Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
Zootecnia (28001010088P7)
Caroço de algodão integral ou moído e quitosana em dietas para cordeiros
TAMIRES DA SILVA MAGALHAES
TESE
19/02/2018

Objetivou-se avaliar o efeito do caroço de algodão (inteiro ou moído) associado ou não à quitosana em dietas para cordeiros sobre o consumo e digestibilidade da matéria seca e dos componentes nutricionais, ganho de peso, balanço de nitrogênio, síntese microbiana, características da carcaça, qualidade da carne, histopatologia do rúmen e parênquima hepático e renal. Oitenta ovinos, da raça Santa Inês não castrados, com peso médio de 22,6 ± 2,2 kg, com 04 a 05 meses de idade foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 2 x 2, com o uso do caroço de algodão inteiro ou moído e quitosana (0 ou 136 mg/kg de peso vivo).. A digestibilidade da matéria seca e da matéria orgânica foi significativa para o processamento do caroço de algodão. Não foram observadas diferenças (P>0,05) para o balanço de nitrogênio entre o uso do caroço de algodão e quitosana para o nitrogênio ingerido, em fezes e urina. Contudo, houve interação (P>0,05) entre o efeito do processamento e o uso da quitosana para a síntese de proteína microbiana. Não houve diferença (P>0,05) para o ganho médio diário, conversão alimentar (CA) e eficiência alimentar (EA). O comportamento ingestivo não foi influenciado pelas dietas, o que indica que o caroço de algodão pode ser utilizado tanto moído quanto inteiro, sem a necessidade de quitosana. As características da carcaça e a composição físico-química carne, bem como o rendimento dos cortes comerciais de cordeiros não são afetados pela forma de fornecimento do caroço de algodão e quitosana, na dieta. A associação do caroço de algodão com a quitosana aumenta os teores de ácidos graxos essenciais rumênico (18:2 c9 t11) e eicosapentenóico (20:5) da carne de cordeiros. De acordo com o perfil metabólico sanguíneo, dietas com caroço de algodão em associação à quitosana não promoveram danos à saúde do animal e nenhum tipo de doença metabólica. Com isso, conclui-se que não há a necessidade de moer o caroço de algodão para uso em dietas para cordeiros, no entanto, a adição de quitosana aumenta o nível de ácidos graxos essenciais (rumênico - 18:2 c9 t11- e eicosapentenóico - 20:5-) na carne de cordeiros e diminui os processos inflamatórios no fígado, rim e rúmen.

aditivo;D-glicosamina;fermentação ruminal;gordura protegida;gossipol;metabolismo
The objective of this study was to evaluate the effect of chitosan (whole or ground) on diet and dry matter digestibility and nutrient components, weight gain, nitrogen balance, microbial synthesis, carcass, meat quality, histopathology of the rumen and hepatic and renal parenchyma. Eighty Santa Inês lambs, with an average weight of 22.6 ± 2.2 kg, with 04 to 05 months old were distributed in a completely randomized design, in a 2 x 2 factorial arrangement, with the use of the core of whole or ground cotton and chitosan (0 or 136 mg / kg body weight). The digestibility of dry matter and organic matter was significant for the processing of cottonseed. No differences (P> 0.05) were observed for the nitrogen balance between the use of cotton seed and chitosan for ingested nitrogen in feces and urine. However, there was interaction (P> 0.05) between the effect of the processing and the use of chitosan for the synthesis of microbial protein. There was no difference (P> 0.05) for the average daily gain, feed conversion (CA) and feed efficiency (EA). The ingestive behavior was not influenced by the diets, indicating that the cotton seed can be used both whole and milled without the need for chitosan. The characteristics of the carcass and the physical-chemical composition of the meat, as well as the yield of the commercial cuts of lambs are not affected by the way of supplying the cotton and chitosan stone in the diet. The association of cotton seed with chitosan increases the levels of ruminal (18: 2 c9 t11) and eicosapentenoic (20: 5) fatty acids of lamb meat. According to the blood metabolic profile, chitosan-associated cotton seed diets did not promote damage to the animal's health and no type of metabolic disease. Therefore, it is concluded that there is no need to grind the cotton seed for use in lamb diets, however, the addition of chitosan increases the level of essential fatty acids (ruminal - 18: 2 c9 t11- and eicosapentenoic - 20: 5-) in the flesh of lambs and decreases inflammatory processes in the liver, kidney and rumen.
additive;D-glucosamine;gossypol;metabolism;protected fat;ruminal fermentation
0
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

PRODUÇÃO ANIMAL
PRODUÇÃO DE RUMINANTES E FORRAGICULTURA
-

Banca Examinadora

EDSON MAURO SANTOS
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
CARLOS EMANUEL EIRAS Participante Externo
LAUDI CUNHA LEITE Participante Externo
JOSE ESLER DE FREITAS JUNIOR Docente - PERMANENTE
MANUELA SILVA LIBANIO TOSTO Docente - PERMANENTE
GLEIDSON GIORDANO PINTO DE CARVALHO Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 48

Vínculo

-
-
-
Não