Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
MEDICINA TRANSLACIONAL (33009015069P4)
Distribuição segmentar da massa magra em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica.
CAROLINA CHIUSOLI DE MIRANDA ROCCO
TESE
26/08/2015

INTRODUÇÃO: A perda muscular periférica observada na DPOC está associada à pior prognóstico e à redução da sobrevida. Não está ainda elucidada a contribuição da massa magra dos membros superiores para a massa muscular total nestes pacientes. OBJETIVOS: O objetivo deste estudo foi avaliar pela densitometria por absorção de duplo feixe de raios X (DXA) a distribuição da massa muscular nos membros superiores, membros inferiores e tronco de pacientes com DPOC e avaliar a força muscular específica dos membros superiores e inferiores. MÉTODOS: Em um estudo transversal, 96 pacientes com DPOC e 85 idosos sem doença pulmonar do grupo controle, pareados pela idade e sexo, foram avaliados quanto à função pulmonar, composição corporal e força muscular periférica dos membros superiores (dinamometria) e inferiores (1 repetição máxima). RESULTADOS: A idade média dos pacientes com DPOC foi de 66,8 (± 9,3) e do grupo controle de 64,2 (± 8,9) anos (p = 0,064), com IMC de 27,2 (± 5,1) e 29,4 (± 4,5) kg/m2, respectivamente (p = 0,002). Não houve diferença quantitativa de massa magra entre os grupos, em qualquer segmento corporal; no entanto o percentual de gordura foi maior no grupo controle, tanto nos membros superiores, membros inferiores e tronco (p < 0,05). O índice apendicular de massa magra (IAMM) (valores normais: ≥ 7,26 kg/m2 para homens e ≥ 5,45 kg/m2 para mulheres) foi menor nos homens com DPOC (7,8 kg/m2 ± 1,1) do que no grupo controle (8,4 kg/m2 ± 0,9) (p > 0,05); e foi menor nos pacientes com DPOC grave e muito grave em relação aos com a doença leve a moderada (7,5 vs 8,0 kg/m2 para homens e 6,1 vs 6,8 kg/m2 para mulheres, respectivamente). Houve correlação positiva moderada da massa magra dos membros superiores (r = 0,5) e membros inferiores (r = 0,6) com a força muscular. A força específica dos membros superiores (0,115 ± 0,003 kgf/g de músculo vs 0,134 ± 0,004 kgf/g de músculo) e dos membros inferiores (0,015 ± 0,001 kg/g de músculo vs 0,018 ± 0,001 kg/g de músculo) dos pacientes com DPOC foi menor que a do grupo controle (p < 0,001). Embora tenhamos identificado 26,8% dos homens e 12,5% das mulheres com baixa massa muscular no grupo DPOC, apenas 7 homens (12,5%) e 3 mulheres (7,5%) foram diagnosticados como sarcopênicos. CONCLUSÃO: O índice apendicular de massa magra identificado pela DXA está diminuído nos pacientes com DPOC e a perda da massa muscular aumenta na doença avançada. A força muscular específica está reduzida nos pacientes com DPOC.

1- DXA 2- composição corporal 3- índice apendicular de massa magra 4-força muscular 5- DPOC.
-
-
0
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

-
-
-

Banca Examinadora

JOSE ROBERTO DE BRITO JARDIM
DOCENTE - PERMANENTE
Sim
Nome Categoria
SIMONE DAL CORSO Participante Externo
MARISE LAZARETTI CASTRO Docente - PERMANENTE
RODOLFO DE PAULA VIEIRA Participante Externo
MARIA RAQUEL SOARES Participante Externo
ROBERTO STIRBULOV Participante Externo
OLIVER AUGUSTO NASCIMENTO Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 48

Vínculo

-
-
-
Não