Governo Federal

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
SAÚDE COLETIVA (33009015067P1)
Fatores associados ao baixo índice de massa muscular no envelhecimento e sua relação com incapacidade funcional em uma coorte de idosos na cidade de São Paulo
MIGUEL ANGELO MOSCOSO NAVEIRA
TESE
28/11/2017

Introdução: O crescimento da população de idosos é um fenômeno mundial e está associado a alterações profundas na composição corporal. O propósito desse estudo foi descrever a magnitude do problema, avaliar os fatores associados e a relação com a capacidade funcional na população estudada. Objetivos: Identificar os principais fatores associados à presença de baixo índice de massa muscular em indivíduos não obesos com idade igual ou superior a 65 anos, participantes do Projeto EPIDOSO, estimar sua frequência e, avaliar a relação entre baixo índice de massa muscular esquelética e a capacidade funcional e/ou óbito na população em estudo. Metodologia: A população de referência neste estudo foi representada pela população de indivíduos não obesos com idade igual ou acima de 65 anos residentes no bairro Vila Clementino, na cidade de São Paulo. Foram utilizados dados secundários do Projeto EPIDOSO, obtidos nos inquéritos transversais realizados no Centro de Estudos do Envelhecimento da Escola Paulista de Medicina / Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Foram realizados 2 estudos. Estudo 1: Transversal com dados de 563 idosos não obesos pertencentes ao 1º momento do Projeto EPIDOSO no período de 1991-1992. Foram considerados os valores de índice de massa muscular esquelética obtidos através de dados antropométricos e equação preditiva. Foram investigadas as variáveis: sexo, faixa etária, etnia, estado conjugal, escolaridade, nível de atividade física, histórico médico, déficit cognitivo, quedas nos últimos 12 meses e, capacidade funcional. Para a análise empregou-se regressão logística múltipla com modelo hierarquizado com p<0,05 e IC95%. Estudo 2: Longitudinal composto por amostra de 335 idosos com idade igual ou superior a 65 anos, não obesos e ausência de incapacidade funcional no início da coorte. Foram investigadas as variáveis: sexo, faixa etária, etnia, histórico médico e capacidade funcional. Os valores de índice de massa muscular (IMM) foram obtidos através de dados antropométricos e equação preditiva. A capacidade funcional foi medida por meio de questionário multidimensional estruturado e validado para a população brasileira. Os óbitos ocorridos no período foram investigados com familiares através dos inquéritos domiciliares, em cartórios e registros da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. As estimativas de sobrevida livre de eventos foram calculadas por meio de Curvas de Kaplan-Meier, utilizando o teste de Log-Rank para estabelecer comparações. Utilizou-se modelo múltiplo de riscos proporcionais de Cox para a identificação do efeito independente dos preditores de incapacidade ou óbito com p<0,05 e IC95%. O programa estatístico SPSS 20.0 foi utilizado para todas as análises. Resultados: Estudo 1: 39,4% foram do sexo masculino e 60,6% do sexo feminino. A média etária foi de 74,32 anos (dp=6,17 anos). A frequência de idosos não obesos com baixo índice de massa muscular foi de aproximadamente 14,6%, sendo de 15,8% em homens e, 13,8% em mulheres. Associações significativas com baixo índice de massa muscular foram encontradas no modelo final somente com faixa etária de 75 a 79 anos (ORaj=4,88;IC95%[2,22;10,71]), 80 a 84 anos (ORaj=8,25;IC95%[3,45;19,72]) e 85 anos ou mais (ORaj=7,94;IC95[3,12;10,23]). Estudo 2: O tempo médio encontrado para o aparecimento de incapacidade funcional e/ou óbito foi de 7,1 anos (IC95%=[6,8;7,5]). Na análise bruta, verificaram-se diferenças estatisticamente significativas no tempo até ocorrência de incapacidade funcional ou óbito, por faixa etária (p<0,001), hipertensão arterial (p=0,046), diabetes mellitus (p=0,007) e diferença estatística marginal com índice de massa muscular (p=0,105). Os fatores associados a maior risco de ocorrência de incapacidade funcional foram faixa etária 75 a 79 anos (HR=3,31;IC95%[1,88;5,85]), 80 a 84 anos (HR=4,30;IC95%[2,22;8,31]), 85 anos ou mais (HR=8,22; IC95%[3,87;17,47]) ambas com p<0,001 e presença de diabetes mellitus (HR=1,85; IC95%[1,09;3,12]) com p=0,022. Conclusão: No primeiro estudo, idade avançada principalmente acima de 75 anos foi importante fator na regulação da variável índice de massa muscular. No segundo estudo, o avançar da idade e presença de diabetes mellitus aumentou o risco do idoso apresentar incapacidade funcional.

massa muscular;envelhecimento;incapacidade funcional;estudo transversal;estudo longitudinal;análise de sobrevida
Introduction: The growth of the elderly population is a worldwide phenomenon and is associated with profound changes in body composition. The purpose of this study was to describe the magnitude of the problem, to evaluate the associated factors and the relation with functional capacity in the study population. Objectives: To identify the main factors associated with the presence of low muscle mass index in non-obese individuals aged 65 and over, participating in the EPIDOSO Project, to estimate their frequency and to evaluate the relationship between low skeletal muscle mass index and functional capacity and / or death in the study population. Methodology: The reference population in this study was represented by the population of non-obese individuals aged 65 years or older living in the Vila Clementino neighborhood, in the city of São Paulo. Secondary data from the EPIDOSO Project were used in cross-sectional surveys conducted at the Center for the Study of Aging at the Paulista School of Medicine / Federal University of São Paulo (UNIFESP). Two studies were performed. Study 1: Transversal design with data of 563 non-obese elderly individuals belonging to the 1st moment of the EPIDOSO Project in the period 1991-1992. The values of skeletal muscle mass index obtained through anthropometric data and predictive equation were considered. The following variables were investigated: gender, age, ethnicity, marital status, schooling, physical activity level, medical history, cognitive deficit, falls in the last 12 months and functional capacity. For the analysis, multiple logistic regression was used with a hierarchical model with p <0,05 and 95% CI. Study 2: Longitudinal design consisting of a sample of 335 elderly individuals aged 65 years or over, non-obese and absence of functional disability at the beginning of the cohort. The variables gender, age, ethnicity, medical history and functional capacity were investigated. The values of muscle mass index (MMI) were obtained through anthropometric data and a predictive equation. The functional capacity was measured by means of a multidimensional questionnaire structured and validated for the Brazilian population. The deaths occurred in the period were investigated with relatives through household surveys, in registries and registries of the State System of Data Analysis Foundation. Estimates of event-free survival were calculated using Kaplan-Meier Curves, using the Log-Rank test to establish comparisons. A multiple Cox proportional hazards model was used to identify the independent effect of predictors of disability or death at p <0.05 and 95% CI. The statistical program SPSS 20.0 was used for all analyzes. Results: Study 1: 39,4% were male and 60,6% female. The mean age was 74,32 years (SD=6,17 years). The frequency of non-obese elderly with low muscle mass index was approximately 14.6%, being 15.8% in men and 13.8% in women. Significant associations with low muscle mass index were found in the final model only with the age range of 75 to 79 years (ORaj =4,88; 95%CI[2,22; 10,71]), 80 to 84 years (ORaj=8,25; 95%CI[3,45; 19,72]) and 85 years or more (ORaj=7,94; 95%CI[3,12; 10,23]). Study 2: The mean time found for the onset of functional disability and / or death was 7,1 years (95%CI [6,8; 7,5]). In the crude analysis, there were statistically significant differences in the time to occurrence of functional disability or death, by age group (p <0.001), arterial hypertension (p=0,046), diabetes mellitus (p=0,007) and marginal statistical difference muscle mass index (p=0,105). The factors associated with a greater risk of occurrence of functional disability were 75 to 79 years (HR=3,31;95% CI[1,88; 5,85]), 80 to 84 years old (HR=4,30;95%CI[2,22; 8,31]), 85 years or older (HR=8,22;95%CI[3,87;17,47]), both with p<0.001 and presence of diabetes mellitus (HR=1,85;95%CI[1,09; 3,12]) with p=0,022. Conclusion: In the first study, advanced age mainly above 75 years was an important factor in the regulation of the variable muscle mass index. In the second study, advancing age and presence of diabetes mellitus increased the risk of the elderly presenting functional disability.
muscle mass;aging;functional disability;cross-sectional study;longitudinal study;survival analysis
1
179
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

Contexto

EPIDEMIOLOGIA
DISTRIBUIÇÃO E FATORES ASSOCIADOS À SAÚDE DE POPULAÇÕES
EPIDOSO II: COORTE URBANA DE IDOSOS

Banca Examinadora

SOLANGE ANDREONI
Sim
Nome Categoria
JOSE MARIA SANTAREM SOBRINHO Participante Externo
JULIO CESAR MASSONETTO Participante Externo
CLINEU DE MELLO ALMADA FILHO Participante Externo
LUIZ ALBERTO AMADOR PEREIRA Participante Externo

Vínculo

CLT
Empresa Privada
Ensino e Pesquisa
Não