Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
LETRAS (40002012012P8)
A voz angolana nos contos de Boaventura Cardoso: configuração da memória ancestral
MARIA APARECIDA DE BARROS
TESE
16/12/2015

A presente tese objetiva estudar as obras de contos do escritor angolano Boaventura Cardoso, respectivamente, Dizanga dia Muenhu, O fogo da fala (exercícios de estilo) e A morte do velho Kipacaça, que contextualizam narrativas antecedentes à independência de Angola, ocorrida em 11 de novembro de 1975, após quase quinhentos anos de colonização luso-europeia. Saltam das páginas estéticas, dramas substanciados na violência desferida pelo colonizador ao colonizado, que luta tenazmente, utilizando-se da palavra e corpo, como forma de resistência ao sistema capitalista. Outro dado de resistência, reservado nas coletâneas, refere-se ao universo da religiosidade, substância valorativa para recomposição do homem negro banto e da própria nação angolana. Ao apanhar ambos os assuntos do contexto histórico e transformá-los em produto artístico, há relevo à questão identitária, pois o autor recompõe as histórias recorrendo ao idioma do colonizador, fincando nestes caracteres uma das línguas nacionais de Angola: o quimbundo, utilizado pelo grupo etnolinguístico banto. Nestes termos, defendemos a hipótese de que a arte de Boaventura Cardoso apresenta compromisso político na esperança de emancipação de Angola, símbolo de reedificação da identidade nacional, aceso por meio da voz coletiva e memória ancestral.

Boaventura Cardoso;Voz angolana;Colonizador-colonizado;Resistência-violência;Ancestrais-tradição-religiosidade.
This thesis aims at studying the Angolan writer Boaventura Cardoso's short stories Dizanga day Muenhu, The fire of speech (style exercises) and the death of the old Kipacaça which contextualize narratives prior to the independence of Angola, held in November 11, 1975, after almost five hundred years of Portuguese and European colonization. Dramas substantiated in violence practiced by the colonizer on the colonized population, who tenaciously struggle by means of word and body as a form of resistance to the capitalist system, jump off the aesthetic pages. Another resistance signal, booked in the collections, refers to the universe of religiosity, which if a valuing substance for restoration of black people Bantu and the Angolan nation itself. By taking both subjects from the historical context and turning them into artistic product, it is given emphasis to identity issues because the author reconstructs the stories by using the colonizer's language, thus sticking in these characters one of Angola’s national languages: Kimbundu, used by the Bantu group ethno-linguistic.Accordingly, we support the hypothesis that Boaventura Cardoso’s art presents political commitment hoping to achieve the emancipation of Angola, rebuilding symbol of national identity, lit by collective voice and ancestral memory.
Boaventura Cardoso;Angolan voice;Colonizer-colonized;Resistance-violence;Ancestry-tradition-religiosity.
1
331
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

LITERATURA BRASILEIRA E OUTRAS LITERATURAS VERNÁCULAS
PRODUÇÕES LITERÁRIAS MODERNAS E CONTEMPORÂNEAS
-

Banca Examinadora

REGINA CELIA DOS SANTOS
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MARIA CAROLINA DE GODOY Docente - PERMANENTE
LUCIA HELENA OLIVEIRA SILVA Participante Externo
RUBENS PEREIRA DOS SANTOS Participante Externo
MARTA DANTAS DA SILVA Docente - COLABORADOR

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim