Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
CLÍNICA VETERINÁRIA (33002010150P1)
Avaliação da Proteína C Reativa como marcador inflamatório e de seu potencial para monitoração terapêutica em casos de pênfigo foliáceo e de piodermite superficial na espécie canina
JULIA SO SEVERO
DISSERTAÇÃO
19/08/2015

O pênfigo foliáceo inclui-se em um grupo de dermatoses autoimunes vésico-bolhosas da pele e mucosas reconhecido em alguns mamíferos, incluíndo os cães. Muitos autores acreditam que o pênfigo foliáceo (PF) é a dermatopatia autoimune mais frequentemente observada em caninos. Muitas podem ser as enfermidades caninas que devem ser incluídas no diagnóstico diferencial do pênfigo foliáceo, principalmente, a piodermite superficial (PS). A Proteína C Reativa (PCr) é conhecida como a principal proteína de fase aguda em cães. Nesses espécimes, a elevação da PCr tem sido observada em ampla variedade de condições mórbidas. A determinação da PCr tem sido proposta como um marcador inflamatório de algumas doenças autoimunes. O objetivo deste estudo foi determinar se a Proteína C Reativa pode ser utilizada como um marcador biológico precoce para diferenciar o pênfigo foliáceo da piodermite superficial em cães. Esta pesquisa constituiu um estudo clínico observacional prospectivo longitudinal, realizada em cães acometidos pelo PF ou PS. Foram incluídos 59 cães divididos em três Grupos I (Controle) com 31 animais, II (PF) e III (PS), cada um constituído por 14 cães. Submeteram-se, respectivamente, fragmentos cutâneos e soros de caninos, acometidos por PF ou PS, a exames histopatologicos e imunofluorescência direta (IFD) e à determinação de PCr e, também, a imunofluorescência indireta (IFI), utilizando-se para essa última coxins palmo-plantares a título de substrato. O grau de acometimento dos pacientes penfigosos (Grupo II) foi avaliado pelo PEFESI, durante período de até 90 dias, em diferentes momentos em que se realizou a IFI e a avaliação da PCr. Comparando-se os valores de IFD com aqueles da histopatologia obtiveram-se valores geral de concordância de 75% (9/12) e Índice Kappa de 0,77 (p<0,001) e, também, concordância dita substancial entre os dois métodos. Já, na IFI o valor de concordância foi de 100% (14/14), o de Kappa de 1,0 (p<0,001), com concordância considerada perfeita entre a IFI e a histopatologia. O Grupo II apresentou maior valor de mediana de PCr (37,4 μg/mL) quando comparado aos Grupos I, com 2,9 μg/mL (p<0,0001) e III, com 3,8 μg/mL (p=0,008). Não houve diferença entre os Grupos I e III (p=0,178). Considerando-se como ponto de corte um valor de PCr > 10,6μg/mL, a chance de um animal estar acometido pelo PF é 5,5 vezes maior àquela de um cão não afetado, o que equivale a uma probabilidade pós-teste de 84,6%, conferindo um acréscimo de 34,6% na capacidade de diagnóstico do PF. Conclui-se que determinação de PCr é de inequívoca valia para o estabelecimento de diferenciação diagnóstica entre a casuística da contumaz piodermite superficial com quadros do pênfigo foliáceo canino.

Pênfigo foliáceo. Piodermite superficial. Imunofluorescência. Proteína C Reativa
Pemphigus is included in a group of skin and mucous autoimmune vesicobullous dermatoses recognized in some mammals, including dogs. Many authors believe that pemphigus foliaceus (PF) is the autoimmune skin disease most often observed in dogs. Many must be the canine diseases considered in the pemphigus foliaceus differential diagnosis, especially the superficial pyoderma (SP). The C-Reactive Protein (CRP) is known as a major acute phase protein in dogs. The CRP increase has been observed in a wide variety of morbid conditions in dogs. The determination of CRP has been proposed as an inflammatory marker of some autoimmune diseases. This study aimed to determine whether C-Reactive Protein can be used as an early biomarker to differentiate pemphigus foliaceus of superficial pyoderma in dogs. An observational prospective longitudinal clinical study was undertaken including dogs affected by PF or PS. Fifth nine dogs were divided into three groups: Group I (Control) with 31 animals and II (PF) and III (SP), consisting of 14 dogs each. Dogs affected by PF or SP had skin fragments submitted to histopathological examination and direct immunofluorescent reaction (DIF). The blood sera were used to determine the CRP concentration, and also to perform the indirect imunofluorescent reaction (IIF) using canine footpad as substrate. The pemphigus patients (Group II) clinical involvement degree was evaluated by PEFESI, over a period of 90 days, moments in which IFI and evaluation of CRP took place. Comparing the DIF values with the histopathology there was an agreement of 75% (9/12) with a Kappa index of 0.77 (p <0.001) which means a degree of substantial arrangement between the two methods. Considering IIF, the agreement value was 100% (14/14) with Kappa index of 1.0 (p <0.001), showing perfect arrangement between the IIF and the histopathology. Group II showed higher CRP median (37.4 mg / mL) compared to Groups I, with 2.9 mg / mL (p <0.0001) and III with 3.8 mg / mL (p = 0.008 ). There was no statistic difference between groups I and III (p = 0.178). Considering CRP> 10,6μg / mL as a cutoff value, the chance of an animal having PF is 5.5 times higher than not to be, which is equivalent to a post-test probability of 84,6%, giving a 34.6% increase in the PF diagnostic capability. It concludes that determination of CRP is unequivocal asset for the establishment of diagnostic differentiation between the common superficial pyoderma to canine pemphigus foliaceus.
Pemphigus foliaceus. Superficial pyoderma. Immunofluorescent. C-Reactive Protein
1
100
PORTUGUES
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

CLÍNICA VETERINÁRIA
CLÍNICA MÉDICA DE CANINOS E FELINOS
Dermatologia Veterinária Comparada

Banca Examinadora

CARLOS EDUARDO LARSSON
DOCENTE - COLABORADOR
Sim
Nome Categoria
VALERIA AOKI Participante Externo
EVANDRO ARARIGBOIA RIVITTI Participante Externo

Vínculo

-
-
-
Sim