Dados do Trabalhos de Conclusão

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
LETRAS (23002018004P7)
Nas sombras do feminino: entre Nísia Floresta e Maria da Penha
MARIA LIDIANA DIAS DE SOUSA
DISSERTAÇÃO
18/12/2012

A história da mulher no Brasil começa a ser contada a partir da colonização, formada pelo contexto feminino dos colonizadores católicos, herdando, pois, a posição inferior que a sociedade portuguesa relegara às mulheres, vigorando o patriarcalismo, situação que permaneceu até o início do Século XIX. A partir da Revolução Francesa (1789), houve uma mudança, as mulheres passaram a atuar de forma significativa na sociedade, sendo relevantes também no Brasil. O ponto de partida das reivindicações femininas por direitos igualitários foi o livro “Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens” de Nísia Floresta, publicado em 1832 e, considerado uma tradução livre dos escritos de Mary Wollstonecraft, que denuncia a exclusão do gênero feminino. Neste contexto de busca pela igualação do gênero, a lei nº 11.340/06, conhecida como Lei Maria da Penha, foi uma resposta às incansáveis lutas dos movimentos de mulheres, servindo ao combate da banalização da violência doméstica e tratando com mais seriedade esta forma de violência. A presente pesquisa objetiva verificar a situação vivenciada pela mulher brasileira nestes dois momentos: sua posição social na época de Nísia Floresta e a situação vivenciada hoje, com a publicação da Lei Maria da Penha, bem como a existência de um elo social entre estas mulheres. Para a realização do estudo, realizou-se pesquisa teórica comparativa de documentos históricos e seus contextos. Vê-se claramente que a mulher da época de Nísia Floresta era totalmente dependente do sistema patriarcal. Hoje, a situação feminina na sociedade atual é bem diferente, pois existe uma estrutura legal que possibilita seu desenvolvimento social, intelectual e cultural. Entretanto, mesmo passados quase dois séculos, e não estando mais em situação de submissão aos homens, a mulher de hoje ainda está umbilicalmente ligada àquela do século XIX, aturando os resquícios da sociedade patriarcal, lutando contra o preconceito de gênero e negação de sua emancipação.

Feminino. Mulher. Nísia Floresta. Lei Maria da Penha. Gênero e Literatura.
The history of women in Brazil starts to be told from the colonial times, formed by the feminine context of Catholic colonizers, inheriting, thus, the inferior position relegated to women by the Portuguese society, in which patriarchy ruled, situation that remained until the early XIX century. From the French revolution (1789), there came a change, women started to act significantly in society, being also relevant in Brazil. The starting point of female claims for equal rights was the book Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens, by Nísia Floresta, published in 1832 and considered a free translation of Mary Wollstonecraft, who denounces the exclusion of the feminine genre. In this context of search for genre equalization, the Law number 11.340/06, Known as Lei Maria da Penha, was an answer to the tireless struggles by women movements, serving to battle the banality of domestic violence and treating more seriously this form of violence. This study aims at verifying the situation experienced by the Brazilian women in these two distinct moments: their social position at the times of Nísia Floresta and the current situation, with the proclamation of Lei Maria da Penha, as well as the existence of a social link among these women. In order to conduct this research, a comparative theoretical research was performed, as to historical documents and their context. It is clearly seen that the women at the age of Nísia Floresta were completely dependent upon the patriarchal system. Nowadays, the feminine situation is quite different, for there is a legal structure that enables its social, intellectual and cultural development. However, even after almost two centuries, and not standing in a submissive position anymore, contemporary women are still linked to the ones from the XIX century, bearing the remains of the patriarchal society and struggling against genre prejudice and the negation of their emancipation.
Feminine. Women. Nísia Floresta. Lei Maria da Penha. Genre and Literature.
1
101
PORTUGUES
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
O trabalho não possui divulgação autorizada

Contexto

ESTUDOS DO DISCURSO E DO TEXTO
DISCURSO, MEMÓRIA E IDENTIDADE
O espaço reservado ao ensino de literatura em cursos de letras

Banca Examinadora

MARIA EDILEUZA DA COSTA
Sim
Nome Categoria
CHARLES ALBUQUERQUE PONTE Docente
MANOEL FREIRE RODRIGUES Docente
NAELZA DE ARAUJO WANDERLEY Participante Externo

Vínculo

CLT
Outros
Profissional Autônomo
Não