Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
CIÊNCIAS DA SAÚDE APLICADAS À REUMATOLOGIA (33009015031P7)
Efeito de Um Programa de Treinamento Resistido Progressivo para Osteoartrite de Mãos: Um Estudo Controlado, Randomizado e Cego
MICHELE VIEIRA NERY CABRAL
DISSERTAÇÃO
29/10/2015

Resumo Efeitos de um Programa de Treinamento Resistido Progressivo para Osteoartrite de Mãos: um estudo controlado, randomizado e cego. INTRODUÇÃO: Osteoartrite (OA) das mãos é altamente prevalente, afetando 55-70% da população acima de 55 anos, com aumento progressivo proporcional a idade. As articulações interfalângicas (IF) e carpometacarpal (CMC) podem apresentar vários graus de deformidade associada a dor, diminuição da força de preensão palmar e pinça, diminuição da amplitude de movimento e prejuízos funcionais. O tratamento da OA das mãos, baseia-se em condutas puramente sintomáticas. Revisões sistemáticas e meta-análises demonstram o efeito benéfico do exercício pra OA de membros inferiores, no entanto pra OAM o exercício ainda é utilizado baseado em guias de recomendações e estudos de baixa qualidade, não possibilitando a conclusão sobre os efeitos do exercício na dor, função e força na OA das mãos. Objetivo: avaliar a efetividade do exercício resistido progressivo na dor, função e força na OAM. MÉTODOS: diagnóstico de OAM de acordo com ACR de no mínimo 1 ano, idade acima de 55 anos, ambos os gêneros, dor nas articulações IF na escala numérica (END) entre 3-8 cm. Os instrumentos utilizados foram END, AUSCAN, COCHIN, dinamômetro de força de preensão palmar e pinça, escala likert e controle do uso de paracetamol. Um avaliador cego, realizou as avaliações no tempo inicial, 6 e 12 semanas após o início do tratamento. RESULTADOS: Foram entrevistados 87 pacientes, dos quais 60 preenchem os critérios de elegibilidade que foram randomizados em grupo exercício (GE) e controle (GC). Ambos os grupos realizaram uma sessão proteção articular e conservação de energia antes da randomização. O grupo exercício realizou um programa de fortalecimento da musculatura intrínseca das mãos durante 12 semanas. Resultados: os grupos foram homogêneos no tempo inicial, exceto pra as forças de pinça chave para mão não dominante e trípode de ambas as mãos. A comparação entre os grupos utilizando ANOVA de medidas repetidas demonstrou uma diferença estatisticamente significante para o GE no AUSCAN total (p=0,005), dor (p=0,006) e função (0,047), COCHIN p= 0,042 e escala likert com p=0,001. Conclusão: este programa de fortalecimento resistido progressivo foi efetivo na dor, função e satisfação do indivíduo com OA das mãos.

Osteoartrite. Treinamento de Resistência. Mãos/patologia. Exercício. Função das mãos
-
-
1
0
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

TERAPÊUTICA REUMATOLÓGICA
COLUNA VERTEBRAL E REABILITAÇÃO
EFEITOS DE UM TREINAMENTO RESISTIDO PROGRESSIVO EM INDIVÍDUOS COM OSTEOARTRITE DE MÃOS

Banca Examinadora

JAMIL NATOUR
Não
Nome Categoria
YEDA PEREIRA LIMA GABILAN Participante Externo
LUIZ CARLOS LATORRE Participante Externo
ANTONIO JOSE LOPES FERRARI Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Programa de Demanda Social 24

Vínculo

Colaborador
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Não