Governo Federal

Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO ( JABOTICABAL )
ZOOTECNIA (33004102002P0)
MASSA DE FORRAGEM, COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO CAPIM-MASSAI E COMPORTAMENTO INGESTIVO DE OVINOS DURANTE A FASE DE IMPLANTAÇÃO DO EUCALIPTO EM SISTEMA SILVIPASTORIL
NOMAIACI DE ANDRADE
DISSERTAÇÃO
28/02/2014

A crescente implantação de sistema silvipastoril é devido ao seu potencial em aumentar a fertilidade do solo, melhorar a qualidade da forragem, promover o conforto térmico animal, e proporcionar a diversificação de renda para o produtor, obtendo maior eficiência dos sistemas de produção animal. O objetivo do presente trabalho foi determinar os efeitos da fase de implantação do sistema silvipastoril com eucalipto em diferentes espaçamentos arbóreos sobre o desenvolvimento das árvores, produtividade do capim-massai e comportamento ingestivo dos ovinos manejados em pastejo intermitente nas condições edafoclimáticas de Jaboticabal – SP. O experimento consistiu em três tratamentos com quatro repetições, variando o espaçamento entre as fileiras de eucalipto, sendo estes: sem sombra (tratamento testemunha), presença de árvores com espaçamento de 6 metros e espaçamento de 12 metros. Foram analisadas as variáveis: altura (pré e pós-pastejo), estrato pastejado, densidade volumétrica, taxa de acúmulo líquida, relação folha/colmo, componentes morfológicos (massa seca de folhas, massa seca de colmo, massa seca de material morto), massa de forragem seca total, composição bromatológica da amostra colhida no pastejo simulado, comportamento animal e monitoramento dos eucaliptos. As análises das variáveis respostas do capim-massai foram realizadas segundo um delineamento em blocos casualizados, com seis repetições, em esquema de medidas repetidas no tempo. A altura do eucalipto foi avaliada em delineamento em blocos inteiramente casualizados. Os tratamentos foram considerados como efeitos fixos e os ciclos de pastejo como aleatórios. O capim-massai respondeu fisiologicamente a diminuição do fotoperíodo ao longo dos ciclos de pastejo, resultando em efeitos significativos (P<0,10) nos componentes morfológicos, promovendo a emissão de inflorescências. Observaram-se maiores médias dos teores de proteína bruta no primeiro dia de coleta quando comparado ao terceiro dia, com 8,04% e 5,29%, respectivamente, no tratamento de 6 metros. Os espaçamentos entre arvores alteraram (P<0,10) os teores de proteína, sendo as maiores médias observadas no tratamento de 6 metros. Os teores de matéria seca apresentaram efeito linear (P<0,10) ao longo dos ciclos, no terceiro dia de pastejo, sendo a maior média observada no 4º ciclo, com 31,92%, valores condizentes com a época do florescimento do capim-massai. Os eucaliptos apresentaram crescimento médio de 40 cm ao longo dos quatro meses de experimento e este crescimento não diferiu (P>0,10) entre os tratamentos. Observou-se uma maior frequência de utilização da sombra em espaçamentos mais adensados (6 metros), principalmente na atividade de pastejo e ruminação. A presença dos eucaliptos não interferiu na produtividade do capim-massai no primeiro ano de implantação. A utilização de mudas de eucalipto de 1,20m de altura favoreceu a entrada dos animais na área precocemente, no entanto retardou o crescimento das árvores.

Panicum maximum, Forragem, Integração.
The implementation of silvopastoral system is increasing because of its potential to increase soil fertility, improve forage quality, promote thermal comfort, and provide diversification of income for the producer, achieving higher efficiency of animal production systems. The objective of this study was to determine the effects of silvopastoral system at different spacings of eucalyptus tree species in the development of eucalyptus, productivity of massaigrass and grazing behavior of sheep under intermittent grazing at conditions Jaboticabal - SP. The experiment consisted of three treatments with four replicates, varying the spacing between the rows of eucalyptus, these being: no shade (control treatment), presence of trees spaced 6 meters and 12 meters spacing. The variables: time (pre-and post-grazing), grazed stratum bulk density, rate of net accumulation, leaf / stem ratio, morphological components (dry mass of leaves, stem dry mass, dry mass of dead material), total dry forage chemical composition of the sample in simulated grazing, animal behavior and monitoring of eucalyptus. The analyzes of response variables massaigrass were performed according to a randomized block design with six replications in a repeated measures scheme. The height of eucalyptus has been reported in completely randomized blocks. Treatments were considered fixed effects and grazing cycles as random. The grass-massai physiologically responded to photoperiod decreased over the grazing cycles, resulting in significant effects (P <0.10) in morphological components, promoting the issuance of inflorescences. We observed higher mean crude protein on the first day collection on the third day compared with 8.04% and 5.29%, respectively, in the treatment of 6 meters. The treatments differed (P <0.10) for protein content, with the highest average observed in the treatment of 6 meters. The dry matter showed a linear effect (P <0.10) over the cycles, the third day of grazing, with the highest average in the 4th cycle, with 31.92%, values consistent with the time of flowering of grass-massai. . The eucalyptus showed average growth of 40 cm over the four months of the experiment and this growth did not differ (P> 0.10) between treatments. We observed a higher frequency of use of shadow in narrower spacings (6 meters), mainly for grazing activity and rumination. The presence of eucalyptus did not interfere in the massaigrass the first year of deployment. The use of eucalyptus 1.20m tall favored the entry of animals in the area early, however slowed the growth of trees.
Panicum maximum, Forage, Integration.
1
47
PORTUGUES
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO ( JABOTICABAL )

Contexto

PRODUÇÃO ANIMAL
PLANTAS FORRAGEIRAS: PRODUÇÃO, MANEJO E CONSERVAÇÃO
ESTRUTURA, MANEJO E PRODUÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS

Banca Examinadora

ANA CLAUDIA RUGGIERI
Sim
Nome Categoria
RICARDO ANDRADE REIS Docente
PAULO ROBERTO DE LIMA MEIRELLES Participante Externo

Financiadores

Financiador - Programa Fomento Número de Meses
CONS NAC DE DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO - Bolsa de Mestrado GM e Doutorado GD 12

Vínculo

-
-
-
Sim