Dados do Trabalhos de Conclusão

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
CIÊNCIA ANIMAL (51001012013P9)
Ingestão de frutos de Enterolobium contortisiliquum causa fotossensibilização hepatógena em bovinos
PAULA VELOZO LEAL
DISSERTAÇÃO
16/02/2017

Enterolobium contortisiliquum (Leg. Mimosoidae) é uma planta tóxica responsabilizada por quadros de fotossensibilização e fotodermatite, distúrbios digestivos e abortos. Até o momento a reprodução clínica de fotossensibilização não foi bem sucedida ou apenas foi relacionada a apresentações muito discretas. O objetivo deste estudo foi reproduzir em bovinos o quadro de fotossensibilização associada a ingestão de favas de E. contortisiliquum. Os frutos foram coletados de uma propriedade com histórico de surtos de fotossensibilização e aborto em bovinos. Seis bovinos de 24 meses de idade, canulados foram utilizados no experimento, sendo destes dois utilizados como controle negativo. Os frutos foram administrados por via intrarruminal por meio de cânula ruminal. Na primeira fase do experimento doses diárias de 30g/kg/PV e 20g/kg/PV foram administradas aos bovinos 1 e 2 respectivamente, por três dias consecutivos. Na segunda fase, iniciada após quatro dias após o termino da primeira, estes foram desafiados com a mesma dose e outros dois (Bovinos 3 e 4) receberam doses 15g/kg/PV, todos por três dias consecutivos. Diariamente mensurava-se a frequência cardíaca, frequência respiratória, ph ruminal, avaliação de mucosas e realizava coleta de sangue para hemograma e exame bioquímico além de inspeções diárias para avaliação de lesões na pele. Nas duas fases os bovinos apresentaram sinais clínicos compatíveis com acidose ruminal, sendo mais graves os quadros na segunda fase do experimento. Três e cinco dias após o termino da administração dois bovinos apresentaram sinais de fotossensibilização, caracterizados por hiperemia e edema da pele do dorso do pescoço, na pele tricotomizada ao redor da cânula, na mufla e na orelha. As lesões evoluíram para necrose da pele, com posterior desprendimento, retração cicatricial e espessamento da pele. Ulceração da mucosa exposta ao sol foi observada. Todos os bovinos que receberam frutos tiveram alterações significativas de gama-glutamil transferase (GGT) e aspartato-amino transferase (AST). Os valores mantiveram-se elevados por até 12 dias após a administração da planta. Alterações histopatológicas hepáticas detectadas por biópsias hepáticas foram tumefação e necrose hepatocelular individual aleatória e multifocal. O presente estudo apresenta confirmação experimental de que a ingestão de E. contortisiliquum induz lesões de fotossensibilização hepatógena em bovinos.

doenças de ruminantes;plantas tóxicas;fotodermatite;Enterolobium contortisiliquum
Enterolobium contortisiliquum (Leg. Mimosoidae) is reported as a poisonous plant related to photosensitization and photodermatitis, digestive disturbs and abortion. To date, the clinical and pathological features of photosensitization has not been reproduced or only reproduced associated with very mild presentations. The objective of this study was to reproduce in cattle the clinicopathological features of photosensitization associated with the ingestion of the pods of E. contortisiliquum. The pods were harvested from a property with a history of an ongoing outbreak photosensitization and abortion in cattle. Six 24-month steers were cannulated and used in the experiment, two of them served as negative controls. E. contortisiliquum pods were administered to four steers through ruminal cannula. In the first phase of the experiment, daily doses of 30 g/kg/body weight (bw) and 20g/kg/bw were administered to Bovines 1 and 2 respectively, for three consecutive days. In the second phase, starting four days after the last daily feeding of the pods, these two bovines were challenged with the same doses of the pods for three consecutive days and another two steers (Bovines 3 and 4) were fed 15g/kg/bw each for three consecutive days. In the two phases, the steers developed signs compatible with ruminal acidosis which were more severe during the second phase. Three and five days after the administration of the pods, two steers presented photodermatitis characterized by hyperemia and edema on the skin of the dorsum of the neck, of the shaved skin around the cannula, of muzzle and ear. Lesions evolved to dermal necrosis with sloughing and subsequent scar retraction and dermal thickening. Ulceration of mucosae exposed to sunlight was also observed. All the steers which received the pods had significant elevations in the serum activities of gamma-glutamyl transferase (GGT) and aspartate aminotransferase (AST). The levels of GGT and AST remained elevated for up to 12 days after the administration of the pods was discontinued. Histopathological hepatic changes detected by liver biopsies were hepatocellular swelling and randomly scattered individual hepatocellular necrosis. The current study presents solid experimental evidence that the ingestion of E. contortisiliquum definitely induces the classical lesions of hepatogenous photosensitization in cattle.
Diseases of ruminants;poisonous plants;photodermatitis;Enterolobium contortisiliquum
1
42
PORTUGUES
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

PRODUÇÃO ANIMAL
FORRAGICULTURA E PASTAGENS
-

Banca Examinadora

RICARDO ANTONIO AMARAL DE LEMOS
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MARCELO AUGUSTO DE ARAUJO Participante Externo
RICARDO CARNEIRO BRUMATTI Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
CONS NAC DE DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO - Bolsa de Mestrado no País GM 12

Vínculo

-
-
-
Não