Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
Interdisciplinar em Ciências da Saúde (33009015070P2)
Análise de Parâmetros Inflamatórios e Comportamentais em Decorrência da Indução da Desmielinização Química com Cuprizona em Ratos Lewis Expostos Ao Enriquecimento Ambiental
NATHALIA SERRA DE OLIVEIRA
DISSERTAÇÃO
30/07/2014

A mielina do sistema nervoso central (SNC) é vulnerável às lesões em virtude de alterações metabólicas, tóxicas ou ataques autoimunes. Desta forma, as lesões neurológicas, como a desmielinização, desencadeiam alterações motoras, sensoriais e comportamentais. A esclerose múltipla é uma das patologias desmielinizantes mais prevalentes, resultante de uma resposta imunológica fora dos padrões de normalidade, voltada contra os oligodendrócitos. Um dos maiores desafios atuais é encontrar estratégias que favoreçam o processo de remielinização, que embora ocorra, geralmente é incompleto ou falho. Nesse contexto, a cuprizona tem sido utilizada como um modelo animal para a desmielinização, que se assemelha à observada na esclerose múltipla. Sabe-se que estímulos sensoriais, motores, cognitivos e sociais modulam o SNC ao longo da vida e a exposição ao ambiente enriquecido (AE) proporciona novas experiências sensório-motoras, que favorecem a integração do SNC promovendo a neuroplasticidade. Hipotetizamos que os sinais clínicos da desmielinização com cuprizona possam ser minimizados pela exposição diária ao AE. Nos testes comportamentais verificou-se que o grupo cuprizona apresentou comprometimento na coordenação motora, na sensibilidade e no comportamento exploratório, exibindo sinais semelhantes à ansiedade. Por outro lado, o AE minimizou ou reverteu as alterações comportamentais decorrentes da cuprizona. Na desmielinização há redução na densidade dos oligodendrócitos, aumento da ativação astrocitária e da micróglia no corpo caloso quando comparado ao grupo controle, contudo o AE reduziu os danos ocasionados aos oligodendrócitos e aos astrócitos pela cuprizona. Sabese que o TNF-α induz a apoptose em oligodendrócitos, acentuando a desmielinização. Verificou-se que as concentrações desta citocina significativamente aumentadas quando comparado ao grupo exposto ao AE e ao controle. Nossos resultados sugerem que o ambiente enriquecido pode minimizar a repercussão das lesões centrais viabilizando a melhora dos sinais clínicos e alterações comportamentais decorrentes da desmielinização exercendo ação neuroprotetora.

Esclerose múltipla, Citocinas, Ambiente Enriquecido, Desmielinização, Cuprizona
The myelin in the central nervous system (CNS) is vulnerable to damage due to metabolic, toxic or autoimmune attacks change. In this way, neurological damage such as demyelination causes motor, sensory, and behavioral changes. Multiple sclerosis is one of the most prevalent demyelinating disorders resulting from an aberrant immune response directed against oligodendrocytes. One of the biggest challenges is to find strategies that improve the remyelination process, although it occurs, is usually incomplete or failed. In this context, cuprizone has been used as animal model of demyelination, sharing some characteristics of multiple sclerosis. It is known that sensory, motor, cognitive and social stimulus modulate the CNS throughout life and the exposure to enriched environment (EE) provides new sensorimotor experiences, enhancing integration of CNS and promoting neuroplasticity. We hypothesize that the clinical signs of demyelination induced by cuprizone can be minimized by daily exposure to EE. In behavioral tests, it was found that the cuprizone group showed impairment in motor coordination in sensitivity and exploratory behavioral, similar to signs of anxiety. On the other hand, the EE minimized or reversed behavioral changes resulting from cuprizone. In demyelinated lesion, the density of oligodendrocytes is reduced, the astrocytic and microglial activation are increased in the corpus callosum compared with the control group, however the EE reduced the damage caused to oligodendrocytes by cuprizone. The TNF-α induces apoptosis of oligodendrocytes, accentuating demyelination. It was found that the concentrations of this cytokine significantly increased when compared to the cuprizone EE and control groups. Our results suggest that the EE can minimize the impact of white mater lesions enabling improved clinical signs and behavioral changes caused by demyelination exerting neuroprotective action.
Multiple sclerosis, Cytokines, Enriched Environment, Demyelination, Cuprizone
01
98
PORTUGUES
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

MECANISMOS BÁSICOS DE PROCESSOS BIOLÓGICOS EM SAÚDE
NEUROCIÊNCIAS E COMPORTAMENTO
ESTRESSE E PLASTICIDADE HIPOCAMPAL

Banca Examinadora

GLAUCIA DE CASTRO CHAMPION
DOCENTE - PERMANENTE
Não
Nome Categoria
GRACE SCHENATTO PEREIRA MORAES Participante Externo
REGINA CLAUDIA BARBOSA DA SILVA Docente - PERMANENTE
ALESSANDRA MUSSI RIBEIRO Participante Externo

Vínculo

-
-
-
Não