Dados do Projeto de Pesquisa

EDUCAÇÃO, CULTURA E COMUNICAÇÃO (31004016051P0)
Desestabilizar saberes, desestabilizar fazeres:outros modos de pensaragir gênero e sexualidades no cotidiano de escolas de periferias urbanas
01/01/2014
PESQUISA
DESATIVADO
As cenas cotidianas acima evocam questões que são atravessadas por todo um conjunto de disciplinamentos estabelecidos sobre o que é considerado como conhecimento e comportamento hegemônico. A lógica vigente ainda se sustenta na binaridade do que é relativo ao feminino e do que é relativo ao masculino, desconsiderando por completo qualquer forma outra de viver a corporalidade, a sexualidade, o gênero. A postura das docentes representa formas subliminares e, se não explícitas, de ocultamento das diferenças como processos socioculturais e relações de poder instalados nas salas de aula. Por outro lado, podem expressar, nas contradições, formas outras de pensar sobre conhecimentos prontos, tendo em vista que desestabilizam a norma e a lógica do controle. Isto evoca um conjunto de reflexões que nos permitem pensar sobre que significados se inscrevem nestas práticas cotidianas escolares. Daí, derivam outras: que perspectiva tais fatos nos instigam? Quais as normas e disciplinamentos que regem as práticas pedagógicas escolares e inscrevem-se nos currículos? Que significados evidenciam-se nas posturas das educadoras? Como desconstruir e combater lógicas de exclusão da diferença? Que conhecimentos estão se colocando em tensão, a partir destas ações? É possível perceber nos fazeressaberes cotidianos indícios emancipatórios e de emergência de outras formas de conhecimento? Este projeto de pesquisa pretende problematizar a forma com as temáticas sobre as relações entre gênero e sexualidade estão demarcadas nos currículos prescritos e nos currículos pensadospraticados (OLIVEIRA, xxxxx) por professor@s em seus fazeresepensares (FERRAÇO, xxx) de uma escola de periferia, localizada na Baixada Fluminense, procurando identificar como esta temáticas são contempladas e de que forma se apresentam como potentes para descontruir pensamentos e conhecimentos hegemônicos, buscando constituir uma ecologia de saberes como defende Santos (2010) por meio de astúcias e estratégias dos sujeitos que reinventam e criam outros saberes (CERTEAU, 1994). Trata-se de, no bojo do processo de pesquisa, construir um movimento de desobediência espistêmica (MIGNOLO, 2008) rumo a outros vieses epistemológicos. Compreender este processo é essencial para vislumbrarmos seus pontos de contato com perspectiva de desconstruir estereótipos e estigmas que cercam as relações de gênero e a diversidade sexual na escola.

Histórico de Linhas de Pesquisa

Linha de Pesquisa Área de Concentração Data de Início
EDUCAÇÃO, ESCOLA E SEUS SUJEITOS SOCIAIS EDUCAÇÃO, CULTURA E COMUNICAÇÃO EM PERIFERIAS URBANAS 01/01/2014

Equipe

Nome Categoria Início do Vínculo Fim do Vínculo
IVANILDO AMARO DE ARAUJO (Responsável pelo Projeto) Docente 01/01/2014 31/12/2017
TIAGO ALVES PEREIRA Discente - Mestrado 16/07/2014 14/09/2016

Financiadores