Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
GEOTECNIA (53001010032P2)
GEOTECNIA APLICADA À MINERAÇÃO
ENC
36712
2
01/01/2012 à -
Não
Introdução. Atividade mineral: Conceitos Básicos. Tratamentos de Minérios. Mineração no Brasil. Produção e geração de resíduos em mineração. Sistemas de disposição de resíduos de mineração: Critérios e parâmetros de projeto. Condicionantes Geológicas e Geotécnicas. Aspectos Ambientais. Coleta e transporte de rejeitos. Captação e recirculação de água. Disposição de estéreis: Critérios de projetos de pilhas de estéreis. Investigações Geotécnicas e Geológicas. Estudos Hidrológicos e Hidrogeólogicos. Projeto executivo e metodologia construtiva de pilhas. Sistemas de drenagem. Análises de estabilidade. Caracterização tecnológica de rejeitos: Rejeitos arenosos. Rejeitos finos. Amostragem de rejeitos. Ensaios de laboratório. Investigações de campo. Sistemas de disposição de rejeitos: Formas de deposição. Segregação hidráulica. Métodos construtivos. Estabilidade de sistemas de contenção de rejeitos. Instrumentação e monitoramento. Potencial de liquefação de rejeitos: Fluxo em barragens e pilhas de rejeitos. Ordenamento territorial em mineração. Análise de risco. Impactos ambientais. Reabilitação de áreas degradadas e fechamento de minas.
ABNT (1993). Elaboração e apresentação de projeto de disposição de rejeitos de beneficiamento, em barramento, em mineração. NBR130028. Associação Brasileira de Normas Técnicas, São Paulo, SP, 10 p. ABNT (2003). Minérios de ferro – Determinação do teor de ferro total – Método de redução por cloreto de titânio (III). NBR ISO 9507, Associação Brasileira de Normas Técnicas, São Paulo, 11 p. ABNT. (1991). Solo – Determinação do índice de vazios mínimo de solos não-coesivos. MB - 3388, Rio de Janeiro, RJ, 14 p. ABRÃO, P.C. (1987). Sobre a deposição de rejeitos de mineração no Brasil. I Simpósio sobre Barragens de Rejeito e Disposição de Resíduos Industriais e de Mineração, REGEO’87, ABMS/ABGE/CBGB/CE, Rio de Janeiro, RJ, I: 1-10. CEDERGREEN, H. R. (1977). Seepage, drainage and flow nets. Jonh Wiley & Sons, New York. DANIEL, D. E. (1994). State of the art: laboratory hydraulic conductivity tests for satured soils. ASTM/STP 1142, Philadelphia, 30-78. FREEZE, R. A. e CHERRY, J. A. (1978). Groundwater. Prentice Hall, 604 p.,London, U.K. HEAD, K.H. (1984). Manual of Soil Laboratory Testing. Pentech Press, London, UK, 3 vols. ICOLD (1989). Tailings Dams Safety. Guidelines. KLOHN, E. J. (1981). The development of current tailing dam design and construction methods. Design and Construction of Tailing Dams. D. Wilson (ed.), Colorado School of Mines, Golden, USA. MITTAL H. K. & MORGENSTERN, N. R. (1975). Parameters for design of tailings dam. Canadian Geotechnical Journal, Edmonton, Canada, vol. 12 pp. 235-261. MITTAL H. K. & MORGENSTERN, N. R. (1976). Seepage control in tailings dams. Canadian Geotechnical Journal, Edmonton, Canada, vol. 13, pp. 277-293. MORETTI, M.R. & CRUZ, P.T. (1996). Aterros hidráulicos e sua aplicação na construção de barragens. 100 Barragens Brasileiras: Casos Históricos, Materiais de Construção e Projeto, P.T. Cruz, (ed.), Oficina das Letras, São Paulo, SP, pp. 556-591. MORGENSTERN, N.R. & KÜPPER, A.M.A.G. (1988). Hydraulic fill structures - A perspective. Hydraulic Fill Structures, ASCE, Geotech Special Publication no 21, D. J. A. Van Zyl & S. G. Vick (eds.), pp. 1-31. SHERARD, J.L.; WOODWARD, R.J.; GIZIENSKI, S.F. & CLEVENGER, W.A. (1963). Earth and Earth-rock Dams. John Wiley and Sons, New York. VALENZUELA, L. (1999). Geotechnical engineering in mining: An important challenge. XI Pan-American Conference on Soil Mechanics and Geotechnical Engineering, Foz do Iguaçu, Brasil, pp. 1121-1128 VICK, S. G. (1983). Planning, Design and Analysis of Tailings Dams. Wiley Int., New York.

Cursos

GEOTECNIA
Doutorado
30
GEOTECNIA
Mestrado
30

Áreas de Concentração

GEOTECNIA