Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
ZOOTECNIA (40004015006P0)
Efeito de antioxidantes sobre o estresse oxidativo e a qualidade do leite de vacas Holandesas
FABIO SEIJI DOS SANTOS
TESE
18/11/2016

Foram conduzidos três experimentos para avaliar o efeito da suplementação de antioxidantes naturais em vacas leiteiras em diferentes estágios de lactação recebendo dietas ricas em ácidos graxos poli-insaturados. No primeiro experimento foram avaliadas vacas em início de lactação. Este período é associado principalmente ao balanço energético negativo pelo aumento repentino das exigências nutricionais junto com uma baixa ingestão de matéria seca. Além disso, doenças são correlacionadas, pois há aumento na concentração de ácido beta-hidroxibutirato e ácidos graxos não esterificados no plasma sanguíneo. O total de 20 vacas multíparas da raça Holandês com cânulas ruminais foi dividido em duas dietas: (1) dieta COFO (controle) com perfusão 250 g de óleo de linhaça/d no abomaso; e (2) dieta FMFO (com 136 g farelo de linhaça na matéria seca) com perfusão de 250 g de óleo de linhaça no abomaso. Em um fatorial simples (2 níveis: COFO e FMFO) e análises de variância com medidas repetidas foram conduzidas para todos os dados. As vacas foram submetidas aos procedimentos experimentais do sétimo dia ao 28o após o parto, e durante os dias 28 aos 49 de lactação, as vacas receberam uma dieta basal. A ingestão de MS expressa em kg/d e em porcentagem no peso vivo aumentou para vacas alimentadas com FMFO quando comparadas com COFO. Consequentemente, o balanço energético negativo foi melhor nos animais tratados com FMFO. No segundo experimento, foram avaliadas vacas em meio lactação recebendo erva-mate (EMa) a qual possui antioxidantes naturais. O trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar os efeitos de níveis crescentes de EMa na alimentação de vacas leiteiras e o efeito da EMa na digestibilidade e qualidade do leite. Os animais foram distribuídos em um duplo quadrado latino 4 × 4, cada período experimental foi de 21 dias, sendo 14 dias para adaptação e sete dias para coleta de dados e amostras. Os tratamentos experimentais foram: 1) ração-controle sem suplementação de EMa (CONT); 2) ração-controle + suplementação com 250 g de EMa/dia (250EM); 3) ração-controle + suplementação de 500 g de EMa/dia (500EM); 4) ração-controle + suplementação de 750 g de EMa/dia (750EM). O poder de redução da erva mate no leite mostrou efeito linear positivo (P=0,04) em relação ao controle e efeito linear decrescente foi observado com a lactose (P=0.0001) e no N-ureico (P=0,04) para os níveis de inclusão de EMa. A digestibilidade de extrato etéreo também apresentou efeito linear positivo (P=0,05). Os resultados sugerem que a inclusão de EMa foi capaz de aumentar o poder de redução do leite das vacas demonstrando ser um aditivo viável para o aumento do poder antioxidante. Apesar da redução linear de lactose no leite e consequentemente sólidos totais, a EMa não alterou a produção de leite. Em função da oxidação dos ácidos graxos do leite, a inclusão de antioxidantes na alimentação animal é uma alternativa para reduzir oxidação dos AGPI presentes no leite, evitar a formação de compostos tóxicos e, ainda, melhorar a saúde dos animais que os consomem. No terceiro experimento, estudou-se a inclusão de vitamina E e erva mate na dieta de vacas leiteiras recebendo grãos de soja com objetivo de mensurar a transferência do antioxidante para o leite. Foram utilizadas quatro vacas multíparas da raça Holandês (549 ± 57 kg de peso corporal e 62 ± 15 dias em lactação) distribuídas em quadrado latino (4×4) com quatro dietas e quatro períodos experimentais. As dietas experimentais foram: 1) Dieta-controle sem suplementação de EMa e de vit. E; 2) Dieta-controle + suplementação de 350 UI de vit E/kg de MS/dia; 3) Dieta controle + suplementação de 3% de EMa/kg de MS/dia; 4) Dieta-controle + suplementação de 350 UI de vit E/kg de MS/dia + suplementação de 3% de EMa/kg de MS/dia. Cápsulas contendo 10 g de óxido de titânio (via sonda esofágica) foram inseridas no rúmen, após a alimentação da manhã (9h00min) para determinação do fluxo fecal e da digestibilidade. O período experimental foi de 28 dias, sendo 21 dias de adaptação e sete dias de coleta. A ingestão de vit E diminuiu a ingestão de MS e outros nutrientes, enquanto a EMa teve efeito positivo sobre o consumo e a digestibilidade de MS. O consumo de EMa não aumentou a produção de leite, até mesmo diminuindo a concentração de proteína e sólidos totais no leite. Nenhuma alteração foi observada para a composição em ácidos graxos e nos antioxidantes TBARS, dienos conjugados e polifenóis. Entretanto, a suplementação de EMa aumentou o poder de redução do leite. Concluiu-se assim que a erva mate pode ser capaz de substituir a suplementação de vit E na transferência do poder antioxidante para o leite.

AGPI, erva mate, lignanas, linhaça, polifenóis, lipoperoxidação
Three experiments were conducted to evaluated the supplementation of natural antioxidant in dairy cows in different lactation stage fed rich diet of polyunsaturated fatty acids. In the first experiment evaluated dairy cows in early lactation. The period between delivery and lactation peak is commonly associated to negative energy balance (NEB) due to a rapid increase in of nutritional requirements coupled with a low dry matter intake. Futhermore, diseases are correlated with concentrated volume of beta-hydroxybutyrate acid (BHBA) and non-esterified fatty acids (NEFA) in plasma. A total of 20 multiparous dairy cows fitted with rumen cannulas were stratified by groups in two treatments: (1) control diet with 250 g flax oil/d infused in the abomasum (n=10, COFO); and (2) diet with 136 g/kg flax meal (n=10, FMFO) in the dry matter (DM) with 250 g flax oil/d infused in the abomasum. All data were analyzed using the MIXED procedure of SAS, release 9.2. A one-way factorial (2 levels: COFO and FMFO) analysis of variance with repeated measure was conducted for all data. Cows were subjected to experimental treatments from day 7 to 28 of post-partum and fed a common total mixed diet from day 28 to 49 of lactation. Intake of DM, expressed in kg/d and as a percentage of BW was increased for cows fed FMFO when compared with cows fed COFO. Likewise, the NEB was less severe for cows fed FMFO. However, thiobarbituric acid reactive substances (TBARS) increased when cows fed flax meal.The second experiment evaluated cows in middle lactation receiving yerba mate (YM) that has good levels of natural antioxidants. The study was to evaluate the effects of increasing levels of YM in dairy cows and the effect of YM in digestibility and quality of milk. The animals were distributed in a double Latin square 4x4, each experimental period was 21 days, 14 days for adaptation and seven days to harvest data and samples. The treatments were: 1) control diet without supplementation YM (CONT); 2) diet + supplementation with 250 g of YM / day (250EM); 3) diet + supplementation of 500 g of YM / day (500EM); 4) control diet + supplementation of 750 g of YM / day (750EM). The reduction (P = 0.04) of yerba mate in milk showed a positive linear effect on the control and decreasing linear effect was observed with lactose (P = 0.0001) and urea (P = 0.04) for levels inclusion of YM. The ether extract digestibility (P = 0.05) also had a positive linear effect. Our results suggest that the inclusion of EMA was able to increase the power reduction of milk cows demonstrated to be a viable additive for increasing the antioxidant power. Despite the linear reduction of lactose in milk and consequently total solids, YM did not affect milk production. After we studied the inclusion of vitamin E (vit E) and yerba mate (YM) in the diet of dairy cows fed soybeans to compare the transfer of the antioxidant for milk. There were four multiparous Holstein cows (549 ± 57 kg body weight and 62 ± 15 days in milk) distributed in Latin square (4 × 4) with four treatments and four experimental periods. The treatments were: 1) Control diet without supplementation YM and vit E; 2) diet plus supplementation of 350 IU of vit E / kg DMI per day; 3) diet plus supplementation of 3% of YM / kg IMS per day; 4) diet plus supplementation of 350 IU of vit E / kg IMS daily supplementation + 3% of YM / kg IMS per day. Capsules containing 10 g of titanium oxide was inserted into the rumen (by gavage) after the morning feeding (9h00min) for determination of fecal flow and digestibility. The experimental period was 21 days and then seven days of collection. The intake of vit E reduces DM intake and other nutrients, while YM had a positive effect on the intake and digestibility of MS. The intake of YM did not increase milk production, even decreasing the concentration of protein and total solids in milk. No change was observed for the fatty acid composition and TBARS antioxidants, conjugated diene and polyphenols. However, supplementation of YM increased the power reduction of milk. We can conclude that yerba mate can replace the supplementation of vit E is even better than the vit E in the transfer of the antioxidant power to the milk.
flax oil, lignan, yerba mate, lipoperoxidation, polyphenols, PUFA
1
96
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

PRODUÇÃO ANIMAL
2. ALIMENTOS CONVENCIONAIS, COPRODUTOS E SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA REGIONAL.
-

Banca Examinadora

LUCIA MARIA ZEOULA
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
LUIS CARLOS VINHAS ITAVO Participante Externo
JOAO LUIZ PRATTI DANIEL Docente - COLABORADOR
LUCIANO SOARES DE LIMA Participante Externo
ODIMARI PRICILA PRADO CALIXTO Participante Externo

Vínculo

CLT
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Não