Brasil

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Ciências e Biotecnologia (31003010079P0)
Impacto do caseinato na resposta imunitária e nos níveis séricos de cálcio no modelo animal de inflamação intestinal antígeno específico
TELMA MOREIRA DE MATTOS
TESE
18/06/2015

O uso de caseinatos tem sido indicado para pacientes com déficit nutricional, como também com atividade gastrointestinal deficiente e nas doenças inflamatórias intestinais, uma vez que atua na regulação da resposta imunológica, além de melhorar a absorção intestinal do cálcio devido a sua alta solubilidade e digestibilidade. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o impacto do caseinato de cálcio na resposta imunitária e nos níveis séricos de cálcio no modelo animal de inflamação intestinal antígeno específico. Para tal, camundongos C57BL6, machos adultos, receberam uma dieta contendo caseinato (GA2, GA3), amendoim (GC2, GC3) ou continuaram comendo ração comercial murino (GA1, GC1), durante um período de sete dias. Em seguida foram sensibilizados com proteínas derivadas do amendoim (EBA) ou caseinato (EXTCAS) e desafiados por via oral com a respectiva proteína, no caso, amendoim in natura (GA1, GA2, GA3) ou ração experimental a base de caseinato de cálcio (GC1, GC2, GC3) durante 30 a 40 dias, para o desenvolvimento de uma inflamação intestinal crônica antígeno específico.Por último, receberam como tratamento oral durante 2, 3 e 4 semanas, com ração comercial (GA2, GC2), amendoim (GC1, GC3) e ração experimental de caseinato de cálcio(GA1, GA3). Para a análise estatística foi utilizada a análise de variância (ANOVA) com pós-teste de Tukey considerando significativo p<0,05, com auxílio do software GraphPadInstat versão 4.10 para Windows. Nossos resultados mostram que os grupos sensibilizados com EBA e desafiados com amendoim, apresentaram perda de peso (GA1) seguido pelos outros grupos experimentais (GA2 e GA3) enquanto nenhum grupo sensibilizado ao EXTCAS e desafiado com ração experimental perdeu peso. Os dois grupos que foram tratados com ração experimental recuperaram o peso corpóreo (GA1 e GA3) enquanto os grupos tratados com amendoim (GC1 e GC3) perderam peso. A indução da Inflamação antígeno específico com amendoim, mas não com a ração experimental, leva a perda de cálcio sérico, que se recupera com o tratamento com a ração experimental. Os títulos de IgG anti-amendoim de todos os grupos sensibilizados com esta proteína se mostraram mais elevados do que os níveis de IgG total anti-caseinato. Por outro lado, os níveis de IgE anti-amendoim foram negativos, enquanto os níveis de IgE anti-caseinato foram positivos. Os animais desafiados com amendoim desenvolveram uma inflamação intestinal crônica perceptível, enquanto aqueles que foram desafiados com caseinato, não. O período de tratamento com caseinato ou ração comercial melhorou a arquitetura da mucosa intestinal, enquanto o tratamento mesmo em animais tolerantes ao amendoim, levou a uma piora do perfil histomorfométrico. Concluímos que, além do caseinato ser um bom suplemento nutricional capaz de acelerar a recuperação da morfologia intestinal per si, ele pode ser ofertado a animais tolerantes às proteínas do leite, observando-se uma aceleração da recuperação.

Caseinato de cálcio; caseína; caseinofosfopeptídeos; inflamação intestinal; alergias alimentares
The use of caseinates, indicated for patients with nutritional deficiencies, but also with impaired gastrointestinal activity and inflammatory bowel diseases, is involved in the immune response regulation and improves calcium intestinal absorption due to its high solubility and digestibility. Therefore, the aim of this study was to evaluate the impact of calcium caseinate in the immune response and serum calcium levels of animals submitted to an antigen specific chronic gut inflammation model. For this, C57BL6 adult mice received a diet containing caseinate (GA2, GA3), or peanuts (GC2, GC3) or kept eating mouse chow (GA1, GC1) for a seven day period. They were then, sensitized with a peanut protein (PPE) or caseinate (CPE) and challenged with a diet that contained corresponding protein (peanut in natura or calcium caseinate experimental chow) for 30 to 40 days to develop an antigen specific chronic gut inflammation. Finally, animals received an oral treatment for 2, 3 and 4 weeks, with commercial chow, peanut and experimental chow. Statistical analysis was performed using variance analysis (ANOVA) with Tukey post-test with minimal statistical significance (p) < 5 with the aid of GraphPadInstat version 4.10 for Windows. Our results: show that sensitized groups with PPE and challenged with peanuts showed weight loss (GA1 followed by the other experimental groups GA2 and GA3) while none of the groups sensitized to CPE and challenged with experimental chow lost weight. Both groups that were treated with experimental diet regained body weight (GA1 and GA3) whereas the groups treated with peanut (GC1 and GC3), lost weight. Induction of peanut antigen-specific gut inflammation, but not with the experimental chow lead to loss of serum calcium, Which is recovered when animals were treated with the experimental diet. All peanut sensitized groups showed higher specific IgG titers than caseinate sensitized groups. On the other hand, anti-peanut IgE levels were negative, while anti- caseinate IgE was positive. The animals challenged with peanuts developed a noticeable chronic intestinal inflammation while those that were challenged with caseinate did not. The treatment period with caseinate or commercial diet improved the architecture of intestinal mucosa while treatment, even in tolerant animals, with peanuts led to an inflammatory histomorphometric profile. We conclude that in addition to caseinate being a good nutritional supplement, it can accelerate the recovery of intestinal inflammation. When is offered to animals tolerant to milk proteins there is an acceleration in the recovery of the histomorphometric profile.
calcium caseinate; casein; caseinofosfopeptídeos; intestinal inflammation; Food allergies.
01
184
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Contexto

CIÊNCIAS E BIOTECNOLOGIA - INTERAÇÕES MOLECULARES, CELULARES E SISTÊMICAS
ANÁLISE MOLECULAR, CELULAR E/OU SISTÊMICA DE PROCESSOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS
ALERGIA ALIMENTAR - IMUNOLOGIA GASTRINTESTINAL

Banca Examinadora

GERLINDE AGATE PLATAIS BRASIL TEIXEIRA
Não
Nome Categoria
GABRIELLE DE SOUZA ROCHA Participante Externo
SERGIO GIRAO BARROSO Participante Externo
VERONICA FIGUEIREDO DO AMARAL Docente
PATRICIA SAVIO DE ARAUJO SOUZA Participante Externo
PATRICIA OLAYA PASCHOAL Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
FUND COORD DE APERFEICOAMENTO DE PESSOAL DE NIVEL SUP - Novos Talentos 24
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - Programas de Fomento a Pesquisa 12

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim