Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
LETRAS (23002018004P7)
Discurso, mídia e memória na (re)construção da história da sexualidade feminina
LEILA KARLA MORAIS RODRIGUES FREITAS
DISSERTAÇÃO
04/05/2012

Esta dissertação intitulada Discurso, mídia e memória na (re)construção da história da sexualidade feminina objetiva descrever/interpretar, nos enunciados presentificados nas revistas Nova e Women’s Health, os movimentos da memória que constroem a história da sexualidade feminina na mídia contemporânea. Para tanto, partimos do edifício da Análise de Discurso francesa, a partir do qual travamos um fecundo diálogo com as Teorias de Gênero, os Estudos Culturais e a Comunicação Social. Com base no pressuposto de que a mídia é a responsável-mor pelo engendramento e divulgação de novas formas de subjetividade, investigamos como ela erige-se em prática de subjetivação na modernidade face ao sujeito feminino , via discursivização/exposição do seu corpo-sexo. Para a realização deste intento, as contribuições legadas por Michel Foucault à AD foram fundamentais, especialmente as no que respeita as suas reflexões sobre o sujeito, em suas interrelações com o saber, o poder e a verdade. O corpus desta pesquisa é composto por enunciados veiculados pelas revistas Nova e Women’s Heatlh nas edições relativas aos anos de 2008 a 2011. Para tratamento do corpus adotamos como dispositivo analítico a noção de trajeto temático embargada por Guilhaumou e Maldidier (1994). Nesta pesquisa, para auxiliar-nos na leitura dos enunciados, definimos o trajeto de leitura Corpo, Sexo e Prazer, ao qual correspondem os eixos: Sedução, corpo e beleza e Sexo, prazer e subjetivação. As investigações revelaram-nos que a mídia não reconstrói a história da sexualidade feminina, como sugere seu discurso e como supúnhamos inicialmente. O que há, em verdade, é tão-somente uma suposta (re)constituição dessa trama. Envolto no fio da memória, o discurso midiático contemporâneo, aliado ao discurso médico e estético, (re)atualiza dizeres/saberes sobre o sexo que não subvertem, mas ratificam verdades históricas. A observação do processo de constituição e discursivização de Nova e Women’s Health nos revelou que a articulação dos jogos/discursos de verdade, dos cuidados de si e da confissão, além de recorrente em ambas, é o que as possibilita (re)agenciar o sujeito feminino contemporâneo, especialmente em relação ao seu corpo -sexo. Mediante este estratagema as revistas promovem a alternância entre movimentos de autoconhecimento e autocontrole, como etapas de um processo que culmina na (re)fabricação dos sujeitos. Nossas análises apontem ainda que o dispositivo da sexualidade não desapareceu do discurso midiático moderno, apenas se modificou, passando, estrategicamente, da função de controle-dominação, para a de controle-incitação.

Mídia; Discurso; Sexualidade feminina; Modos de subjetivação.
This dissertation entitled Discourse, media and memory (re) construction of the history of female sexuality aims to describe / interpret the statements made present in the magazines and New Women's Health, the movements of memory that build the history of female sexuality in contemporary media. The starting point was the building of French Discourse Analysis, from which waged a fruitful dialogue with the Theories of Gender, Cultural Studies and Media. Based on the assumption that the media is responsible for mor-engendering and dissemination of new forms of subjectivity, we investigate how it builds up in place of subjectivity in modernity against the female subject, via discursivization / exposure of her body and sex. To accomplish this purpose, contributions by Michel Foucault the legacy AD were essential, especially regarding their thoughts on the subject, in their interrelations with the knowledge, power and truth. The corpus of this research is composed of statements conveyed by the magazines New heatlh and Women's editions for the years 2008 to 2011. For treatment of the corpus we adopted the notion of an analytic thematic path and embargoed by Guilhaumou Maldidier (1994). In this research, to assist us in reading the statements, we define the path of reading Body, Sex and Pleasure, which correspond to the axes: Seduction, body and beauty and sex, pleasure and subjectivity. Research has shown us that the media does not reconstruct the history of female sexuality, as suggested by his speech and as we assumed initially. What, in fact, is merely an assumed (re) constitution of this plot. Wrapped in memory wire, the contemporary media discourse, together with the medical discourse and aesthetic (re) updates sayings / knowledge about sex that does not subvert, but confirm historical truths. The observation of the constitution and discursivization New and Women's Health revealed that the combination of games / discourses of truth, of self-care and confession, and the applicant on both, is what enables (re) negotiate the subject female contemporary, especially in relation to their body and sex. By this stratagem the magazines promote switching between movements of self-knowledge and self-control, as steps in a process that culminates in the (re) production of the subject. Our analyzes also indicate that the device of sexuality has not disappeared from the modern media discourse, only changed, moving strategically function control and domination, for control-incitement.
Media, Discourse, Female sexuality, modes of subjectivatio
1
200
PORTUGUES
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

ESTUDOS DO DISCURSO E DO TEXTO
DISCURSO, MEMÓRIA E IDENTIDADE
Relações de poder e processos de subjetivação nos textos midiáticos

Banca Examinadora

FRANCISCO PAULO DA SILVA
Sim
Nome Categoria
CLAUDIA REJANNE PINHEIRO GRANGEIRO Participante Externo
MARCILIA LUZIA GOMES DA COSTA MENDES Docente
GUILHERME PAIVA DE CARVALHO Docente

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim