Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
PSIQUIATRIA E PSICOLOGIA MÉDICA (33009015032P3)
Alterações Cerebrais em Indivíduos com Transtorno de Compulsão Alimentar: Revisão de Estudos Funcionais e Um Estudo de Imagem por Tensor de Difusão
NARA MENDES ESTELLA
TESE
14/09/2018

Estudo 1: Realizar revisão sistemática de estudos em indivíduos com transtorno de compulsão alimentar que examinaram processo de recompensa ou controle inibitório por meio de neuroimagem funcional. Estudo 2: Examinar as alterações microestruturais da substância branca em mulheres com transtorno de compulsão alimentar. MÉTODOS: Estudo 1: Seguindo diretrizes PRISMA, buscas na literatura foram realizadas até janeiro de 2018 nas bases Pubmed Central, Web of Science e Scopus. Dois revisores examinaram independentemente os títulos e resumos das citações extraídas das buscas e selecionaram aqueles que pareciam atender aos critérios de inclusão da revisão, ou seja, estudos de neuroimagem funcional com tarefas relacionadas a tarefas de recompensa e controle inibitório com pessoas com transtorno de compulsão alimentar. Os artigos selecionados foram inteiramente lidos por um revisor e dados referentes aos critérios de inclusão foram analisados. Dados relativos a informações demográficas, método de diagnostico para transtorno de compulsão alimentar, e método dos estudos. Estudo 2: A imagem do tensor de difusão e a estatística espacial baseada em analise de tratos foram usadas para comparações transversais de mapas de fração de anisotropia e de difusividade entre mulheres com transtorno de compulsão alimentar (n=17) e dois grupos controle: obesas (n=13) e indivíduos de peso normal (n=17) sem transtorno de compulsão alimentar. Os valores quantitativos de substância branca foram extraídos de regiões de interesse definidas a priori. RESULTADOS: Estudo 1: Nove artigos dentre 2454 citações preencheram os critérios de inclusão. Os estudos revelaram que, ao realizar uma tarefa de recompensa monetária, os indivíduos com transtorno de compulsão alimentar mostraram atividade reduzida em áreas relacionadas à recompensa. Eles também demonstraram atividade reduzida do córtex pré-frontal medial ventral quando foi necessário ajustar o valor de recompensa de dois estímulos e eram mais propensos a tomar decisões exploratórias. No entanto, durante a realização de uma tarefa de recompensa relacionada a alimentos, eles demonstraram maior ativação em áreas cerebrais envolvidas na saliência motivacional. Durante uma tarefa inibitória não alimentar, achados apontaram atividade reduzida em regiões fronto-temporais. Por fim, em resposta a uma tarefa inibitória relacionada a estímulos ligados a comida, eles demonstraram xiii hipoatividade nas regiões frontais e maior atividade em regiões relacionadas à recompensa. Estudo 2: Diferenças extensas em substância branca cerebral entre o grupo controle de peso normal e o de pessoas com transtorno de compulsão alimentar foram identificadas e, em menor grau, entre este último e obesos controles. Em relação ao transtorno de compulsão alimentar, especificamente, maior frequência de episódios de compulsão alimentar esteve associada a maior difusividade média e radial no fascículo uncinado. Além disso, uma maior difusividade axial no fascículo uncinado, juntamente com uma maior difusividade radial no fascículo longitudinal inferior e no giro cingulado são os principais fatores que caracterizaram indivíduos com transtorno de compulsão alimentar e os discriminam dos indivíduos obesos. CONCLUSÕES: Estudo 1: Os dados indicam que a atividade neural envolvida no processo de recompensa cerebral e no controle inibitório acha-se alterada no transtorno de compulsão alimentar e são consistentes com a proposta de que essas alterações são parte de uma cascata, que fazem parte de mudanças nos sistemas envolvidos em sua regulação, por exemplo, avaliação de recompensa. Com base nos achados, esta revisão propõe um modelo de "inércia" na reversão do aprendizado no transtorno de compulsão alimentar. Sua premissa é que o transtorno de compulsão alimentar decorre de uma incapacidade de reverter o aprendizado, ou seja, de ajustar a mudanças nas contingências relacionadas à recompensa alimentar e respostas a comportamentos habituais. Estudo 2: Indivíduos com transtorno de compulsão alimentar mostraram alterações generalizadas da substância branca em vias envolvidas na integração de informações e em vias que ligam as regiões límbica e órbitofrontal, e impactam comportamentos flexíveis. Propomos que o desenvolvimento de comportamento habitual devido a inflexibilidade está implicada na etiologia do transtorno de compulsão alimentar e pode levar a comportamento compulsivo, repetitivo e persistente.

Transtorno de compulsão alimentar, Transtornos alimentares, Neuroimagem, Imagem de tensor de difusão, Cérebro
OBJECTIVES: Study 1: To perform a systematic review of studies in binge eating disorder where brain reward processing or inhibitory control were examined using functional neuroimaging studies. Study 2: To examine white matter microstructure in females with binge eating disorder. METHODS: Study 1: Following the PRISMA guidelines, searches were conducted up until January 9th, 2018, using Pubmed Central, Web of Science, and Scopus databases. Two reviewers independently examined the titles and abstracts from the studies extracted from the searches and selected the articles that could potentially fit the study criteria, that is, studies using functional neuroimaging investigating reward processes or inhibitory control and that included individuals with BED. Selected papers were fully read by one reviewer and data related to the inclusion criteria were interpreted. Data regarding participants demographics, method used for binge eating disorder diagnosis and study design. Study 2: Diffusion tensor imaging and tract-based spatial statistic were used for cross-sectional comparisons of fractional anisotropy and diffusivity maps between females with binge eating disorder (n=17) who enrolled a clinical trial testing transcranial magnetic stimulation, and two control groups of obese (n=13) and normal-weight (n=17) individuals without the disorder. White matter quantitative values were extracted from regions of interest set a priori for further investigation. RESULTS: Study 1: Nine articles out of 2454 citations fitted inclusion criteria. Studies found that while performing a monetary reward task, individuals with binge eating disorder showed reduced activity in reward-related areas. They also showed reduced ventral medial prefrontal cortex activity when required to adjust the reward value of two stimuli and were more likely to make exploratory decisions. However, while performing a food-related reward task, they showed greater activation in brain areas involved in incentive salience. During a non-food inhibitory task, they showed reduced activity in frontal-temporal regions. Lastly, in response to a food-cue inhibitory task, they showed hypo-activity in frontal regions and greater activity in reward-related ones. Study 2: Extensive differences in white matter between the binge eating disorder and normal xv weight control groups were identified, and, to a lesser extent, between the binge eating disorder and obese control groups. In relation to binge eating disorder, specifically, higher frequency of binge eating episodes is associated with higher mean and radial diffusivity in the uncinate fasciculus. Also, greater axial diffusivity in the uncinate fasciculus together with greater radial diffusivity in the inferior longitudinal fasciculus and cingulate gyrus are the main factors that characterize individuals with binge eating disorder and discriminate them from individuals who are obese. CONCLUSIONS: Study 1: Data indicate that neural activity involved in reward processing and inhibitory control is altered in binge eating disorder. They are consistent with the proposal that these alterations are part of a cascade, and that they are the downstream of changes in systems involved in their regulation, e.g., reward appraisal. Based on the discussed neuroimaging data, this review presents a case for a reversal-learning “inertness” model of binge eating disorder. Its premise is that binge eating disorder arises due to an inability to reverse learning, i.e., to changes in food reward contingencies and response to habitual behaviors. Study 2: Individuals with binge eating disorder showed widespread white matter alterations in pathways involved in information integration, and in pathways connecting limbic and orbitofrontal regions, which all impact flexible behavior. We proposed that the establishment of habitual behavior due to inflexibility be implicated in the etiology of binge eating disorder and may lead to rigid, persistent and compulsive binge eating behavior.
Binge Eating Disorder, Eating Disorders, Neuroimaging, Image of Diffusion Tensor, Brain
0
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

PSIQUIATRIA
PSICOPATOLOGIA E PSIQUIATRIA CLÍNICA
DIAGNÓSTICO, COMORBIDADE, FATORES DE RISCO E TRATAMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

Banca Examinadora

ANGELICA DE MEDEIROS CLAUDINO
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MARCELO QUEIROZ HOEXTER Participante Externo
PEDRO MARIO PAN NETO Participante Externo
JOSE CARLOS BORGES APPOLINARIO Participante Externo
ANDREA PAROLIN JACKOWSKI Docente - PERMANENTE
QUIRINO CORDEIRO JUNIOR Participante Externo
Phillipa Hay Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Bolsas concedidas no âmbito do acordo CAPES/FUNDECT 48

Vínculo

Colaborador
Outros
Profissional Autônomo
Sim