Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BIOLOGIA MOLECULAR) (33009015001P0)
INVESTIGAÇÃO DA ATIVIDADE ANTITUMORAL E ANTI-ANGIOGÊNICA DA VIOLACEÍNA EM CO-CULTURAS DE CÉLULAS LEUCÊMICAS E CÉLULAS ENDOTELIAIS
MARCELLY VALLE PALLADINO
TESE
25/10/2018

Introdução: O microambiente da medula óssea é um complexo milieu de diversos tipos de células estromais e hematopoéticas envolvidas na autorenovação e diferenciação das células-tronco e progenitoras hematopoéticas (HSPC). Vários fatores solúveis e ligados à membrana produzidos pelas células endoteliais (EC) e pelo estroma perivascular constituem sinais cruciais para manter a quiescência e facilitar o retorno à homeostase após quimioterapia mieloablativa. Além disso, vários trabalhos demonstram uma relação entre HSPCs e ECs, apontando atividade hemangioblástica às HSPCs, tanto na geração das células como dos vasos sanguíneos. Considerando as relações entre HSPCs e ECs na medula óssea, é possível implicar as ECs no estabelecimento e progressão de HSPCs malignas como as leucemias mieloides aguda e crônica. De fato, nas leucemias, estudos demonstram que a angiogênese também contribui para sua patogênese, havendo um aumento na vascularização da medula óssea, associado a níveis elevados de fatores angiogênicos. Desta forma, as estratégias terapêuticas que visam inibir o processo angiogênico podem auxiliar o tratamento da leucemia. Objetivo: este estudo tem como objetivo investigar o efeito anti-angiogênico da violaceína em sistemas de co-cultura de células endoteliais de aorta de coelho (RAEC) e células leucêmicas das linhagens K562 e Lucena-1 (K562 com fenótipo MDR- 1). Resultados: Observou-se que a violaceína, em concentrações inferiores ao seu IC50, é capaz de inibir a formação de tubo capilar, a proliferação, migração e invasão de ECs, sendo o IC50 das células RAEC (5,0 μM) superior ao IC50 das células leucêmicas (3,5 μM). Quando as células RAEC foram co-cultivadas com células de leucemia em contato direto, na presença de insertos ou com o meio condicionado das células leucêmicas, observou-se um aumento na proliferação, formação capilar, migração e invasão das células RAEC. Além disso, o aumento nestes parâmetros foi maior em co-culturas com a linhagem Lucena-1. Em contrapartida, o pré-tratamento das células leucêmicas com violaceína reduziu significativamente estes efeitos, com inibição das vias VEGFR2/PI3K/AKT e VEGFR2/Src/MAPK nas linhagens estudadas (ECs e leucemias). Em conjunto, os resultados obtidos apontam a importância de fatores solúveis na modulação dos eventos associados ao processo xii angiogênico e demonstram o potencial anti-angiogênico da violaceína com ação em vias importantes de regulação da angiogênese e proliferação celular.

l.Leucemia. 2.Angiogenese. 3.Câncer. 4.Violaceína.
Introduction: The bone marrow microenvironment is a milieu complex of various types of stromal and hematopoietic cells involved in the self-renewal and differentiation of stem cells and hematopoietic progenitors (HSPC). Several soluble and membrane-bound factors produced by endothelial cells (EC) and perivascular stroma are crucial signals to maintain quiescence and facilitate the return to homeostasis after myeloablative chemotherapy. In addition, several studies have shown a relationship between HSPCs and ECs, pointing to hemangioblastic activity in HSPCs, both in the generation of cells and blood vessels. Considering the relationships between HSPCs and CSs in the bone marrow, it is possible to implicate CDEs in the establishment and progression of malignant HSPCs such as acute and chronic myeloid leukemias. In fact, in leukemias, studies have shown that angiogenesis also contributes to its pathogenesis, with an increase in bone marrow vascularization, associated with elevated levels of angiogenic factors. Thus, therapeutic strategies that aim to inhibit the angiogenic process may aid in the treatment of leukemia. OBJECTIVE: The objective of this study was to investigate the anti-angiogenic effect of violacein on rabbit aortic endothelial cell (RAEC) and leukemic cells from the K562 and Lucena-1 (K562 with MDR-1 phenotype) lines. Results: It was observed that violacein, at concentrations lower than its IC 50, is able to inhibit capillary tube formation, proliferation, migration and invasion of ECs, with IC50 of RAEC cells (5.0 μM) higher than IC 50 Of the leukemic cells (3.5 μM). When RAEC cells were co-cultured with leukemia cells in direct contact, in the presence of inserts or with the conditioned medium of the leukemic cells, an increase in proliferation, capillary formation, migration and invasion of RAEC cells was observed. In addition, the increase in these parameters was higher in co-cultures with the Lucena-1 lineage. In contrast, pre-treatment of leukemic cells with violacein significantly reduced these effects, with inhibition of the VEGFR2 / PI3K / AKT and VEGFR2 / Src / MAPK pathways in the studied strains (ECs and leukemias). Taken together, the results show the importance of soluble factors in the modulation of the events associated with the angiogenic process and demonstrate the anti-angiogenic potential of violacein with action in important ways of regulating angiogenesis and cell proliferation.
l. Leukemia. 2.Angiogenesis. 3. Cancer. 4.Violacein.
1
130
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

BIOLOGIA MOLECULAR E CELULAR
GLICOBIOLOGIA
BIOSSÍNTESE E DEGRADAÇÃO DE PROTEOGLICANOS

Banca Examinadora

GISELLE ZENKER JUSTO
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
DANIELLA MARCIA BAHIA KERBAUY Participante Externo
EDGAR JULIAN PAREDES GAMERO Docente - COLABORADOR
MARIA APARECIDA DA SILVA PINHAL Docente - PERMANENTE
GISELE WALLY BRAGA COLLEONI Participante Externo

Vínculo

CLT
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim