Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
EPIDEMIOLOGIA (42001013074P2)
Biomarcadores na sepse: Proteina C reativa e Procalcitonina
VANESSA MARTINS DE OLIVEIRA
TESE
31/05/2016

A sepse é um importante problema de saúde pública, uma vez que, seu tratamento gera altos custos, a um sistema de saúde já sobrecarregado. É uma síndrome de alta mortalidade e morbidade que afeta, em geral, pacientes jovens com plena capacidade produtiva. A identificação e o tratamento precoce desta síndrome reduzem a morbimortalidade, assim como o custo. A proteína c reativa (PCR) e a procalcitonina (PCT) são bem estudados como ferramentas para diagnóstico de infecção bacteriana em imunocompetentes. Portanto, a proposta deste estudo é contribuir com a avaliação destes biomarcadores quanto a sua acurácia, quando existir suspeita diagnóstica em pacientes críticos imunossupressos (população a ser estudada HIV, pacientes portadores de tuberculose (TBC), cirróticos, transplantados e usuários crônicos de coticosteroide). Para isto foram realizados dois artigos que utilizaram uma ampla revisão sistemática com metanálise dos dados existentes nos estudos selecionados. O primeiro artigo comparou a acurácia em determinar infecção bacteriana em imunossupressos da proteína c reativa ao teste padrão ouro (as culturas). O segundo artigo comparou a proteína c reativa com a procalcitonina. Nossa primeira revisão incluiu 1418 pacientes e demonstrou uma boa acurácia da proteina c reativa como biomarcador no diagnóstico de infecção bacteriana apresentando uma sensiblidade de 69% e espeificidade de 76% com uma área sobre a curva (AUC) 0.77. Os resultados encontrados são similares aos encontrados na literatura para imunocompetentes(3), sensibilidade de 75% , especificidade de 67% e AUROC: 0.92. Nossa segunda revisão comparou a acurácia da procalcitonina em relação a PCR nesta mesma população de imunossupressos. Ambos os biomarcadores mostraram boa acurácia na utilização como ferrramenta de diagnóstico de infecção bacteriana, com uma DOR de 7.24 (95% CI (2.83- 14.60) para procalcitonina e 5.56 (95% CI (5.21-10.30) para proteína c reativa. A PCT e a PCR apresentaram uma sensibilidade de 69% e 68% e uma especificidade de 75% e 71%, respectivamente. A PCT demonstrou ser levemente mais acurada que a PCR apresentando uma AUC de 0.78 e 0.72, respectivamente.

SEPSE;PROTEINA C REATIVA;PROCALCITONINA
Sepsis is a major public health problem, since its treatment generates high costs, a health system already overburdened. It is a high mortality and morbidity syndrome that affects, in general, young patients with full production capacity. The identification and early treatment of this syndrome reduce morbidity and mortality as well as the cost. C-reactive protein (CRP) and procalcitonin (PCT) are well studied as tools for diagnosis of bacterial infection in immunocompetent. Therefore, the purpose of this study is to contribute to the evaluation of these biomarkers as to their accuracy when there is clinical suspicion in imunossupressos critical patients (population to be studied HIV patients with tuberculosis (TB), cirrhotic, transplant and chronic coticosteroide users) . For this there were two articles that used a comprehensive systematic review and meta-analysis of existing data in the selected studies. The first article compared the accuracy in determining bacterial infection in imunossupressos of c-reactive protein to the gold standard (cultures). The second article compared to C-reactive protein procalcitonin. Our first review included 1418 patients and showed good accuracy of c-reactive protein as a biomarker for the diagnosis of bacterial infection presenting a sensibility of 69% and 76% espeificidade with an area under the curve (AUC) 0.77. The results are similar to those found in the literature for immunocompetent (3), sensitivity 75%, specificity of 67% and AUROC: 0.92. Our second review compared the accuracy of procalcitonin in relation to PCR in the same population of imunossupressos. Both biomarkers showed good accuracy in use as ferrramenta diagnosis of bacterial infection, with a DOR of 7.24 (95% CI (2.83- 14.60) for procalcitonin and 5:56 (95% CI (5:21 to 10:30) to c-reactive protein. The PCT and PCR had a sensitivity of 69% and 68% and a specificity of 75% and 71%, respectively. PCT proved to be slightly more accurate than the PCR having an AUC of 0.78 and 0.72, respectively.
SEPSIS;PROCALCITONIN;C REATIVE PROTEIN
172
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

EPIDEMIOLOGIA
DOENÇAS INFECCIOSAS
-

Banca Examinadora

AIRTON TETELBOM STEIN
Não
Nome Categoria
CASSIANO TEIXEIRA Participante Externo
JULIANA BALBINOT HILGERT Docente
SILVIA REGINA RIOS VIEIRA Participante Externo

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Não