Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
Interdisciplinar em Ciências da Saúde (33009015070P2)
Em Briga de Marido e Mulher, Se Mete a Colher: a Violência de Gênero Contra a Mulher a Partir da Percepção dos Agentes Comunitários de Saúde
LUDMILA DE MOURA
TESE
11/05/2018

A violência é um fenômeno que atinge a ambos os sexos, porém têm incidência especial sobre mulheres, negras e pobres. O Brasil encontra-se no 5º lugar em relação a 83 países. Entre 2003 e 2013 houve um aumento de 21% no número de mulheres assassinadas, representando 13 feminicídios por dia. A violência contra a mulher é um fenômeno que deve ser visto como relacionado às condições econômicas, sociais e culturais de uma sociedade, incluindo as características patriarcais de nossa cultura, que estabelece relações hierárquicas entre os gêneros, onde os homens assumem papéis sociais dominantes e mais valorizados, com um expressivo exercício de poder sobre as mulheres. Objetivo: Compreender as percepções e os sentidos atribuídos ao fenômeno da violência de gênero no âmbito doméstico, contra a mulher, a partir das práticas dos/as agentes comunitários de saúde (ACS) em ações em território de alta vulnerabilidade social, na Baixada Santista. Pressupostos metodológicos: Os achados foram analisados baseados nos pressupostos da psicologia sócio histórica e da epistemologia qualitativa de González Rey. Através da observação participante, a pesquisadora acompanhou os/as ACS em visitas domiciliares, que resultou na elaboração de 20 diários de campo, além de entrevistas abertas com duas ACS. Resultados: Serão apresentadas as três zonas de sentido identificadas: 1) a comunidade; 2) a violência de gênero contra a mulher; 3) a organização do trabalho dos/as ACS. Na primeira zona de sentido, serão mostrados os dados que caracterizam a vulnerabilidade social da comunidade VP, como a incipiente presença de apenas três equipamentos de serviços públicos e a violência do tráfico de drogas, que afeta o cotidiano de todos os moradores, bem como o trabalho dos funcionários. Na segunda zona de sentido discutiu-se como é “ser mulher” e como se apresenta a violência por parceiro íntimo nesta comunidade. Foi debatida a visão essencialista, universalista e homogênea sobre a mulher. A naturalização da violência também foi problematizada, juntamente com o patriarcado enquanto discurso normativo articulado com o capitalismo, na busca de explicação da opressão das mulheres pelos homens. Na terceira zona de sentido foi tratado como se organiza o trabalho dos/as ACS, a partir da discussão sobre as visitas domiciliares e as dificuldades enfrentadas na rotina do trabalho. Caracteriza-se por ser um trabalho predominantemente feminino, o que muitas vezes vai dificultar o papel das ACS no enfrentamento da violência de gêneroxii contra a mulher, pois muitas profissionais da saúde têm valores saturados de estereótipos em relação ao papel da mulher na comunidade. Considerações finais: Este estudo mostrou que se deve “meter a colher” na violência de gênero, pois uma vida emancipada e sem violência passa por políticas públicas que garantam a conquista dos direitos a trabalho, moradia, creche, educação, direitos humanos que devem ser divulgados pelos profissionais, além da divulgação da rede intersetorial que cuida da violência, de forma a minimizar a vulnerabilidade dos munícipes de toda a comunidade estudada.

Agente comunitário de saúde;Gênero;Violência de gênero;Trabalho em saúde;Vulnerabilidade social.
Violence is a phenomenon that affects both sexes, but has a special incidence on women, black and poor. Brazil is in 5th place in relation to 83 countries. Between 2003 and 2013 there was a 21% increase in the number of women murdered, representing 13 femicides per day. Violence against women is a phenomenon that must be seen as related to the economic, social and cultural conditions of a society, including the patriarchal characteristics of our culture, which establish hierarchical relationships between genders, where men assume dominant social roles and more valued, with an expressive exercise of power over women. Objective: To understand the perceptions and meanings attributed to the phenomenon of domestic violence against women, based on the practices of the community health agents (ACS) in actions in high social vulnerability territory, in the Baixada Santista. Methodological assumptions: The findings were analyzed based on the assumptions of socio-historical psychology and the qualitative epistemology of González Rey. Through participant observation, the researcher followed the ACS in home visits, which resulted in the elaboration of 20 field diaries, in addition to interviews with two CHAs. Results: The three identified areas of meaning will be presented: 1) the community; 2) gender violence against women; 3) the organization of the work of the ACS. In the first sense zone, the data that characterize the social vulnerability of the VP community will be shown, such as the incipient presence of only three public services equipment and the violence of drug trafficking, which affects the daily lives of all residents, as well as the employees' work. In the second area of meaning, it was discussed how it is "to be a woman" and how violence is presented as an intimate partner in this community. The essentialist, universalist and homogeneous view of women was debated. The "naturalization" of violence was also problematized, along with patriarchy as normative discourse articulated with capitalism, in the search for an explanation of the oppression of women by men. In the third area of meaning, it was treated as if the work of the ACS is organized, starting from the discussion about the home visits and the difficulties faced in the work routine. It is characterized by being predominantly female work, which will often hamper the role of CHW in coping with gender violence against women, since many health professionals have values saturated with stereotypes regarding the role of women in the community. Final considerations: This study showed that it isxiv important to "put the spoon" on gender-based violence, since an emancipated life without violence involves public policies that guarantee the rights to work, housing, daycare, education, human rights that must be disseminated by the professionals, as well as the dissemination of the intersectoral network that takes care of the violence, in order to minimize the vulnerability of the residents of the entire community studied
Community health agente;Gender;Gender violence;Healthcare work;Social vulnerability.
1
175
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO EM SAÚDE
CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E SAÚDE
Ciências humanas, sociais e saúde: estudos interdisciplinares

Banca Examinadora

CARLOS ROBERTO DE CASTRO E SILVA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
EUNICE NAKAMURA Docente - PERMANENTE
CRISTIANE GONCALVES DA SILVA Participante Externo
MARIA IZABEL CALIL STAMATO Participante Externo
LUCIANE PINHO DE ALMEIDA Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 45

Vínculo

-
-
-
Não