Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
Ciência Animal Tropical (25003011031P6)
RAMOS DO ARCO AÓRTICO E DA AORTA DESCENDENTE EM BICHO-PREGUIÇA (BRADYPUS VARIEGATUS, SCHINZ. 1825)
PRISCILLA VIRGINIO DE ALBUQUERQUE
DISSERTAÇÃO
23/02/2017

Os bichos-preguiça são mamíferos de muitas peculiaridades morfofisiológicas. Neste contexto, realizou-se o estudo das características e ramificações principais do arco aórtico e artéria aorta descendente, na espécie Bradypus variegatus. Para tal, foram utilizados dez animais adultos sendo, uma fêmea e três machos submetidos à dissecação, dos quais obteve-se medidas de diâmetro e comprimento dos vasos, enquanto que três fêmeas e três machos destinaram-se à técnica de raio-x digital com contraste. Constatou-se uma sintopia uniforme do arco, bem como, da artéria aorta descendente. Todavia, a topografia mostrou-se bem variável. Com base nos ramos aórticos, para àqueles torácicos, percebeu-se, uma maior variação nos originados do arco e dos que emergem da artéria aorta torácica e irrigam estruturas medianas e do antímero direito do tórax. Sendo encontrados valores maiores para o diâmetro dos vasos na fêmea do que nos machos. E valores correspondentes para comprimento da artéria aorta torácica, assim como acontece na artéria aorta abdominal, entretanto, nesta, o diâmetro, tanto inicial quanto final é maior na fêmea. Com relação aos ramos aórticos abdominais, foram observadas variações, sobretudo, quanto à origem do tronco celíaco, suas ramificações, artéria mesentérica cranial, artérias gonadais, artéria mesentérica caudal e artérias lombares dorsais. Em contrapartida, as artérias, frênica, renais e ilíacas externas mostraram-se uniformes entre os espécimes, exceto nos casos onde há duplicidade da artéria renal esquerda. A artéria aorta emite três ramos terminais, as artérias. ilíacas internas e artéria sacral mediana. O diâmetro dos vasos provenientes da artéria aorta abdominal não apresentou grande discrepância entre os sexos. Mediante a caracterização dos ramos aórticos nas preguiças, pode-se afirmar que sofrem variações em relação a outras espécies, sejam elas domésticas ou silvestres.

Xenarthra;Pilosa;Bradipodydae;circulação sanguínea;ramos arteriais
Sloths are mammals of many morphophysiological peculiarities. In this context, the main features and ramifications of the arch of the aorta and descending aorta in Bradypus variegatus were studied. For this, ten adult animals were used, one female and three males were submitted to dissection, from which measurements of vessel diameter and length were obtained, while three females and three males were used for digital contrast x-ray technique. There was a uniform syntopy of the arch as well as of the descending aorta. However, the topography was very variable. Based on the aortic branches, a greater variation was observed for the thoracic ones, in those from the arch and from the descending thoracic aorta that irrigate median structures and right-side antimere of the thorax. Larger values were found for the diameter of the vessels in the females than in the males. In addition, corresponding values for thoracic aorta length, as in the abdominal aorta, however, in this, the diameter, both initial and final, is higher in the female. In relation to the abdominal aortic branches, variations were observed, mainly regarding the origin of the celiac trunk, its ramifications, cranial mesenteric artery, gonadal arteries, caudal mesenteric and dorsal lumbar arteries. In contrast, external arteries, phrenic, renal and iliac arteries were uniform among specimens, except in cases where there is duplicity of the left renal artery. The aorta emits three terminal branches, the internal iliac arteries and the medial sacral. The diameter of the vessels from the abdominal aorta artery did not present a great discrepancy between the sexes. Through the characterization of the aortic branches in the sloths, it can affirm that they suffer variations in relation to other species, be they domestic or wild.
Xenarthra;Pilosa;Bradipodydae;blood circulation;arterial branches
1
97
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

GENÉTICA MOLECULAR, CONSERVAÇÃO DE GERMOPLASMA E CONTROLE REPRODUTIVO EM AMBIENTE TROPICAL
GENÉTICA MOLECULAR E REPRODUÇÃO NOS TRÓPICOS
-

Banca Examinadora

MARLEYNE JOSE AFONSO ACCIOLY LINS AMORIM
DOCENTE - COLABORADOR
Sim
Nome Categoria
MOACIR BEZERRA DE ANDRADE Participante Externo
GILENO ANTONIO ARAUJO XAVIER Participante Externo

Vínculo

Servidor Público
Empresa Pública ou Estatal
Pesquisa
Sim