Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
LETRAS (23002018004P7)
O duplo como manifestação do insólito em contos de Lygia Fagundes Telles e Ignácio de Loyola Brandão
FRANCISCO EDSON GONCALVES LEITE
DISSERTAÇÃO
06/03/2013

Questões relacionadas à identidade do eu sempre despertaram o interesse e a inquietação de estudiosos dos mais variados campos epistemológicos. O mito do duplo, concebido por Bravo (1998) como uma figura arcaica, atesta tanto a tradição desse interesse quanto sua atualização em diferentes discursos, encontrando na literatura lugar privilegiado para sua ressignificação. Tomando como referência essa realidade, objetiva-se, neste trabalho, analisar as configurações assumidas pelo mito do duplo em contos de Lygia Fagundes Telles e Ignácio de Loyola Brandão. Trata-se de um estudo crítico-comparativo de base interpretativista acerca de um total de cinco contos. Desses, três são da autora de “A caçada”, “A mão no ombro” e “O encontro”; e os demais de Brandão, “A mão perdida na caixa do correio” e “As cores das bolinhas da morte”. Dentre os estudiosos mais representativos que embasaram essa pesquisa, podem-se citar: Campbell (2008), Augras (2008), Eliade (1992, 2007), Armstrong (2005) e Chevalier e Gheerbrant (2009), que tratam dos aspectos míticos e simbólicos; Jung (2000), Mello (2000), Bravo (1998), López (2006) e Lamas (2002), que debatem o tema do duplo e sua inscrição na literatura; Todorov (2008) e Calvino (2004), que estudam as características do discurso fantástico na literatura; e Bosi (2002), Coutinho (1971), Gotlib (1999) e Galvão (1983), que tratam do gênero conto. Nas narrativas de Telles, verifica-se majoritariamente o duplo por fusão, ao passo que em Brandão observa-se exclusivamente o duplo por cisão. A partir do cotejo das obras dos dois escritores, conclui-se que o duplo em Telles apresenta-se como uma possibilidade de encontro com o eu em um passado, numa espécie de retorno a uma unidade original, enquanto em Brandão a busca pelo duplo reflete uma procura do sujeito pelo resgate das potencialidades latentes do eu inibidas pela sociedade. Esse encontro do eu com o outro se efetiva, nas narrativas analisadas, graças às infinitas possibilidades abertas pelo discurso fantástico na literatura. Pode-se afirmar que os dois escritores abordam a difícil tarefa de constituição de uma identidade em um mundo atual instável. Considerando as devidas particularidades, ambos os escritores tentam representar a crise identitária vivenciada pelo homem moderno, segundo a qual o ser duplicado é signo de um eu esfacelado e fragmentado. Assim, o mito do duplo é atualizado no conto brasileiro contemporâneo, adequando-se às exigências do contexto histórico, embora mantenha em sua essência o símbolo da busca da identidade

Duplo. Contos. Literatura fantástica. Telles. Brandão.
Questions related to the identity of self have always drawn the interest and inquietude of studious in the most varied epistemological fields. The myth of the double, understood by Bravo (1998) as an archaic figure, attests both the tradition of this interest and its update in several discourses, finding in the literature a privileged place to its resignification. Taking this fact as reference this research has the purpose of analyzing the configuration which the myth of double assumes in Lygia Fagundes Telles’ and Ignácio de Loyola Brandão’s short stories. It’s a critic and comparative study based on an interpretative paradigm concerning a total of five short stories. From these, three are by the author of “A cacada”, “A mão no ombro” and “O encontro”; and the others by Brandão, “A mão perdida na caixa do correio” e “As cores das bolinhas da morte”. Among the most representative authors on whom this research is based on, it can be mentioned: Campbell (2008), Augras (2008), Eliade (1992, 2007), Armstrong (2005) and Chevalier and Gheerbrant (2009), that work with the mythic and symbolical aspects; Jung (2000), Mello (2000), Bravo (1998), López (2006) and Lamas (2002), that debate the theme of double and its inscription in the literature; Todorov (2008) and Calvino (2004), that study the characteristic of the fantastic discourse in the literature; and Bosi (2002), Coutinho (1971), Gotlib (1999) and Galvão (1983), that deal with the short story genre. In Telles’ short stories, it’s verified mostly the double by fusion, while in Brandão’s it’s observed exclusively the double by fission. From the confrontation of the writer’s short stories, it’s concluded that the double in Telles represents a possibility of encounter with a self in a past time, as a kind of return to an original unity, while in Brandão the seek for the double reflects the subject search for the rescue of the self latent potentialities inhibited by the society. The encounter between the self and the other is achieves, in those narratives, due to the endless possibilities that the fantastic discourse promotes in the literature. It can be assured that both the writers present the difficult task of identity construction in an instable world nowadays. Considering such particularities, both the authors try to represent the crisis of identity experienced by the modern subject, according to which the doubled human being is the sign of a fragmented and unfolded self. Therefore, the myth of the double is updated in the contemporary Brazilian short stories, as a way of adapting to the demands of the historical context, in spite of keeping in its essence the symbol of the identity search.
Double. Fantastic Literature. Telles. Brandão.
1
175
PORTUGUES
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

ESTUDOS DO DISCURSO E DO TEXTO
DISCURSO, MEMÓRIA E IDENTIDADE
Mitos, símbolos e arquétipos da dualidade: um estudo das personagens em contos de João Guimarães Rosa

Banca Examinadora

ANTONIA MARLY MOURA DA SILVA
Sim
Nome Categoria
CHARLES ALBUQUERQUE PONTE Docente
NELSON ELIEZER FERREIRA JUNIOR Participante Externo
JOSE VILIAN MANGUEIRA Docente

Vínculo

Servidor Público
Instituição de Ensino e Pesquisa
Ensino e Pesquisa
Sim