Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
Interdisciplinar em Ciências da Saúde (33009015070P2)
AVALIAÇÃO DA RESPOSTA DE ESTRESSE EM RATAS SUBMETIDAS AO ESTRESSE CRÔNICO E A MÚLTIPLOS CICLOS DE SUPEROVULAÇÃO
BIANCA SANTOS MARTINS GONCALVES
DISSERTAÇÃO
23/03/2018

Estima-se que a infertilidade conjugal atinja cerca de 10 a 15% da população mundial, enquanto no Brasil, 7 a 10% dos casais em idade reprodutiva recorrem anualmente a serviços especializados no tratamento de distúrbios da fertilidade. Do ponto de vista psicossocial, indivíduos inférteis vivenciam forte estresse psicológico, este relacionado a diversos distúrbios emocionais, os quais repercutem nas relações conjugais e sociais. Enquanto o impacto do estresse no sucesso dos tratamentos de reprodução humana assistida (TRHA) tem sido extensamente estudado, a ação de concentrações suprafisiológicas de hormônios esteroides gonadais (situação comumente vivenciada por mulheres em tratamento) na modulação da resposta de estresse permanece a ser elucidada. O presente estudo teve como objetivo avaliar a resposta de estresse em ratas submetidas ao estresse crônico aliado a múltiplos ciclos de tratamento de superovulação. A fim de mimetizar em roedores o contexto dos TRHA, submetemos ratas Wistar de 10 semanas de idade, com ciclo estral regular, ao protocolo de estresse crônico brando imprevisível (ECBI) por quatro semanas. Durante este período foram aplicados três ciclos de tratamento de superovulação (150 UI/Kg i.p. de gonadotrofina coriônica equina / eCG, seguida de 75 UI/Kg i.p. de gonadotrofina coriônica humana / hCG, após 48 horas). As ratas foram distribuídas em 4 grupos: a) Sham (SH; n=15): não foram expostas ao estresse ou à superovulação; b) Estresse (ECBI; n=15): submetidas ao ECBI; c) Superovulação (SOV; n=15): não foram expostas ao estresse e foram submetidas a múltiplos ciclos de superovulação, e d) Estresse/Superovulação (ESO; n=15): submetidas ao ECBI e múltiplos ciclos de superovulação. Ao final do experimento foram avaliadas as respostas de defesa relacionadas à ansiedade, no teste de Transição Claro-Escuro e validadas no teste de Campo Aberto. Foram coletadas amostras de sangue, assim como os ovários, glândulas adrenais e o baço. As análises comparativas entre os grupos foram feitas através do teste ANOVA de dois fatores fixos (fator 1: estresse; fator 2: superovulação) e pós-teste de StudentNewman-Keuls. Não foi observada alteração no ciclo estral das fêmeas dos grupos SH e ECBI, enquanto as ratas dos grupos SOV e ESO apresentaram desregulação ou parada do ciclo. As fêmeas submetidas ao tratamento hormonal (grupos SOV e ESO) mostraram aumento significativo no ganho de massa corporal, massa relativax dos ovários, número de corpos lúteos e nas concentrações plasmáticas de progesterona, além de diminuição na massa relativa das adrenais. As ratas expostas ao estresse (ECBI e ESO) apresentaram menor ganho de massa corporal e aumento nas concentrações plasmáticas de corticosterona. Não observamos diferença na massa relativa do baço e na concentração de estradiol nos diversos grupos. A análise comportamental mostrou interação das variáveis (estresse e superovulação), com comportamento do tipo ansioso nos grupos ECBI, SOV e ESO. No entanto, o efeito ansiogênico foi muito mais evidente no grupo SOV, quando comparado aos grupos ECBI e ESO. Em conjunto, nossos achados apontam para o efeito ansiogênico produzido por oscilações de concentrações suprafisiológicas de hormônios gonadais, efeito este que pode ser modulado (atenuado) quando aliado ao estresse crônico

Superovulação;Estresse Crônico Brando Imprevisível;infertilidade;reprodução assistida;hormônios esteroides gonadais;corticosterona.
It is estimated that infertility affects about 10-15% of couples of childbearing age within the world population, while annually, 7-10% of couples of reproductive age in Brazil rely on services specialized in fertility disorders treatment. From a psychosocial perspective, infertile individuals experience intense psychological stress, related to emotional disorders, which have repercussions on marital and social relationships. While the stress impact on the success of assisted reproduction treatments (ART) has been comprehensively studied, the role of supraphysiological concentrations of gonadal hormones (commonly experienced by women in treatment) on stress response, remains to be elucidated. The aim of study was to evaluate the stress response in female rats submitted to chronic stress and multiple cycles of superovulation treatment. In order to mimic the context of ART in rodents, female Wistar rats (10 weeks old) with proven regular estrous cycle, were exposed to the unpredictable chronic mild stress protocol (UCMS) for 4 weeks. During this time three cycles of superovulation treatment (150 UI/Kg i.p. of pregnant mare serum gonadotropin / PMSG, followed by 75 UI/Kg i.p. of human chorionic gonadotropin / hCG, 48 hours later) were applied. The rats were distributed into 4 groups: a) Sham group (SH; n = 15): not exposed to stress or superovulation; b) Stress group (UCMS; n = 15): submitted to UCMS; c) Superovulation group (S; n = 15): not exposed to stress but submitted to multiple cycles of superovulation, and d) Superovulation/Stress group (SS; n = 15): submitted to UCMS and multiple cycles of superovulation. At the end of the experiment, anxiety-related defense responses were evaluated in the light-dark transition test and validated in an open field test. Ovaries, adrenal glands, spleens and blood samples were collected. Comparative analyses among the groups were performed using two-way ANOVA test (factor 1: stress; factor 2: superovulation) with Student–Newman–Keuls post-test. Disruption of the estrous cycle or dysregulation were observed in the S and SS groups, whereas no alteration was detected in the rats’ cycle from SH and UCMS groups. The females exposed to superovulation treatment (S and SS groups) showed a significant increase in body mass gain, ovaries relative mass, number of corpora lutea, and progesterone plasma levels, besides a decrease in the adrenals relative mass. Stress-exposed rats (UCMS and SS) had a significantly lower gain in body mass,xii and an increase in the corticosterone plasma levels. No differences were observed in the spleen relative mass or in the estradiol plasma levels. The behavioral analysis showed interaction between the variables (stress and superovulation), with anxietylike behavior in the groups UCMS, S and SS. However, the anxiogenic effect was much more evident in the S group, when compared to the UCMS and SS groups. Our findings point to the anxiogenic effect produced by oscillations of supraphysiological concentrations of gonadal hormones, an effect that can be modulated (attenuated) when combined with chronic stress.
superovulation;Unpredictable Chronic Mild Stress;infertility;assisted reproduction;gonadal hormones;corticosterone.
1
76
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

MECANISMOS BÁSICOS DE PROCESSOS BIOLÓGICOS EM SAÚDE
ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES NA PESQUISA EXPERIMENTAL DE DOENÇAS CRÔNICAS
Alterações metabólicas, morfofuncionais e epigenéticas induzidas pelo exercício físico e/ou manipulação nutricional

Banca Examinadora

LUCIANA LE SUEUR MALUF
DOCENTE - PERMANENTE
Não
Nome Categoria
ANDRE LUIZ DE MOURA Participante Externo
REGINA CELIA SPADARI Docente - PERMANENTE
RENATO FRAIETTA Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 15

Vínculo

Servidor Público
Empresa Pública ou Estatal
Outros
Não