Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
CIÊNCIAS SOCIAIS EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE (31002013007P9)
Mulheres camponesas do oeste catarinense: organização, trabalho e cuidado
YAMIRA RODRIGUES DE SOUZA BARBOSA
DISSERTAÇÃO
16/03/2016

O presente trabalho teve como objetivo geral analisar a trajetória do Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina, tomando como referencia histórias de vida de mulheres camponesas do Oeste catarinense. A pesquisa foi realizada com base no cruzamento de fontes orais e escritas além da observação participativa que foi sistematizada no diário de campo. O Movimento de Mulheres Agricultoras - MMA surgiu nos anos 1980 devido à necessidade do reconhecimento profissional das mulheres agricultoras para garantir direitos sociais como aposentadoria e salário maternidade. Em 2004, o MMA vai compor o Movimento de Mulheres Camponesas – MMC, de caráter nacional, quando assume a identidade política camponesa e incorpora demandas como a defesa de um projeto de agricultura camponesa ecológica e feminista. Percebe-se que houve uma seleção de tradições com destaque para o resgate de valores e conhecimentos também tradicionais, ligados à atuação, sobretudo das mulheres, de seus saberes e fazeres relacionados à alimentação e saúde como o uso de plantas medicinais. As discussões sobre feminismo ganharam destaque aparecendo como uma das chaves de compreensão da “libertação” e/ou empoderamento das mulheres, que deve ser vista como um processo que exige um trabalho contínuo de desconstrução/construção de valores e atitudes. A experiência do MMC/SC demonstra a resistência da agricultura camponesa numa região marcada pela industrialização da agricultura e a busca pela construção de um feminismo camponês de forma a orientar a criação de relações mais igualitárias entre homens e mulheres.

mulheres camponesas
This following work aimed to study the trajectory of the Peasant Women's Movement (MMC) in the west of Santa Catarina. The study was conducted based on the intersection of oral and written sources, as well as the participant observation, which was systematized in the field journal. The Movement of Agricultural Women (MMA) emerged in the eighties due to the need for guaranteeing social rights such as retirement and paid maternity leave for women farmers, this being one of the first fights of the movement. In its trajectory, the MMA joined the National Articulation of Rural Women Workers (ANMTR) in the mid-nineties, whose emergence was an embryo for the consolidation of the MMC, created in 2004. With the MMC, which brings together different organizations of rural women workers in Brazil, among them the MMA, emerged a peasant political identity and a defense of an ecological and feminist peasant agricultural project. It is perceived that the discussions regarding feminism gained prominence, especially through the dialogue with Agroecology, and have also been consolidated with the emergence of a new political category within the MMC / SC, the young peasants. Finally, it is considered that the construction of peasant feminism by the MMC / SC is the core element to guide the creation of more egalitarian relationships between men and women, constituting as part of a new rurality.
medicinal plants;native seeds, peasant feminism.
1
0
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE
CONFLITOS, MOVIMENTOS SOCIAIS E REPRESENTAÇÃO POLÍTICA
Gênero, políticas públicas e movimentos sociais do campo

Banca Examinadora

DEBORA FRANCO LERRER
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
CLAUDIA JOB SCHMITT Docente - PERMANENTE
BEATRIZ MARIA ALASIA DE HEREDIA Participante Externo
DEBORA FRANCO LERRER Docente - PERMANENTE

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 24

Vínculo

Servidor Público
Empresa Pública ou Estatal
Outros
Não