Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
CIÊNCIAS SOCIAIS EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE (31002013007P9)
Transformações no Campo da Moda: Crítica, Ética e Estética
LILYAN GUIMARAES BERLIM
TESE
30/09/2016

A moda e a indústria têxtil constituem um dos maiores segmentos de negócios do mundo. Associada à moda,  esta indústria incorpora o sistema de moda atual e, em uma simbiose, chama­se a área de indústria da moda.  O  segmento  vem  sendo  alvo  de  críticas  éticas,  estéticas  e  ambientais.  Estas  críticas  se  dirigem,  principalmente, ao que se chama de “moda rápida”, ou fast fashion, um sistema de produção de alta  velocidade,  integrado  às  tecnologias  de  informação,  que  gerencia  lançamentos,  vendas,  estoques  e  a  manufatura de roupas, transformando fichas técnicas de peças de vestuário em um produto acabado dentro  de pontos de venda em poucos dias. O fast fashion é uma consequência das dinâmicas do capitalismo global  em busca do menor custo, em um menor espaço de tempo de fabricação, distribuição e venda, baseando­se  em trabalho precário (muitas vezes em condições análogas à escravidão), na promoção do hiperconsumo e  do descarte rápido de roupas e, consequentemente, no consumo de recursos naturais em escala vertiginosa  com impactos ambientais de grande extensão e, ainda, na padronização do corpo e na difusão de uma sutil  homogeneização do parecer promovida pelas mídias de moda. Tais práticas se estabeleceram na moda nas  últimas décadas do século XX como consequência das transformações do capitalismo global. A pesquisa  mapeou e analisou as relações entre a moda e a crítica, o surgimento, a construção e as atuais configurações  da crítica ética e estética ao fast fashion e as repostas que o mercado vem dando a estas críticas, assim como  as propostas alternativas construídas por segmentos do mercado, em especial, o movimento slow fashion: seu  conceito, ideias e propostas de produção, consumo e engajamento. A partir da análise da politização do  consumo e das macrotendências, que se configuram como um pano de fundo sociocultural às tendências de  consumo, verificamos a expressão destas críticas e compreendemos a incorporação destas pelo corpo social;  identificamos aí uma chave explicativa para a incorporação das críticas pelo mercado de moda, corroborando  com o quadro teórico de Boltanski e Chiapello (2009), que entende a incorporação das críticas como  necessária à justificação moral do capitalismo e sua manutenção. Os resultados indicaram que tanto o corpo  social quanto o mercado expressam e incorporam as críticas nas práticas de consumo de moda; nas formas  sustentáveis de novos negócios; na criação de valor associado à economia compartilhada; na adoção da  Responsabilidade  Socioambiental  empresarial  e  da  ética  nos  negócios;  nas  alterações  em  processos  produtivos  e  no  uso  de  matérias  primas  menos  impactante.  Verificamos  também  que,  como  uma  incorporação das críticas e como contraponto às práticas hegemônicas de produção e consumo, o movimento  “moda lenta”, ou slow fashion, propõe não apenas a desaceleração do tempo de produção e consumo de  roupas, mas também uma proposta de empoderamento e ativismo político na área do design de moda, tanto  na produção quanto no consumo. Desta maneira, a pesquisa identificou a existência de alterações no setor  em função das críticas e, também, chaves explicativas para as transformações em curso e a crescente  eticização da moda. 

Consumo;Moda;Crítica Social;Ética. Estética. Slow fashion. Fast fashion. Sustentabilidade.
The fashion and textile industry is one of the largest business segment in the world. However, this segment has been the subject of ethics, aesthetics and environmental criticism, especially so-called "fast fashion", a high-speed production system, integrated with information technology, which manages releases, sales, inventory and manufacturing clothes, turning datasheets of garments in a finished product within points of sale in a few days. The fast fashion phemomenon settled in the fashion industry in the last decades of the twentieth century as a result of the dynamics of global capitalism in search of lower cost and reduced production, time, space, distribution and sale. The fast fashion, however, has been socially criticised as it’s based on precarious work and promoting hyper consumption which leads to quick disposal of clothing, consumption of natural resources at breakneck scale and also the standardization of the body and spread a subtle homogenization of the appearance, promoted by the fashion media. The research has mapped and analysed the relationship between fashion and social criticism, with emphasis on appearance, construction and current settings of the ethical criticism and aesthetics to fast fashion. It has also mapped and analysed some answers that the market has given to such criticism, as well as alternative proposals built by various social groups, in particular the slow fashion movement: its concept, ideas and production proposals, consumption and engagement. From the politicization of consumption and macro trends that are configured as a socio-cultural background of the fashion consumption trends, we see the various forms of expression of these criticisms and seek to understand its incorporation into the market. For this, we rely on the theoretical framework of Boltanski and Chiapello (2009), which considers the incorporation of criticism as necessary to the moral justification of capitalism and its maintenance. The results indicate that the criticisms are expressed and are incorporated by fashion design professional, in consumption practices. in the pursuit of sustainable business forms, creating value associated with the shared economy, the adoption of Corporate Social Responsibility, in changes in production processes and the use of lower-impact materials. We also verified that as a way of incorporating criticism as a counterpoint to the hegemonic practices of production and consumption, the movement "slow fashion" proposes not only deceleration time of production and consumption of clothes, but also empowerment and political activism in the area of fashion design. In conclusion, the research identified as a response to criticism, the existence of changes in the sector and the growing ethicization fashion.
Consumption;Fashion. Social Criticism. Ethic. Aesthetic. Slow fashion. Fast fashion. Sustainability.
1
356
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE
INSTITUIÇÕES, MERCADO E REGULAÇÃO
CONSUMO E MEIO AMBIENTE

Banca Examinadora

MARIA DE FÁTIMA FERREIRA PORTILHO
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
LIVIA MARTINS PINHEIRO NEVES Participante Externo
JOHN WILKINSON Docente - PERMANENTE
KATHIA CASTILHO CUNHA Participante Externo
PATRICIA ALMEIDA ASHLEY Participante Externo
MARIA DE FÁTIMA FERREIRA PORTILHO Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 48

Vínculo

Colaborador
Empresa Privada
Outros
Não