Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
CIRURGIA TRANSLACIONAL (33009015038P1)
EFETIVIDADE DAS INTERVENÇÕES CIRÚRGICAS PARA O TRATAMENTO DO DEDO EM GATILHO NO ADULTO: REVISÃO SISTEMÁTICA
HAROLDO FIORINI JUNIOR
TESE
30/12/2016

Introdução: O dedo em gatilho é uma doença caracterizada por bloqueio dos movimentos naturais de deslizamento dos tendões flexores durante a flexão e a extensão do dedo. Vários métodos de tratamento têm sido utilizados na prática clínica, mas não há consenso sobre qual deles fornece os melhores resultados. Objetivo: Verificar a efetividade dos diferentes métodos de tratamento cirúrgico para dedo em gatilho em adultos com a doença em qualquer estágio. Métodos: Foi realizada uma revisão sistemática incluindo ensaios clínicos randomizados ou quasi- randomizados que compararam os métodos de tratamento cirúrgico entre si ou com qualquer método não cirúrgico. As seguintes bases de dados foram pesquisadas até maio de 2016: Cochrane Musculoskeletal Group Register, Cochrane Central Register of Controlled Trials, MEDLINE, EMBASE e LILACS; não houve restrição baseada na língua de publicação. Os desfechos primários foram resolução do dedo em gatilho, eventos adversos e função da mão. Dois autores selecionaram independentemente os estudos, extraíram os dados e avaliaram os riscos de viés. Quando possível, os dados foram agrupados em metanálises, utilizando o modelo de efeito fixo, com intervalo de confiança (IC) de 95%. Resultados: Onze estudos foram incluídos, totalizando 1.033 participantes, com 1.132 dedos em gatilho. As análises dos resultados quanto à resolução mostraram-se favoráveis ao tratamento cirúrgico, comparativamente ao tratamento não cirúrgico (223/229 versus 116/75; risco relativo (RR) 1,41, IC 95% 1,28 a 1,56; p < 0,00001), no seguimento de seis a 42 meses. O tratamento cirúrgico aberto apresentou taxa de resolução significantemente maior que a injeção local de corticosteroide no seguimento de seis meses, tanto após uma (56/56 versus 28/49; RR 1,74, IC de 95% 1,37 a 2,22; p < 0,00001), quanto após xxii uma ou mais aplicações (56/56 versus 42/49; RR 1,17, IC de 95% 1,04 a 1,31; p = 0,01). Na comparação entre cirurgia percutânea e injeção local de corticosteroide foi encontrada diferença favorável à cirurgia percutânea na análise do desfecho resolução, tanto após uma (45/45 versus 28/49; RR 1,74, IC de 95% 1,36 a 2,21; p < 0,00001), como após uma ou mais aplicações (89/92 versus 54/99; RR 1,77, IC de 95% 1,48 a 2,12; p < 0,00001), no seguimento de seis a 12 meses. Não houve diferença na resolução do dedo em gatilho entre os tratamentos com cirurgia percutânea ou aberta (198/199 versus 197/198; RR 1,00, IC de 95% 0,98 a 1,03; p = 0,95) no seguimento de dois a seis meses, bem como na comparação entre cirurgia endoscópica ou aberta (114/114 versus 117/117; RR 1,00; IC de 95% 0,98 a 1,02; p = 1), no seguimento de três meses. Em relação à ocorrência de eventos adversos, nenhuma diferença foi encontrada entre os sete grupos de comparação. Nenhum estudo reportou dados completos sobre a função da mão. Conclusões: Os métodos de tratamento cirúrgico (aberto ou percutâneo) são mais efetivos que a injeção local de corticosteroide no tratamento do dedo em gatilho em adultos. As cirurgias percutânea e endoscópica apresentam a mesma efetividade que a aberta no tratamento do dedo em gatilho em adultos. As evidências desta revisão foram obtidas de ensaios clínicos randomizados com moderada/baixa qualidade metodológica.

1. Dedo em gatilho. 2. Cirurgia ortopédica. 3. Revisão. 4. Ensaio clínico.
Introduction: Trigger finger is characterized by a condition that locks the natural sliding movements of the flexor tendons of the fingers during flexion and extension. Various treatment methods have been used in clinical practice, but there is no consensus regarding which treatment provides the best results. Objective: Verify the effectiveness and safety of different surgical methods for the treatment of trigger finger in adults at any stage of this condition. Method: A systematic review including randomized controlled trials that compared surgical treatment methods with each other or with any other non-surgical intervention was performed. The following databases were searched up to May 2016: Cochrane Musculoskeletal Group Register, Cochrane Central Register of Controlled Trials, MEDLINE, EMBASE and LILACS. There were no restrictions on the language of publication. Randomized clinical trials were included which evaluated adults with trigger finger, comparing the surgical treatment methods with each other or with any other non-surgical intervention. The primary outcomes were: resolution of trigger finger, adverse events and hand function. Two authors independently selected the studies, extracted the data and assessed the risk of bias. Where possible, the data were grouped in a meta-analysis using the fixed effect model, with 95% confidence interval. Results: Eleven studies were included, totalling 1.033 participants, with 1.132 trigger fingers. The analysis of the results for resolution were favourable to surgical treatment, when compared with non surgical treatment (223/229 versus 116/175; relative risk (RR) 1,41, 95% CI 1,28 to 1,56; p <0.00001), in the follow-up if six to 42 months. The open surgical treatment had a significantly higher resolution rate than corticosteroid injection, after one application (56/56 versus 28/49; RR 1.74, 95% CI 1:37 to 2:22; p <0.00001), as well as after one or more applications (56/56 vs. 42/49; RR 1.17 95% CI 1:04 to 1:31; p = 0.01), in the follow-up of six months. A favourable significant difference for percutaneous surgery was found in the comparison with the corticosteroid injection, after one (45/45 versus 28/49; RR 1.74, IC of 95% 1.36 to 2.21), as well as after one or more applications (89/92 versus 54/99; RR 1.77, IC of 95% 1.48 to 2.12; I² = 98%), in the follow-up of six to 12 months. There was no significant difference for resolution of trigger finger between treatments with percutaneous or open surgery (198/199 versus 197/198; RR 1.00, IC of 95% 0.98 to 1.03; p = 0.95; I² = 0%) in the follow-up of two to six months, as well as in the comparison between endoscopic or open surgery (114/114 versus 117/117; RR 1.00; IC of 95% 0.98 to 1.02), in the follow-up of three months. There was no significant difference between the comparison groups regarding the occurrence of adverse effects. No study reported complete data on hand function. Conclusion: The open or percutaneous surgical treatments were more effective than the treatment with corticosteroid injection. The percutaneous and endoscopic surgeries had the same effectiveness as open surgery in the treatment of trigger finger. The evidences of this review were obtained from randomized clinical trials of moderate/low methodological quality.
1. Dedo em gatilho. 2. Cirurgia ortopédica. 3. Revisão. 4. Ensaio clínico. ✖
1
237
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

QUALIDADE COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO
MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS
-

Banca Examinadora

JOAO CARLOS BELLOTI
Sim
Nome Categoria
FLAVIO FALOPPA Docente
MARCELO ROSA DE REZENDE Participante Externo
JOAO BAPTISTA GOMES DOS SANTOS Participante Externo
LUIZ CARLOS ANGELINI Participante Externo

Vínculo

Colaborador
Empresa Pública ou Estatal
Sim