Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
CIÊNCIAS SOCIAIS EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE (31002013007P9)
Agrotóxicos no cotidiano dos agricultores familiares produtores de olerícolas na região de Barbacena/MG: práticas, legitimação e incertezas
HELENA RODRIGUES LOPES
DISSERTAÇÃO
31/08/2015

O presente trabalho tem como objetivo central analisar as dinâmicas de estruturação e reprodução das práticas associadas ao uso de agrotóxicos desenvolvidas por agricultores familiares, produtores comerciais de olerícolas, na região de Barbacena/MG. Parte-se do pressuposto de que essas práticas não podem ser explicadas, unicamente, nem através da experiência individual dos atores e nem como um mero reflexo das pressões de uma estrutura social externa aos indivíduos, adotando-se, portanto, uma abordagem que busca compreender os atores e suas práticas levando em consideração a trama de relações nas quais estão envolvidos. A institucionalização do uso de agrotóxicos, sementes melhoradas e adubos químicos, a partir, principalmente, dos anos 1960, através da chamada Revolução Verde, apresentou-se, em boa medida, na região estudada, como uma imposição para os agricultores familiares. Uma série de mecanismos como o crédito agrícola e os programas públicos de extensão rural, possibilitaram que os agrotóxicos fossem legitimados ao longo do tempo e naturalizados como parte inerente ao processo de produção de olerícolas . Entretanto, apesar das forças coercitivas e da naturalização do uso dos agrotóxicos, os agricultores familiares revelam-se, de acordo com suas possibilidades, como agentes ativos na produção e reprodução destas práticas. Os agrotóxicos foram pensados neste trabalho, na sua dimensão material e simbólica, como tecnologias que ganham existência através de redes sociotécnicas. A rede na qual o agrotóxico está imerso organiza as condições de fabricação, venda, uso e legitimação desses produtos. Uma das funções da rede é garantir a circulação dessas tecnologias e cessar ou minimizar as controvérsias associadas à sua utilização, transformando o agrotóxico, nos termos propostos por Latour (2000; 2004), em uma caixa-preta, resguardada de riscos e incertezas. A pesquisa tomou como principal foco de investigação as práticas dos agricultores como usuários destas tecnologias. Utilizou-se para isso, de uma perspectiva etnográfica, procurando apreender as relações que os agricultores familiares estabelecem com os agrotóxicos na vida cotidiana em um contexto econômico, social e ecológico específico. Recorreu-se, ainda, à pesquisa documental, à análise de fontes secundárias e à realização de entrevistas semi-estruturadas como forma de complementar as informações obtidas a campo. O trabalho evidenciou que as incertezas relativas aos agrotóxicos são parte integrante das práticas acionadas pelos agricultores familiares. Na região de Barbacena/MG, ao mesmo tempo em que se percebe a legitimação e naturalização do uso dos agrotóxicos e também a adoção de algumas práticas associadas ao chamado “uso seguro”, identifica-se a agência tanto dos agricultores familiares como das organizações locais, construindo conhecimentos e reacendendo controvérsias em meios às regras e à naturalização. De acordo com seus próprios parâmetros, os agricultores familiares selecionam os agrotóxicos a serem utilizados em suas unidades e constróem estratégias de seguridade na sua relação com estas tecnologias, estabelecendo relações com diversos agentes que influenciam as práticas de uso dos agrotóxicos no cotidiano, incluindo os órgãos de fiscalização e defesa agropecuária, sindicatos de trabalhadores rurais, casas agropecuárias, técnicos agrícolas e agentes envolvidos na comercialização da produção agrícola em diferentes mercados. É nessa trama de relações que os agrotóxicos são legitimados e questionados. Outro ponto importante são as relações estabelecidas pelos agricultores na esfera doméstica, particularmente as relações familiares. O medo da contaminação dos filhos, da esposa ou do marido, é um fator importante que, em algumas situações, contribui para reorganizar as práticas em relação a esses produtos. As práticas associadas aos agrotóxicos revelam, assim, incertezas, em um ambiente no qual essas tecnologias são ao mesmo tempo legitimadas e reorganizadas de acordo com as condições e estratégias dos agricultores familiares e dos diferentes agentes com os quais se relacionam.

práticas, agricultura familiar, agrotóxicos, tecnologias.
This study was aimed at analyzing the dynamics of structuring and reproduction of practices associated with the use of pesticides developed by family farming, commercial producers of vegetable production in Barbacena/MG region. It starts from the assumption that these practices can not be explained solely or through the experience of individual actors and not as a mere reflection of the pressures of an external social structure to individuals, adopting therefore an approach that seeks to understand the actors and their practices taking into consideration the network of relationships in which they are involved. The institutionalization of the use of pesticides, improved seeds and chemical fertilizers, from primarily 1960 through the so-called Green Revolution, introduced itself, to a large extent, in the studied region, as an imposition for family farming. A number of mechanisms such as agricultural credit and public programs for rural extension, enabled the pesticides were legitimized over time and naturalized as an inherent part of vegetable production process in the region under study. However, despite the coercive forces and the naturalization of the use of pesticides, the family farmers are revealed, according to their means, as active agents in the production and reproduction of these practices. Pesticides were thought this work in its material and symbolic dimension, as technologies that make existence through socio-technical networks. The network in which the pesticide is immersed organizes the manufacturing conditions, sale, use and legitimation of these products. A network functions is to ensure the circulation of such technologies and cease or minimize the controversies associated with their use, turning the pesticide, as proposed by Latour (2000; 2004), in a black-box , guarded risks and uncertainties. The research had as its main focus of investigation the farmers’ practices as users of these technologies. It was based in an ethnographic perspective aiming at apprehending the relationships that family farmers establish with the pesticides in their daily lives in a specific ecological, social and economic context. It turned up, yet, the documentary research, analysis of secondary sources and the realization of semi -structured interviews as a way to supplement information from the field. The work showed that the uncertainties relating to pesticides are an integral part of the activities triggered by family farmers. In the region of Barbacena/MG, while we perceive the use legitimation and naturalization of pesticides as well as adopting some practices associated with the so-called "safe use", identifies the agency of both the family farmers and local organizations, building knowledge and rekindling controversy means the rules and naturalization. According to its own parameters, the farmers select pesticides to be used in their units and build security strategies in their relationship with these technologies, establishing relationships with various agents that influence the pesticide use practices in everyday life, including the organs inspection and agricultural defense, rural workers' unions, farming houses, agricultural technicians and agents involved in the marketing of agricultural production in different markets. It is in this web of relationships that pesticides are legitimate and questioned. Another important point is the relationship established by farmers in the domestic sphere, particularly family relationships. Fear of contamination of children, wife or husband, is an important factor that, in some situations, contributes to reorganize practices in relation to these products. The practices associated with pesticides reveal thus uncertainty, in an environment in which these technologies are both legitimate and reorganized according to the conditions and strategies of family farmers and the different agents with whom they relate.
practices, family farming, pesticides, technologies.
1
187
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE
POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTADO E ATORES SOCIAIS
Agroecologia, políticas públicas e transições sociotécnicas: ampliação de escala de redes territoriais voltadas à promoção de uma agricultura de base ecológica

Banca Examinadora

CLAUDIA JOB SCHMITT
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
MARCELO FIRPO DE SOUZA PORTO Participante Externo
LEONILDE SERVOLO DE MEDEIROS Docente - PERMANENTE
FLAVIA CHARAO MARQUES Participante Externo
CLAUDIA JOB SCHMITT Docente - PERMANENTE

Vínculo

Colaborador
Outros
Outros
Sim