Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
EPIDEMIOLOGIA (42001013074P2)
Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional: resposta brasileira à síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika, 2015 e 2016
WANDERSON KLEBER DE OLIVEIRA
TESE
19/12/2016

Em 2015, o Brasil enfrentou a mais complexa emergência de sua história. Nos primeiros meses do ano, a região nordeste foi afetada por surtos de doença exantemática sem causa definida. Em abril, foi confirmada a identificação do Zika vírus na Bahia e em São Paulo, simultaneamente. Durante todo o primeiro semestres, a apresentação clínica parecia corresponder ao observado em outros surtos. Em 22 de outubro do mesmo ano, a Secretaria de Saúde de Pernambuco notifica o aumento na prevalência de microcefalia. No dia seguinte foi realizada a notificação à Organização Mundial da Saúde e desencadeada a fase internacional da epidemia. Em 11 de novembro foi declarada a emergência de saúde pública de importância nacional e uma série de medidas foram adotadas. Em 1 de fevereiro de 2016, a Organização Mundial da Saúde declara emergência de saúde pública de importância internacional. Entre 2015 e 2016, foram notificadas 41.473 gestantes com quadro clínico compatível com Zika vírus e, no mesmo período, foram notificados e confirmados 1,950 casos de microcefalia. Destes, 70% foram confirmados por método de imagem. Observou-se que em 2015 a região mais afetada foi a nordeste e em 2016, apesar de não apresentar a mesma magnitude, observou-se uma possível segunda onda de casos de microcefalia a partir do mês de junho, principalmente na região centro-oeste, corroborando com a maior circulação de casos de Zika vírus no primeiro semestre. Conclui-se que o ato de declaração de emergência foi uma medida importante para envolver da sociedade nacional e internacional, além de mobilizar recursos para a resposta e desenvolvimento de tecnologias para prevenção e controle. Apesar da retirada de declaração de emergência internacional pela OMS, considera-se que no âmbito nacional é necessário observar o padrão da epidemia por mais um ciclo de circulação do Zika vírus e criar as condições para incorporação da vigilância de anomalias congênitas como parte do sistema de vigilância e atenção à saúde

Zika vírus;Microcefalia;Síndrome Congênita;Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional;Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional;resposta;vigilância em saúde
In 2015, Brazil faced the most complex emergence of its history. In early 2015, clusters of unknown exanthematic disease were observed in Northeast region. On April 29, ZIKV was first identified in Bahia and São Paulo, respectively. The clinical findings were similar the others outbreaks. On October 22, 2015, the Secretary of Health of Pernambuco reported to the Ministry of Health (MoH) an unexpected increase in the prevalence of microcephaly, possibly related with ZIKV infection during pregnancy. On November 11, 2015, the Brazilian MoH declared a Public Health Emergency of National Concern. Based on the preliminary information of a potential association between microcephaly and other neurological disorders with ZIKV infection, the World Health Organization (WHO) declared a Public Health Emergency of International Concern (PHEIC) on February 1, 2016. Between January 2015 and November 2016, 41,473 suspected cases of Zika virus in pregnant women were reported, and in the same period, 1,950 cases of microcephaly were confirmed. Of these, 70% were confirmed by any imaging method. In 2015, the Northeast was the most affected region, although it did not present the same magnitude, a possible second wave of cases of microcephaly was observed since June 2016, mainly in the Center-West region, after the peaks of Zika virus cases in early 2015. In conclusion, the declaration of public health emergency of national concern (PHENC) was an important measure to involve national and international society, as well as mobilizing resources for the response, development of new technologies for prevention and control. Despite the act of WHO, is necessary maintain the status of PHENC to monitoring the second wave of Zika virus and Congenital Syndrome to create the conditions to build the surveillance of congenital abnormalities as part of the system of Surveillance and health care.
Zika virus;Microcephaly;Congenital Syndrome;Public Health Emergency of National Importance,;Public Health Emergency of International Importance;response;health surveillance
145
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

EPIDEMIOLOGIA
DOENÇAS INFECCIOSAS
-

Banca Examinadora

MARIA INES SCHMIDT
Não
Nome Categoria
LAVINIA SCHULER FACCINI Participante Externo
ENRIQUE JOSE VAZQUEZ FERNANDEZ Participante Externo
BRUCE BARTHOLOW DUNCAN Docente

Vínculo

Servidor Público
Empresa Pública ou Estatal
Ensino e Pesquisa
Não