Dados do Trabalhos de Conclusão

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO (31005012001P0)
Correção de Fluxo em uma Escola da Rede Pública Municipal do Rio de Janeiro: percepções e discricionariedade dos agentes implementadores
MARINA MEIRA DE OLIVEIRA
DISSERTAÇÃO
06/04/2017

O presente trabalho busca compreender a implementação de uma política de correção de fluxo em uma escola municipal do Rio de Janeiro. Para isso, investigaram-se as percepções de agentes escolares sobre o projeto, analisando de que forma elas influenciam sua discricionariedade. Como referencial teórico, recorreu-se à sociologia da educação, particularmente às contribuições de Bourdieu sobre o fracasso escolar e o julgamento docente. Valeu-se ainda dos estudos sobre burocracia do nível da rua, inaugurados por Lipsky. Quanto à metodologia, analisaram-se os documentos relativos à política de correção de fluxo desenvolvida no Rio de Janeiro, com base na reconstrução realizada por Lima (2016). Em seguida, exploraram-se os dados do censo escolar relativos à escola selecionada. O material empírico foi gerado por meio de entrevistas semiestruturadas com 32 atores, incluindo professores, gestores, agentes educadores e alunos inseridos em turmas regulares e de aceleração. O estudo conclui que há resistência aos projetos, principalmente pela concentração de alunos considerados “problemáticos” em uma mesma turma. Predomina a percepção desses alunos como indisciplinados, desinteressados ou mesmo portadores de deficiências cognitivas, de modo que a responsabilidade por seu fracasso lhes é exclusivamente atribuída. Os agentes implementadores parecem orientar suas ações discricionárias com base em um senso prático-moral que distingue alunos “merecedores” dos “não merecedores”, atendendo às suas necessidades percebidas de forma diferenciada. Por fim, discute-se em que medida a compreensão da aprendizagem escolar como um direito de todos pode ser ressignificada como uma recompensa a alguns, em um contexto de intensa sobrecarga de trabalho e falta de recursos.

Política de correção de fluxo;Aceleração da aprendizagem;Discricionariedade;Burocracia do nível da rua
The present study aims to understand the implementation of a flow correction policy in a municipal school in Rio de Janeiro. To do so, we investigated teachers’, principals’ and students’ perceptions on the project, analyzing how they influence their discretion. Among the theoretical references are the contributions of Sociology of Education, especially Bourdieu’s ones concerning school failure and school agents’ judgements, and the studies on street-level bureaucracy inaugurated by Lipsky. Regarding the methodology, we first analyzed the official documents related to the flow correction policy implemented in Rio de Janeiro, based on Lima’s (2016) review on the subject. Secondly, we proceeded to an exploratory research into School Census data related to the selected school. The empirical material was generated through semi-structured interviews with 32 subjects, including teachers, principals, assistants and students from regular and accelerated learning classes. The study concludes that there is considerable resistance to the flow correction policy, especially due to the concentration of those students identified as “problematic” in the same classes. There is a prevailing perception of overage students as undisciplined, uninterested, or even as cognitively impaired, holding such students accountable for their own failure. The implementing agents seem to guide their discretionary actions based on a practical-moral judgement that differs “worthy” students from “unworthy” ones, responding to their perceived needs differently. By way of conclusion, we discuss to what extent the understanding of school education as a public right can be resignified as a private reward in a context of work overload and scant resources.
Flow correction policy;Accelerated learning;Discretion;Street-level bureaucracy
1
199
PORTUGUES
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

EDUCAÇÃO BRASILEIRA
-
-

Banca Examinadora

CYNTHIA PAES DE CARVALHO
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MURILLO MARSCHNER ALVES DE BRITO Docente - PERMANENTE
GABRIELA SPANGHERO LOTTA Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Excelência Acadêmica 12
FUNDACAO CARLOS CHAGAS FILHO DE AMPARO A PESQUISA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-FAPERJ - Programa Bolsa Nota 10 12

Vínculo

CLT
Outros
Ensino e Pesquisa
Sim