Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS (28001010036P7)
DESENVOLVIMENTO DE Cystoisospora felis EM CULTIVO CELULAR E PRODUÇÃO IN VITRO DE CISTOS MONOZOICOS
RACHEL FERREIRA
DISSERTAÇÃO
22/02/2019

FERREIRA, R. Desenvolvimento de Cystoisospora felis em cultivo celular e produção in vitro de cistos monozoicos. Salvador, 2019. 59p. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos) - Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal da Bahia. Cystoisospora felis é um coccídio excretado nas fezes de felinos domésticos. A infecção nos gatos ocorre pela ingestão de oocistos esporulados ou ingestão de hospedeiros intermediários infectados com o parasito. Esses protozoários, ao infectarem os hospedeiros intermediários, a exemplo de camundongos, induzem a formação de cistos monozoicos extraintestinais. O objetivo desse estudo foi caracterizar o desenvolvimento de C. felis em cultivo celular. Oocistos do parasito, excretados por filhotes de gatos naturalmente infectados, foram induzidos à esporulação em dicromato de potássio a 2%, e posteriormente, armazenados a 4°C até o momento do uso. Para o excistamento dos esporozoitos e posterior infecção em cultivo celular, utilizou-se um método de descontaminação da solução fecal contendo oocistos, seguido de lise dos oocistos mediante o uso de esferas de vidro. Todos os oocistos deste estudo, independente do tempo de conservação (todos inferiores a um ano), apresentaram infectividade em cultivo celular. Esporozoítos móveis extracelulares foram visualizados sobre as monocamadas celulares imediatamente após a inoculação, observando-se aumento do tamanho dos mesmos 24 horas pós-inoculação (PI). Esporozoítos intracelulares estavam presentes 24 horas PI e não apresentaram movimentação quando examinados ao microscópio óptico. Três dias PI já foi possível notar a formação de vacúolos parasitóforos (VP) compatíveis com cistos monozoicos. No quinto dia PI, esses cistos apresentavam tamanhos variados contendo um único zoíto no interior de um VP. Células infectadas com C. felis foram mantidas substituindo-se o meio de cultura a cada 48 horas, não ultrapassando cinco dias PI, pois com o rápido crescimento da monocamada celular de célula Vero, a visualização dos cistos ficava comprometida. Zoítos móveis foram observados após exposição dos cistos monozoicos a solução de pepsina ácida, indicando que esse estágio pode ser um meio de infecção para animais infectados oralmente com o parasito. O cultivo in vitro de cistos monozoicos de C. felis, até o momento nunca relatado na literatura, pode favorecer uma série de estudos futuros, a exemplo de testes de sensibilidade e resistência a drogas anticoccidianas. Adicionalmente, pode servir como modelo para o estudo de Cystoisospora belli, causador da coccidiose humana, e de outros protozoários relacionados, incluindo Cystoisospora suis, Toxoplasma gondii e Neospora caninum.

gato;coccídio;oocisto
FERREIRA, R. Development of Cystoisospora felis in cell culture and production of monozoic cysts of the parasite in vitro. Salvador, 2019. 59p. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos) - Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal da Bahia. Cystoisospora felis (synonym: Isospora felis) is a coccidian shed in the feces of domestic cats. The infection in cats occurs upon ingestion of sporulated oocysts or ingestion of intermediate hosts infected with the parasite. These protozoa, after infecting intermediate hosts, such as mice, induce the formation of extraintestinal monozoic cysts. The aim of this study was to characterize the development of C. felis in cell culture. The parasite oocysts, excreted in the feces of naturally infected cats were induced to sporulate in 2% potassium dichromate and stored at 4°C until their utilization. For excystation of sporozoites and subsequent infection of cell culture, a decontamination method was applied to the fecal solution containing oocysts, followed by disruption of oocysts using glass beads. All batches of oocysts used in the current study, despite their storing time (all lower than a year), were infective to cell cultures. Extracellular sporozoites observed on cell monolayers immediately post-inoculation (PI) were in motion. When observed 24 hours PI, sporozoites were intracellular, with no motion under optical microscopy, and possessing enlarged sizes. Three days PI, parasitophorous vacuoles (PV) compatible with monozoic cysts presented variations in size and a single zoite in each PV. Cells infected with C. felis were maintained by replacing the culture medium every 48 hours, until five days PI, as at this time frame the rapid growth of Vero cells compromised the visualization of the monozoic cysts. Motile zoites were observed after exposure of monozoic cysts to acid pepsin, showing that this in vitro developed parasite stage is probably infective to animals after oral ingestion. The in vitro growth of C. felis monozoic cysts, so far never reported in literature, may favor numerous studies in the future, including tests of sensitivity and resistance to anticoccidial drugs. In addition, it may serve as a model to studies on Cystoisospora belli, the causative agent of human coccidiosis, as well as studies on related coccidia, such as Cystoisospora suis, Toxoplasma gondii and Neospora caninum.
cat;coccidia;oocyst
1
58
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

SAÚDE ANIMAL
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS
Monoclonal antibodies against Toxoplasma gondii sporozoites - (Equipment Subsidy)

Banca Examinadora

LUIS FERNANDO PITA GONDIM
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
WENDELL MARCELO DE SOUZA PERINOTTO Participante Externo
CARLOS ROBERTO FRANKE Docente - PERMANENTE
LUIS FERNANDO PITA GONDIM Docente - PERMANENTE
LEANE SOUZA QUEIROZ GONDIM Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
CONS NAC DE DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO - CAPES 23

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim