Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
CIÊNCIAS VETERINÁRIAS (42001013030P5)
ESTUDO DE TOXICIDADE REPRODUTIVA E GENOTOXICIDADE DO ÓLEO ESSENCIAL DE Origanum majorana
ANDREA DOS SANTOS DANTAS
TESE
11/03/2016

Origanum majorana L., planta rica em óleos essenciais, apresenta atividade antifúngica in vitro contra Malassezia pachydermatis, Candida spp e Trichosporon asahii, entre outras atividades. No entanto, a exposição a produtos químicos, incluindo medicamentos à base de plantas, podem causar mutagenicidade, infertilidade, toxicidade materna e embriofetotoxicidade. Visando avaliar esses efeitos, este estudo investigou toxicidade reprodutiva do óleo essencial de Origanum majorana (Omeo) e compostos majoritários em ratos Wistar, os efeitos sobre o desenvolvimento fetal e parâmetros comportamentais da prole, e atividade mutagênica in vitro. As doses testadas in vivo foram 33mg/kg, 100mg/kg, 300mg/kg Omeo, 77mg/kg γ-terpineno ou 52mg/kg terpinen-4-ol, estabelecidas de acordo com estudos prévios. Ratos machos foram tratados durante 70 dias e fêmeas por 14 dias antes do acasalamento, durante a gravidez e lactação. Para identificar alterações no sistema reprodutivo de machos foram avaliados: peso relativo de órgãos, histopatologia, número e morfologia de espermatozóides, taxas reprodutivas, ganho de peso, ingestão de água e alimento, e sinais de toxicidade. Comportamento e sinais de toxicidade materna, parâmetros reprodutivos, comportamento em campo aberto e sexual da prole também foram avaliados. O potencial teratogênico foi observado na progênie de machos não tratados e fêmeas tratadas apenas durante a prenhez. No dia 21, após cesárea, os fetos foram diafanizados, corados e avaliados individualmente para a presença de alterações esqueléticas. A exposição reduziu de maneira dose dependente taxas reprodutivas, número e produção diária de espermatozóides, além de induzir aumento de defeitos em espermatozoides (Omeo e terpinen-4-ol), e reduzir peso relativo de testículos e epidídimos com 300mg/kg Omeo. Não foi observada prenhez com esta dose e com terpinen-4-ol. O comportamento materno relacionado ao ninho foi reduzido com 100mg/kg Omeo, mas a capacidade de resposta materna foi mantida pelo comportamento de amamentação e cuidados. Esta dose induziu redução do número de descendentes, aumento do tempo de prenhez e retardo na separação prepucial de filhotes. Outros parâmetros reprodutivos e comportamentais da prole não foram afetados. Observou-se atraso do desenvolvimento esquelético em todos os grupos tratados e malformações do esqueleto com as doses máximas de Omeo e terpinen-4-ol. Mutagenicidade in vitro foi avaliada pelo teste de Salmonella/microssoma utilizando o procedimento de pré-incubação das linhagens TA98, TA97, TA100, TA102 e TA1535 de S. typhimurium, com ou sem ativação metabólica. Não se observou mutação gênica. Para o teste de micronúcleos em células de mamíferos in vitro, foi utilizado células V79 de fibroblastos de pulmão de hamster chinês e Omeo não induziu mutação cromossômica. Concluindo, Omeo não é capaz de induzir in vitro mutações gênicas ou cromossómicas, no entanto, o tratamento contínuo em doses elevadas de Omeo e compostos majoritários afetam a fertilidade masculina, induzem alterações nas taxas reprodutivas e causam malformação e efeitos adversos sobre a descendência, não devendo ser utilizado nessas doses durante a gravidez e lactação

Toxicologia, Fertilidade, Mutagenicidade, Desenvolvimento fetal, Produtos Naturais.
Origanum majorana L., a plant rich in essential oils, presents antifungal activity in vitro against Malassezia pachydermatis, Candida spp and Trichosporon asahii, among other activities. However, exposure to chemicals, including herbal medicines, can cause mutagenicity, infertility, maternal toxicity, embryotoxic effects on offspring. Therefore, this study investigated in vivo reproductive toxicity of the Origanum majorana essential oil (Omeo) and major compounds on rats Wistar, effects on the fetal development and behavioral parameters of the offspring, and in vitro mutagenic activity. The in vivo tested doses were 33mg/kg, 100mg/kg or 300mg/kg Omeo, 77mg/kg γ-terpinene or 52mg/kg terpinen-4-ol, established according to previous studies. Male parents were treated for 70 days and females for 14 days prior to mating, during pregnancy and lactation. To identify alterations in reproductive system of males were evaluated organs relative weight, histology, sperm number and morphology of spermatozoa. Reproductive index, body weight gain, intake water and food, and toxicity signs were evaluated. Signs of maternal toxicity, maternal behavior, offspring reproductive parameters, open field behavior and sexual behavior were observed. To evaluated the teratogenic potential, female rats Wistar were treated only during pregnancy and males were not treated. At 21th was performed cesarean, fetuses were diaphanized, stained and evaluated individually for the presence of skeletal alterations. The exposure induced dose-dependent way reduction in reproductive index, reduction in sperm number, reduction in daily sperm production, increase in sperm defects to males treated with Omeo and Terpinen-4-ol, reduction in testis and epididymis relative weight to 300mg/kg Omeo, and no pregnancy at this dose and terpinen-4-ol. Maternal toxicity was not observed. The maternal behavior related to the nest was reduced with 100 mg/kg Omeo, but the maternal responsiveness was maintained by the nursing behavior. This dose induced reduction in the number of offspring per parent, increase in the time of pregnancy and changes in the development of males characterized by delayed preputial separation. Other reproductive and behavioral parameters of the male offspring were not affected. However, it was observed skeletal development delay in all treated groups and skeletal malformation at the highest doses of Omeo and terpinen-4-ol. Mutagenicity in vitro was evaluated by the Salmonella/microsome test using the preincubation procedure on TA98, TA97a, TA100, TA102 and TA1535 Salmonella typhimurium strains, with or without metabolic activation. No gene mutation increase was observed. For the in vitro mammalian cell micronucleus test, it was used V79 Chinese hamster lung fibroblasts and Omeo was not able to induce chromosome mutation. In conclusion, Omeo is not able to induce in vitro gene and chromosome mutations, however, the continuous treatment with high doses Omeo and major compounds affect male fertility, induce changes in reproductive rates, cause malformation and adverse effects on the developing offspring, and should not be used during pregnancy and lactation.
Toxicology, Fertility, Mutagenicity, Fetal Development, Natural Products.
1
117
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

MORFOLOGIA, CLÍNICA, CIRURGIA E REPRODUÇÃO ANIMAL
ANATOMIA ANIMAL, CIRURGIA E FARMACOLOGIA
AVALIAÇÃO QUÍMICA, TOXICOLÓGICA E CLÍNICA DE DROGAS EMPREGADAS EM FITOTERAPIA

Banca Examinadora

JOAO ROBERTO BRAGA DE MELLO
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
ROSANE GOMEZ Participante Externo
SILVANA LIMA GORNIAK Participante Externo
JOAO ANTONIO PEGAS HENRIQUES Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
CONS NAC DE DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO - Bolsa no país - Pós-graduação 24

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Não