Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
BIOCIÊNCIA ANIMAL (25003011022P7)
ATIVIDADE NEUROPROTETORA DA FLUOXETINA NA RETINA DE RATOS SUBMETIDOS À FOTODEGENERAÇÃO EXPERIMENTAL
VITOR CAIAFFO BRITO
TESE
29/05/2015

O presente trabalho analisou a neuroproteção da fluoxetina na retina de ratos submetidos à foto-exposição. Foram utilizados 45 ratos, machos, adultos, Wistar. Os animais foram mantidos em condições padrão de biotério O estudo foi dividido em dois experimentos: Prevenção e Regeneração. No primeiro, os animais foram divididos em 3 grupos: GCP (Controle), GFotoP (Foto-exposto) e GFP (tratados com fluoxetina previamente por 7 dias antes da foto-exposição). No experimento regeneração, os animais foram divididos em 6 grupos: GC (controle), GFoto (Foto-exposto), GF 7 (Foto-exposto e tratados com fluoxetina por 7 dias consecutivos), GF 14 (Foto-exposto e tratados com fluoxetina por 14 dias consecutivos), GF 21 (Foto-exposto e tratados com fluoxetina por 21 dias consecutivos) e GF 30 (Foto-exposto e tratados com fluoxetina por 30 dias consecutivos). A foto-exposição foi realizada por 12 horas com uma intensidade de 3000 LUX. A fluoxetina foi administrada na dose de 10mg/kg de peso corporal. Para a realização do Eletrorretinograma (ERG), os animais foram anestesiados com Cloridrato de Quetamina (60mg/Kg) e Xilazina (20mg/Kg). Para a eutanásia, foi administrada uma sobredose de pentobarbital sódico. Em seguida, foi realizada a toracotomia e a perfusão com solução de NaCl a 0,9% e paraformaldeído a 4% em tampão fosfato 0,1M (pH 7,4). Após a perfusão, os olhos esquerdos foram enucleados, imersos no paraformaldeído a 4% por 48 horas, incluídos em paraplast, cortados a uma espessura de 5 μm, corados com Hematoxilina e Eosina e montados entre lâmina e lamínula. Para a morfologia e morfometria, os cortes foram fotomicrografados com o auxílio do sistema LAEZ (Leica) e mensurados com o software ImageJ®. Para a avaliação da apoptose celular, os cortes foram submetidos ao procedimento TUNEL. Os resultados demonstraram menor índice apoptótico, uma menor redução da espessura bem como melhor morfologia do segmento externo dos fotorreceptores dos animais tratados com fluoxetina. Ao exame de ERG, o tempo implícito e a amplitude das ondas a e b, mostraram-se melhores nos animais tratados com a fluoxetina. Desta forma, a fluoxetina, administrada tanto previamente como posteriormente à foto-exposição, apresenta uma neuroproteção importante contra os efeitos nocivos do excesso de luz na retina de ratos.

Fluoxetina, Fotodegeneração, Neuroproteção, Retina.
This study examined the neuroprotection of fluoxetine in the retina of rats subjected to photo-exposure. 45 rats, adult, Wistar were used. The animals were kept under standard vivarium conditions. The study was divided into two experiments: Prevention and Regeneration. In the first, animals were divided into 3 groups: GCP (control) GFotoP (photo-exposed) and GFP (previously treated with fluoxetine for 7 days before the photo-exposure). In the regeneration experiment, the animals were divided into 6 groups: GC (control), GFoto (Photo-exposed), GF 7 (photo-exposed and treated with fluoxetine for 7 consecutive days), GF 14 (photo-exposed and treated with fluoxetine for 14 consecutive days), GF 21 (photo-exposed and treated with fluoxetine for 21 consecutive days) and GF 30 (photo-exposed and treated with fluoxetine for 30 consecutive days). The photo-exposure was performed for 12 hours with an intensity of 3000 lux. Fluoxetine was administered at 10 mg/kg body weight. To achieve the electroretinogram (ERG), the animals were anesthetized with a Quetmanina hydrochloride (60mg/kg) and Xylazine (20mg/kg). For euthanasia, an overdose of sodium pentobarbital was administered. Then, thoracotomy was performed and the infusion solution with NaCl at 0.9% and paraformaldehyde 4% on 0,1 M phosphate buffer (pH 7.4). After perfusion, the left eyes were enucleated, immersed in paraformaldehyde 4% for 48 hours, embedded in Paraplast, sliced to a thickness of 5 μm and stained with hematoxylin and eosin and mounted between slide and cover slip. For morphology and morphometry, the sections were photomicrographed with LAEZ system (Leica) and measured with ImageJ® software. For assessment of apoptosis, the sections were subjected to the TUNEL procedure. The results showed less apoptotic index, a smaller thickness reduction as well as improved morphology of photoreceptor outer segment of the animals treated with fluoxetine. The examination of ERG, the implicit time and the amplitude of a and b wave, proved best in animals treated with fluoxetine. Thus, fluoxetine was administered both before and after the photo-exposure, shows a significant neuroprotection against harmful effects of excessive light on the retina of mice.
Fluoxetine, Photo-degeneration, Neuroprotection, Retina
1
131
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
O trabalho possui divulgação autorizada

Contexto

MORFOFISIOLOGIA ANIMAL
ESTUDO DOS MECANISMOS E PROCESSOS CELULARES BÁSICOS NA CIÊNCIA ANIMAL
ANALISE DO PAPEL NEUROPROTETOR DA FLUOXETINA SOBRE DEGENERAÇÃO RETINIANA INDUZIDA POR FOTO-EXPOSIÇÃO

Banca Examinadora

JOAQUIM EVENCIO NETO
DOCENTE - PERMANENTE
Não
Nome Categoria
VALDIR LUNA DA SILVA Participante Externo
LIRIANE BARATELLA EVENCIO Participante Externo
FABRICIO BEZERRA DE SA Docente - PERMANENTE
SILVIA REGINA ARRUDA DE MORAES Participante Externo

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim