Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
LETRAS (40002012012P8)
TORMENTO E MELANCOLIA NOS POEMAS DE LÚCIO CARDOSO
FLAVIA APARECIDA HODAS
DISSERTAÇÃO
21/11/2016

No decorrer da história das produções literárias, a melancolia frequentemente se revelou como um afeto que possui um forte vínculo com as manifestações poéticas. Nesse sentido, mais do que um simples afeto ou doença, a melancolia se fez presente em diversas obras poéticas, destacando-se com imagens peculiares e topois recorrentes que delineariam um discurso melancólico. Dentre todos os escritores que desvelaram em seus versos um discurso repleto de imagens taciturnas e obscuras, Lúcio Cardoso assoma como um poeta essencialmente melancólico. Mergulhando nas camadas mais profundas da alma humana, os poemas cardosianos manifestam de forma recorrente uma tristeza premente e intransponível, a qual engendra uma forma especial de entrever e sentir o mundo. Afinal, como fala a melancolia e como os poetas fazem-na falar em versos? Procurando as respostas para essas perguntas, a presente dissertação tem como objetivo, portanto, analisar os elos que se estabelecem entre a melancolia e a poesia e, mais especificamente, como eles se manifestam nos versos de Lúcio Cardoso. Desde as suas primeiras obras poéticas até os seus poemas publicados postumamente, as obras cardosianas possuem um forte vínculo com o sentimento melancólico e, ademais, tornam-se, como aponta o crítico literário Almeida Filho (1942), o leitmotiv de todo o seu projeto poético. Ao transitar pelas nuanças melancólicas que perfazem a sua poética, seja por meio da constatação da brevidade da vida, da infância perdida, do desconcerto diante de um mundo que lhe é hostil e, até mesmo, pela ausência de um objeto amado e perdido, esta dissertação busca analisar como a melancolia se faz presente no decurso dos versos cardosianos por meio de seus recursos retóricos-poéticos específicos e que, revelam, em última instância, um discurso essencialmente melancólico.

Melancolia;Poesia;Lúcio Cardoso
Throughout the history of literary productions, melancholy frequently showed as an affection that has a strong connection to the poetic manifestations. In this sense, more than a simple affection or sickness, melancholy has been present in several poetic works, especially with peculiar images and recurrent aspects who have configured a melancholy speech. Of all the writers who showed a speech full of silent and dark images in their verses, Lúcio Cardoso appears as an essentially melancholy poet. Getting into the deeper spaces of the human soul, the Cardoso’s poems express a constant and insuperable sadness and it form a special way of people to see and feel the world. After all, how does melancholy speak and how do the poets make it speak in verse? Searching for the answers to these questions, this dissertation aims to analyze the links established between the melancholy and poetry and, more specifically, how it manifests itself in the Lúcio Cardoso’s verses. Since his first poetic works to his poems published posthumously, the works of Cardoso have a strong link with the melancholy and become, according to literary critic Almeida Filho (1942), the leitmotiv of all his poetic project. Noting the melancholic marks that are present in his poetic, either by finding the brevity of life, lost childhood, the confusion face of a hostile world and even the lack of lost loved object, this dissertation analyzes how melancholy is present in Cardoso’s verses through their specific rhetorical-poetical aspects and showing ultimately an essentially melancholy speech.
Melancholy;Poetry;Lúcio Cardoso
1
108
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

LITERATURA COMPARADA
INTERMEDIALIDADES E NOVAS FORMAS ARTÍSTICAS
A ANTIELEGIA NO BRASIL: JUNQUEIRA, NEJAR E WILLER

Banca Examinadora

ALAMIR AQUINO CORREA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
REGINA CELIA DOS SANTOS Docente - PERMANENTE
SILVIO CESAR DOS SANTOS ALVES Participante Externo

Vínculo

-
-
-
Não