Brasil

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Ciências e Biotecnologia (31003010079P0)
ESTUDO DA POTENCIAL ATIVIDADE ANTILEISHMANIA DE PLANTAS DO GÊNERO CLUSIA E EUGENIA
GABRIELLE BARCELLOS BEZERRA
DISSERTAÇÃO
28/10/2015

O tratamento das leishmanioses é baseado principalmente em antimoniais pentavalentes, anfotericina B e pentamidina, que não é ideal devido aos seus efeitos colaterais, alto custo de produção e pelo crescente número de casos de resistência ao parasito. Assim, é necessária a busca por terapias alternativas. O Brasil possui uma grande diversidade de espécies de plantas cujo potencial medicinal deve ser explorado. Extratos derivados de plantas brasileiras oferecem novas possibilidades para obtenção de novas substâncias ativas contra Leishmania com a perspectiva de desenvolver novos fármacos. Estudos comprovam o destaque de plantas do gênero Clusia na medicina popular. As principais substâncias presentes no gênero são os flavonóides, xantonas, benzofenonas e terpenos que apresentam atividade antioxidante, antibacteriana, antimalárica, antialérgica, além de outras atividades biológicas. Outro gênero em evidência da Mata Atlântica é a Eugenia, que apresentam algumas substâncias, tais como: hidrocarbonetos sesquiterpênicos, β – cariofileno, biciclogermacren, dentre outras, são promissoras no tratamento contra o mal de Alzheimer. O objetivo deste trabaljo é avaliar a potencial atividade antileishmania de extratos e moléculas purificadas de Eugenia pruniformis, Clusia lanceolata e Clusia fluminensis, bem como substânncias purificadas desta última espécies vegetal nas formas promastigotas e amastigotas de Leishmania amazonensis. A viabilidade celular de promastigotas de Leishmania amazonensis foi mensurada através do teste colorimétrico MTT, obtendo-se dessa forma, o EC50/24h. Para o teste in vitro em amastigotas, macrófagos peritoneais infectados com Leishmania amazonensis foram incubados com os extratos e moléculas testes, e sua viabilidade mensurada através da contagem de macrófagos infectados e amastigotas intracelulares. A citotoxicidade foi mensurada em macrófagos RAW 264.7 e avaliada através da técnica de MTT, obtendo-se dessa forma, o CC50/24h. O índice de seletividade foi calculado através da divisão dos valores de CC50/24h pelos valores de EC50/24h. Os experimentos foram realizados três vezes, em triplicatas, e os dados obtidos foram analisados estatisticamente através de testes t-Student e ANOVA, utilizando-se como parâmetro de significância p < 0,05. Todos os extratos testados possuem atividade antileishmania. O extrato metanólico de de folha de Clusia fluminensis (C.F.F.M) foi o que demonstrou melhor atividade antileishmania e menos tóxico para células de mamíferos. O extrato etanólico de de flores femininas (C.L.F.L.F.E) de Clusia lanceolata apresentou boa atividade antileishmania com a menor toxicidade para células de mamíferos.. O melhor extrato de Eugenia pruniformis, é o de folhas eluído em hexano, com baixa toxicidade contra células de mamíferos e uma boa atividade antileishmania. As moléculas isoladas de Clusia fluminensis, Clusianona e Lanosterol, demonstraram boa atividade antipromastigota e antimastigota, além de apresentarem baixa toxidez contra células de mamífero. Todos os extratos e moléculas purificadas testados possuem atividade antileishmania e apresentam índice de seletividade melhores que o da Pentamidina, demonstrando serem bons protótipos para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento das leishmanioses.

Produtos naturais;Clusia fluminensis;Clusia lanceolata;Eugenia pruniformis;, Leishmania amazonensis;, Leishmaniose.
The treatment of leishmaniasis is mainly based on pentavalent antimonials, amphotericin B, and pentamidine, which is not ideal due to its side effects, high cost of production and the increasing number of cases of parasite resistance. Thus, the search for alternative therapies is needed. Brazil has a great diversity of species of plants whose medicinal potential should be explored. Derived from Brazilian plants, extracts offer new possibilities for obtaining new active substances against Leishmania with the prospect of developing new drugs. Studies prove the highlight of the Clusia genus plants in the Brazilian folk medicine. The main substances in the genus are flavonoids, xanthones, benzophenones and terpenes, which have antioxidant activity, anti-bacterial, anti-malarial, anti-allergic, and other biological activities. Another genus in evidence of the Atlantic Forest is Eugenia, whose biological activities have not been well elucidated, but its main substances such as sesquiterpene hydrocarbons, β -caryophyllene, biciclogermacren, among others, are promising in the treatment against Alzheimer's disease. The objective of this work is to evaluate the potential antileishmania activity of extracts and purified molecules of Clusia fluminensis, Clusia lanceolata and Eugenia pruniformis in promastigotes and amastigotes of Leishmania amazonensis. Cell viability of Leishmania amazonensis promastigotes was measured by MTT colorimetric test, obtaining thus the EC50/24h. For antiamastigotes test, peritoneal macrophages infected with L. amazonensis were incubated with the extracts and purified molecules and its viability were measured by infected macrophages and intracellular amastigotes’s counting. Cytotoxicity was measured in RAW 264.7 macrophages, assessed by MTT technique, obtaining thus, the CC50/24h. The selectivity index was calculated by dividing the CC50/ 24h values and EC50/24h values. The experiments were performed three times in triplicate, and the data were statistically analyzed by Student's t-tests and ANOVA, using as parameter significance of p <0.05. All extracts tested have antileishmania activity. The best extract of Clusia fluminensis, which has a good antileishmania activity and is less toxic to mammalian cells, is a methanolic extract from leaves of Clusia fluminensis (C.F.F.M). The best extract of Clusia lanceolata which has good antileishmania activity, with less toxicity to mammalian cells is a ethanolic extract from female flowers (C.L.F.L.F.E). The best extract of Eugenia pruniformis was eluted in hexane from leaves, with low toxicity against mammalian cells and good activity Leishmania. The isolated molecules from Clusia fluminensis, Clusianone and Lanosterol, showed good antipromastigote and antimastigote activity, besides having low toxicity against mammalian cells. All extracts and purified molecules tested have antileishmania activity and better selectivity index than Pentamidine, proving to be good prototypes for the development of new drugs for the treatment of leishmaniasis
Natural products;Clusia fluminensis;Clusia lanceolata;Eugenia pruniformis;Leishmaniasis;Leishmania amazonensis
1
78
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Contexto

CIÊNCIAS E BIOTECNOLOGIA - INTERAÇÕES MOLECULARES, CELULARES E SISTÊMICAS
ANÁLISE MOLECULAR, CELULAR E/OU SISTÊMICA DE PROCESSOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS
A ANÁLISE DO PERFIL CELULAR E DE NOVOS DERIVADOS EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA

Banca Examinadora

VERONICA FIGUEIREDO DO AMARAL
Sim
Nome Categoria
LEANDRO MACHADO ROCHA Docente
ELMO EDUARDO DE ALMEIDA AMARAL Participante Externo
MAURICIO AFONSO VERICIMO Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa Jovens Talentos para a Ciência - 2013 12

Vínculo

Bolsa de Fixação
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim