumoral. Duas amostras teciduais pulmonares adaptaram-se adequadamente ao cultivo celular primário e foram testadas com BEV e SVV-001. Os resultados demonstraram haver claro efeito citopático nas amostras submetidas ao BEV, ilustrado por redução de mais de 50% na contagem celular após inoculação, quando comparado ao controle. Os testes com SVV-001 não demonstraram efeito citopático significativo. Espera-se, com isso, que possamos entender melhor o funcionamento da terapia viral oncolítica e aplicar os resultados na busca por mais uma ferramenta terapêutica no combate a esta enfermidade que, somente neste ano, matará centenas de milhares de pessoas no mundo.

Câncer de pulmão;Vírus oncolíticos;Viroterapia;Cultivo primário
The incessant search for new therapeutic possibilities in the fight against lung cancer has led to the discovery that neoplasms of various types and histological subtypes are susceptible to the effect of viruses from two principles of action, direct cell attack and the promotion of immune response, innate or acquired. Oncolytic virus therapy consists of the use of natural or genetically modified viral particles, which selectively replicate within tumor cells. Although this line of research is almost secular, it has only been demonstrated in recent years in significant clinical trials the benefits of virotherapy in patients with cancer. From these studies and considering the bibliographic scarcity of impactful clinical trials in patients with primary and secondary lung cancer, and the finding that such studies primarily use immortalized tumor lines and not primary culture samples, we hypothesized that develop a specific study in patients with primary and secondary lung cancer. The aim of this study is to determine and quantify viral oncolytic activity in tumor biological samples. To this end, 15 human tumor lung samples from patients treated by the Thoracic Surgery Service of Hospital Regina, located in Novo Hamburgo (RS), were exposed to potential oncolytic viruses, specifically bovine (BEV) and swine enterovirus (Senecavirus SVV-001) in order to correlate subpatogenic viral infection with antitumor activity. Two lung tissue samples were adapted to primary cell culture and were tested with BEV and SVV-001. The results showed a clear cytopathic effect in samples submitted to BEV, illustrated by a reduction of more than 50% in cell count after inoculation, when compared to the control. Tests with SVV-001 showed no significant cytopathic effect. It is hoped, therefore, that we can better understand the functioning of oncolytic viral therapy and apply the results in the search for another therapeutic tool to combat this disease that, this year alone, will kill hundreds of thousands of people in the world.
Lung cancer;Oncolytic viruses;Virotherapy;Primary culture
1
56
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEEVALE
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

VIROLOGIA
DIAGNÓSTICO EM VIROLOGIA
ONEHEALTH - INCREMENTO DA INFRAESTRUTURA DE PESQUISA DA UNIVERISDADE FEEVALE PARA INOVAÇÃO EM SAÚDE ÚNICA

Banca Examinadora

FERNANDO ROSADO SPILKI
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
FERNANDO ROSADO SPILKI Docente - PERMANENTE
ANA LUIZA ZIULKOSKI Docente - PERMANENTE
VIVIANE GIRARDI Participante Externo

Vínculo

CLT
Empresa Privada
Outros
Não