Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
Oftalmologia e Ciências Visuais (33009015024P0)
PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS CRIANÇAS OPERADAS DE CATARATA EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL
ANA PAULA SILVERIO RODRIGUES
DISSERTAÇÃO
28/04/2017

Objetivo: Avaliar a epidemiologia das crianças operadas de catarata em um centro de referência no estado de São Paulo, Brasil, assim como avaliar tempo de demora para o diagnóstico de catarata, teste do reflexo vermelho como auxílio diagnóstico mais precoce em bebês com catarata congênita, identificar a morfologia das cataratas operadas, assim como as técnicas cirúrgicas empregadas. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal observacional de 2012 a 2015, no Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da UNIFESP. Participaram deste estudo um total de 180 crianças com catarata, que tiveram os seguintes dados coletados: identificação, número do registro hospitalar, data de nascimento, sexo, olho operado, data do primeiro atendimento, principal queixa pela qual a criança procurou nosso serviço, se foi realizado o TRV, antecedentes pessoais, oculares e familiares, presença de estrabismo e nistagmo, morfologia da catarata à biomicroscopia, data da cirurgia e tipo de cirurgia realizada. Os dados foram analisados descritivamente. Para as variáveis categóricas foram apresentadas frequências absolutas e relativas e para as variáveis numéricas, medidas-resumo(média, quartis, mínimo, máximo e desvio padrão). Resultados: Foram analisadas as informações de 243 olhos operados de 180 crianças portadoras de catarata. Observaram-se participações similares entre meninos e meninas (p=0,062). As crianças operadas, em média, foram atendidas pela primeira vez aos 49,9 meses de idade (DP=52,7 meses), a média de idade na cirurgia nas crianças foi de 65,4 meses(DP=57,8 meses) – pouco mais de 5 anos. A mediana da idade na cirurgia foi de 55 meses. Além disso, o tempo médio entre o diagnóstico e cirurgia foi de 14,9 meses (DP=19,1 meses). Notou-se distribuições similares por faixa etária no momento da cirurgia (p=0,519). Nos bebês operados até 1 ano de idade, verificou-se que a lateralidade (uni ou bilateral) foi semelhante (p=1,000). Um terço das crianças com até 1 ano no momento da cirurgia não apresentaram informações sobre realização do TRV. Dentre aquelas que realizaram o TRV, 28,0% (IC95%=[12,1%; 49,4%]) apresentaram resultados alterados. A média do tempo até a cirurgia em olhos dos bebês foi de 5,6 meses (DP=3,2 meses). Analisando-se o tempo até a cirurgia em olhos de crianças que realizaram o TRV, não se verificou diferenças de médias entre aqueles que apresentaram resultados normais ou alterados (p=0,926). Vinte por cento das crianças possuem história familiar de catarata, 11,9% foram prematuras e 9,5% apresentavam Síndrome de Down. Com relação a antecedentes oftalmológicos, a cirurgia prévia foi a de maior ocorrência (16,4%), seguida por alterações do segmento anterior e estrabismo (pouco mais de 9%). Ao exame oftalmológico, cerca de 24,2% das crianças apresentaram nistagmo e 20,3%, estrabismo. Os quatro tipos morfológicos de catarata mais frequentes foram: total (29,1%), lamelar (22,0%), nuclear (16,5%) e subcapsular posterior (15,5%). Os encaminhamentos dentro do próprio Departamento de Oftalmologia (47,1%) foram os principais achados, seguido por leucocoria (25,8%), segunda maior porcentagem. Os principais procedimentos cirúrgicos realizados foram lensectomia 23G (22,5%) e FACO+ implante de lente intraocular (LIO) no saco capsular (21,2%). Conclusão: As crianças operadas apresentaram acometimento semelhante entre os sexos, foram atendidas com a idade de 4 anos e operadas aos 5 anos. Quanto às possíveis etiologias, neste grupo, podemos destacar: hereditariedade, Síndrome de Down, história de prematuridade, infecções e trauma. Não notamos nenhuma preferência com relação à lateralidade nos bebês (< 12 meses) operados. O nistagmo esteve presente em muitas crianças, demonstrando o diagnóstico tardio de casos congênitos. O diagnóstico e tratamento precoces, dois pontos fundamentais na recuperação visual das crianças, apresentaram algumas falhas. Mesmo sendo obrigatório o TRV nas maternidades do estado de São Paulo, a maioria dos bebês atendidos estava sem informação sobre a realização do mesmo e, nos bebês em que o teste havia sido realizado, a grande maioria dos resultados estava descrita como normal. Medidas de conscientização e treinamento dos profissionais de saúde devem ser adotadas para permitir que os bebês com catarata sejam identificados, melhorando assim as chances de atingir uma boa acuidade visual quando tratados. Programas de educação das gestantes/pais também têm seu papel importante no diagnóstico precoce, uma vez que a leucocoria foi a principal queixa que os levaram a procurar assistência. Não se demonstrou estatisticamente que os bebês triados com o TRV foram operados mais precocemente dos que os que não haviam sido examinados. Os principais fatores envolvidos no atraso do tratamento podem ser a dificuldade de referenciamento e a grande quantidade de pacientes no sistema público. Uma medida recentemente adotada pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo visa organizar e encaminhar os casos alterados de acordo com a região em que a criança nasceu, podendo assim agilizar a chegada dos bebês nos centros públicos de referência. Investimentos nas áreas de saúde, com a contratação de profissionais qualificados e a construção de centros especializados agilizariam e tornariam o tratamento acessível a um maior número de crianças. Nossa preferência para bebês (menores de 12 meses) ainda é a extração da catarata, sem implante de LIO com técnicas minimamente invasivas e para crianças acima de 1 ano, a correção da afacia acontece com o implante da LIO no mesmo momento cirúrgico.

Catarata/congênito;Catarata/etiologia;Extração de Catarata;Catarata/epidemiologia;Afacia/congênito;Criança.
Purpose: The main purpose is to study epidemiological characteristics of children submitted to cataract surgery at a referral center in the State of São Paulo - Brazil. Subsequently, age at cataract diagnosis, red reflex test, congenital and development cataracts morphology, surgical technique were also studied. Methods: Between 2012 and 2015 at the Ophthalmology and Visual Science – UNIFESP, the files of 180 children submitted to cataract surgery were reviewed in this observational study. The following outcomes were analyzed: identification, gender, age, age at first appointment, operated eye, main parental complaining, comorbidity, familial history familiar background, red reflex test, cataract morphology, strabismus, type of surgery and age of cataract extraction. Results: A total of 243 eyes of 180 children (57.2% boys and 42.8% girls) were enrolled in this study (p=0.062). The mean age at the admission was 49.9 months, and the mean age of cataract surgery was 65.4 months. The mean interval between admission and surgery was 14.9 months. There was no gender preference (p=0.519) in all children who had cataract extraction, and in children < 12 months’ laterality was equal (p=1.000). We do not have information about red reflex screening in one-third of the operated babies. The exam was done in two-thirds of them, and the results were abnormal in only 28.0%. The mean age at surgery in children < 12 months was 5.6 months (DP=3.2 months), and the result of red reflex screening has not contributed for earlier surgery. Family history of cataract was present in 20.1% of the children and comorbidities like prematurity in 11.9% and Down Syndrome in 9.5% of the children. Nistagmus (24.2%), strabismus (20.3%), previous ocular surgery (16%), anterior segment abnormalities and strabismus were ocular findings. Regarding morphology, the four most common types of cataract were total (29.1%), lamellar (22.0%), nuclear (16.5%), and posterior subcapsular (15.5%). The most important parents complain at the first visit was leukocoria (25.8%). 23 Gauge lensectomy (22.5%) and facoemulsification with IOL implantation (21.2%) were the most frequent surgical techniques. Conclusion: Children who were submitted to a cataract surgery at state of São Paulo Referral Center presented equal distribution between boys and girls. The mean age at the first visit and surgery were about 4 and 5 years old, respectively. Hereditary, prematurity, Down Syndrome, infections, trauma were prenatal and postnatal history were the most frequent findings in these children. There is no preference for laterality. Total, lamellar, nuclear and posterior subcapsular were the most common morphologycal types. Lensectomy minimally invasive is our first choice for children younger than 12 months and for children older than 13 months, cataract extraction and IOL implantation. Although red reflex screening program is mandatory by law, we do not get exam information in most babies (children < 12 months) and, in those we got the exam results, in 72% of operated babies the test was normal. The red reflex also did no decrease time between first visit and surgery. Referral difficulties, besides not enough number of specialized centers in pediatric ophthalmology, were the most important barriers to adequate treatment of cataract pediatric children. Measures of awareness, health care workers training and parents education, besides financial investments in ophthalmologic pediatric centers, will improve outcomes, increasing treatment success.
Cataract / congenital;Cataract / etiology;Cataract extraction;Cataract / epidemiology;Afacia / congenital;Child.
01
84
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

Contexto

ANÁLISE DA EFICÁCIA DE PROTOCOLOS DE INTERVENÇÃO
INDICADORES DE QUALIDADE ANATÔMICA E ÓPTICA DE TECIDOS DO SEGMENTO ANTERIOR DO OLHO E SEUS ANEXOS.
ESTUDO PROSPECTIVO DA PERFORMANCE VISUAL DE DIFERENTES LENTES INTRAOCULARES

Banca Examinadora

DENISE DE FREITAS
Sim
Nome Categoria
NILVA SIMEREN BUENO DE MORAES AMBROGINI Participante Externo
ANDREA ARAUJO ZIN Participante Externo
ANTONIO CARLOS LOTTELLI RODRIGUES Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Excelência Acadêmica 22

Vínculo

Colaborador
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim