Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS (28001010036P7)
EFEITO DO FLAVONOIDE AGATHISFLAVONA NA MODULAÇÃO DA RESPOSTA GLIAL E NA POPULAÇÃO DE NEURÔNIOS CORTICAIS EM MODELO IN VITRO DE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
VANESSA CRISTINA MEIRA DE AMORIM
DISSERTAÇÃO
30/05/2018

Em um primeiro momento, utilizou-se a prospecção científica para a avaliação ao nível mais alto de desenvolvimento em artigos científicos sobre pesquisa com o flavonoide agathisflavona. A pesquisa prospectiva resultou em 81 produções científicas expressas em diversos periódicos, submetidas por diferentes países, com aumento no número de publicações verificado na última década. Entre as atividades biológicas do flavonoide agathisflavona, já demonstradas, estão efeito hepatoprotetor, antiprotozoario, antibiótico, antiviral, imunomodulador, neurogênico e neuroprotetor. Nesta perspectiva, foi possível investigar os avanços no estudo do flavonoide agathisflavona para desenvolvimento de novas terapêuticas. Em um segundo momento, testou-se os efeitos da agathisflavona em um modelo in vitro de TCE. O TCE é uma patologia multifatorial, sendo causa importante de incapacitação em seres humanos e animais. A depender do estresse mecânico causado pelo TCE, os astrócitos reagem com mudanças complexas de fenótipo e função conhecidas como astrogliose. Em casos de dano tecidual severo, os astrócitos proliferam na área imediatamente adjacente à lesão e se entrelaçam formando a cicatriz glial que, apesar de importante para mitigar o dano inicial do TCE também interfere na posterior regeneração do SNC. O flavonoide agathisflavona tem demonstrado efeito neuroprotetor, neurogênico e imunomodulador, o que pode ser benéfico em situações de TCE. Neste estudo foram investigados os efeitos do flavonoide agathisflavona em um modelo in vitro de TCE em culturas primárias de córtex cerebral embrionário murino em termos de modulação da resposta astrocitária, integridade de neurônios e modulação de fatores neurotróficos e imunomodulatórios. Comparado com os controles, tratamento com agathisflavona (1 µM) diminuiu a expressão de GFAP e espessamento de processos astrocitários observado nas culturas lesionadas, e gerou um aumento no número de corpos de neurônios e crescimento de neuritos que adentram a lesão. Agathisflavona (0,1 e 1 µM) também induziu aumento na expressão de fatores neurotróficos NGF e GDNF, assim como da enzima arginase-1, associada com microglias de perfil neuroprotetor M2. Os resultados encontrados no presente estudo demonstram que o flavonoide agathisflavona modula a resposta astrocitária e formação de cicatriz glial, estimulando a recomposição da rede neural em um modelo in vitro de TCE, o que pode ser considerado para terapia de TCE.

flavonoide;agathisflavona;antibiótico;antiviral
Initially, scientific prospecting was used for evaluation at the highest level of development in scientific papers on research with the flavonoid agathisflavone. The prospective research resulted in 81 scientific productions expressed in several journals, submitted by different countries, with an increase in the number of publications verified in the last decade. Among the biological activities of the flavonoid agathisflavone, already demonstrated, are hepatoprotective, antiprotozoal, antibiotic, antiviral, immunomodulatory, neurogenic and neuroprotective effect. In this perspective, it was possible to investigate the advances in the study of the flavonoid agathisflavone for the development of new therapeutics. In a second step, the effects of agathisflavone on an in vitro model of TBI were tested. ECT is a multifactorial pathology, being an important cause of incapacitation in humans and animals. Depending on the mechanical stress caused by TBI, astrocytes react with complex phenotype and function changes known as astrogliosis. In cases of severe tissue damage, astrocytes proliferate in the area immediately adjacent to the lesion and intertwine forming a glial scar which, while important to mitigate the initial damage of the TBI, also interferes with the subsequent regeneration of the CNS. The flavonoid agathisflavone has demonstrated neuroprotective, neurogenic and immunomodulatory effects, which may be beneficial in situations of TBI. In this study we investigated the effects of flavonoid agathisflavone on an in vitro model of TBI in primary cultures of murine embryonic cerebral cortex in terms of modulation of astrocytic response, neuron integrity and modulation of neurotrophic and immunomodulatory factors. Compared with the controls, treatment with agathisflavone (1 μM) decreased GFAP expression and thickening of astrocyte processes observed in the injured cultures, and generated an increase in the number of neuron bodies and neurite outgrowth that entered the lesion. Agathisflavone (0.1 and 1 μM) also induced increased expression of NGF and GDNF neurotrophic factors, as well as the arginase-1 enzyme, associated with M2 neuroprotective profile microglia. The results found in the present study demonstrate that the flavonoid agathisflavone modulates the astrocytic response and glial scar formation, stimulating the neural network recomposition in an in vitro model of TBI, which can be considered for TBI therapy.
flavonoid;agathisflavone;antibiotic;antiviral
01
91
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

SAÚDE ANIMAL
PRODUTOS E PROCESSOS BIOTECNOLÓGICOS
-

Banca Examinadora

SILVIA LIMA COSTA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MARIANA BORGES BOTURA Participante Externo
GYSELLE CHRYSTINA BACCAN Participante Externo
RICARDO WAGNER DIAS PORTELA Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
CONS NAC DE DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO - CAPES 24

Vínculo

-
-
-
Sim