Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
MODERNISMO, FORMALISMO E TRADIÇÃO NA LÌRICA BRASILEIRA
FLC
6152
8
01/01/2012 à -
Não
Objetivos: A disciplina se propõe a discutir um momento de crise da modernidade em contexto brasileiro, flagrada a partir de um gênero que é considerado o próprio paradigma do moderno (Wolfgang Iser): a lírica. Esse crise é articulada com a retomada ou a reposição de certas convenções tradicionais de modo a fazer frente às principais reivindicações da modernidade lírica. Trata-se, em suma, do exame de certa tendência formalista, de feição pré-moderna ou pré-modernista (neoclássica, neoparnasiana ou neo-simbolista), sobretudo, da poesia brasileira do imediato pós-guerra, verificada tanto na lírica dos grandes nomes do alto modernismo (Carlos Drummond de Andrade, Jorge de Lima, Murilo Mendes...), quanto na dos novos poetas de então, agrupados sob a denominação comum de geração de 45, dada por um de seus líderes. O programa busca retomar, de modo mais sistemático, as linhas gerais dessa tendência, tendo em vista o que foi apontado de forma dispersa pela crítica e pela historiografia literárias, para esboçar uma hipótese de trabalho a ser testada no exame de uma amostragem de poemas representativos da época. A disciplina revela sua franca vocação histórico-crítica ao buscar não só configurar e sistematizar uma tendência marcante em um período histórico delimitado, mas também examinar mais detidamente uma amostra emblemática, levando em consideração a especificidade do projeto poético de cada um dos nomes representativos de tal tendência Justificativa: Embora obras como Claro enigma, Siciliana e Livro dos sonetos tenham sido objetos de estudos detidos, muito dos quais magistrais, poucas vezes se buscou examiná-las em confronto, como parte de uma tendência de época, num recorte de tempo que vai de 1945 a 1955 ou poucos mais. Muito raramente, também, tal tendência foi lida à luz de um debate mais amplo sobre a crise da modernidade lírica. Outras obras do período desses grandes modernistas não tiveram sequer o destino dos livros citados, mesmo em termos de recepção crítica isolada. Basta pensar na carência de estudos sobre obras como Fazendeiro do ar, A vida passada a limpo e Sonetos brancos (ou mesmo Contemplação de Ouro Preto), todas inscritas dentro da mesma tendência, guardadas as peculiaridades de suas poéticas particulares. Se isso ocorreu com os grandes modernistas, que dirá então com a sempre execrada geração de 45, geralmente descartada em bloco inclusive por aqueles que o fazem sem conhecimento de causa... Não se trata, entretanto, aqui de buscar reabilitar (conceito discutível, mas caro a certos modelos historiográficos) tal geração, que de fato compreende um conjunto de obras muito medianas, para não dizer medíocres (no sentido etimológico do termo), mas sim de dirigir um olhar mais atento a uma amostra representativa dos poetas que a integram e buscar entendê-la dentro de um quadro de referências de época, de modo a indagar como uma tendência mais ou menos afim, que implicou o recuo ou a reposição de certos procedimentos pré-modernos (ou pré-modernistas), resultou num movimento mais convencional, estetizante ou mesmo regressivo em alguns casos e, em outros, representou o ápice de uma trajetória poética. Interessa, além disso, problematizar, até certo ponto, as designações com que a crítica e a historiografia tradicionalmente tenderam a rotular tal tendência, empregando termos distintos (muito dos quais neologismos) como reclassicização, neoclassicismo, retradicionalização, neoparnasianismo, neo-simbolismo... Por fim, importa esclarecer que as relações entre lírica, história e sociedade constituem o horizonte da reflexão crítica que orienta as abordagens propostas por esta disciplina. Conteúdo: 1- Apresentação da proposta e dos objetivos da disciplina; delimitação dos tópicos do programa e do cronograma de leituras obrigatórias. Breve histórico do problema ou da questão abordada pelo curso. 2- Introdução histórica e teórico-crítica aos conceitos centrais da disciplina: tradição, retorno à ordem, anacronismo e estilo tardio ou estilo da maturidade, nostos... 3- Carlos Drummond de Andrade: aspectos da lírica social dos anos 1940 e da transição para a lírica do pós-guerra. 4- Carlos Drummond de Andrade: a prosa de Passeios na ilha (1952) e o contexto da reclassicização. 5- Carlos Drummond de Andrade: Claro enigma (1951) 6- Modernistas classicizados: Jorge de Lima 7- Modernistas classicizados: Murilo Mendes 8-A emergência dos novíssimos e o perfil de uma geração: o programa da geração de 45, suas matrizes e a relação entre modernidade e tradição 9-O formalismo e o neoclassicismo do pós-guerra e a crítica do período: Sérgio Buarque de Holanda 10- Poéticas em confronto: a apropriação do legado clássico pelos modernistas classicizados e pelos poetas de 45. 11- Figurações do poeta: das mitologias pessoais à construção convencional da imagem do poeta pelos modernistas classicizados e pela geração de 45. 12- De volta a Drummond: a transição de A vida passada a limpo (1959) Obs. Excepcionalmente, conforme o andamento do curso e havendo tempo hábil, a disciplina poderá contemplar nesse contexto a emergência da poesia de João Cabral (em particular O engenheiro (1945)).
Bibliografia: ADORNO, T. W. et al. Textos Escolhidos (trad. José Lino Grennewald et al.). São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Col. Os pensadores). ______. “Sartre e Brecht, Engajamento na Literatura”. Cadernos de Opinião nº. 2. Rio de Janeiro: Inúbia, s/d: pp. 28-37. ______. Notes sur la Litterature (trad. Sybille Muller). Paris: Flammarion, 1984. ______. Teoria Estética (trad. Artur Morão). São Paulo: Martins Fontes, 1988. ANDRADE, Mário de. Aspectos da Literatura Brasileira. São Paulo: Martins, s/d.______. O empalhador de passarinho. Belo Horizonte: Itatiaia, s/d. BENJAMIN, W. Obras Escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985-87, 3v. BÉNICHOU, Paul. L’écrivain et ses traveaux. Paris: José Corti, 1967. BOSI, Alfredo. O Ser e o Tempo da Poesia. São Paulo: Cultrix. S/d. BOURDIEU, P. As Regras da Arte. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. CARPEAUX, O. M. Ensaios Reunidos (1942-1978). Rio de Janeiro: Topbooks/UniverCidade Ed., 1999, v1. CAMILO, Vagner Drummond: da Rosa do Povo à Rosa ds Trevas. Ateliê Ed./ANPOLL, 2005 (2ª. ed.). ______. “No atoleiro da indecisão: Brejo das Almas e as polarizações ideológicas nos anos 30” (versão ampliada de “Uma poética da indecisão: Brejo das almas”. Novos Estudos CEBRAP nº. 57. São Paulo, jul 2000, pp.37-58; e “O legado do fazendeiro do ar”. Reportagem ano IV, nº. 38. São Paulo, nov 2002, pp. 36-37. ______. “A Cartografia Lírico-Social de Sentimento do Mundo”. Revista USP. nº. 54. São Paulo, jun-jul-ago 2002. CHAMBERS, Ross. Mélancolie et Oposition: les Débuts du Modernisme en France. Paris: José Corti, 1987. CIANCI, G. e HARDING, J. (orgs.). T.S.Eliot and the concept of tradition. Cambridge: Cambridge UP, 2007. COMPAGNON, Antoine. Baudelaire devant l´innombrable. Paris: Presses de l´Université Paris-Sorbonne, 2003. ______. Os Antimodernos de Joseph de Maistre e Roland Barthes" de Joseph de Maistre e Roland Barthes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011. DIDI-HUBERMAN Georges. Devant le temps: Histoire de l’art et anachronisme des images. Paris: Minuit, 2000.EASTHOPE, Anthony. Poetry as discourse. London/New York: Methuen, 1983. EAVES, Morris. “Romantic Expressive Theory and Blake´s Idea of Audience”. PMLA nº 5, oct 1980, vol. 95. ELIOT, T. S. De Poesia e Poetas. São Paulo: Brasiliense, 1985. GÉNETIOT, A. Le classicisme. Paris: PUF, 2005. GINZBURG, C. Relações de força. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. HASSAN, I. The dismemberment of Orpheus. Madison: The Wisconsin UP, 1982. HIGHET, G. La tradicion clasica. Mexico: Fondo de Cultura, 1986, 2v. HOSEK, Chaviva &.PARKER, Patricia (eds.). Lyric Poetry: Beyond New Criticism. Ithaca, NY: Cornell UP, 1985. JEFFREYS, Mark (ed.). New definitions of Lyric: theory, technology, and culture. NewYork & London: Wellesley Studies in Critical Theory, Literary History, and Culture. Garland Publishing, Inc. JOHNSON, W. R. The idea of lyric: lyric modes in ancient and moderns poetry. Berkeley/Los Angeles/London: California UP, 1982. KRISTEVA, Julia. La révolution du langage poétique. Paris: Seuil, 1974. LEPENIES, W. As três culturas. São Paulo: EDUSP, 1996. MCGANN, Jerome. "The Text, the Poem, and the Problem of Historical Method." New Literary History 12 no. 2 (1981): 269-288. MERQUIOR, José G. Razão do Poema. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1965. ______. A Astúcia da Mimese : ensaios sobre a lírica. Rio de Janeiro: Topbook, 1997. MOUNIN, Georges. Poesía y sociedad. Buenos Aires: Ed. Nova, 1964. OEHLER, Dolph. “Art Névrose: análise sócio-psicológica do fracasso da Revolução em Flaubert e Baudelaire”. In: Novos Estudos Cebrap, n0. 32. São Paulo, mar. 1992: 99-110. ______. Quadros Parisienses: Estética Antiburguesa. 1830-1848 (trads. José Marcos Macedo e Samuel Titan Jr.). São Paulo: Companhia das Letras, 1997. ______. Le Spleen Contre l’Oubli. Juin 1848. Baudelaire, Flaubert, Heine, Herzen. Trad. Guy Petitdemange). Paris: Payot, 1996. (Trad. Bras. O velho mundo desce aos infernos. São Paulo: Companhia das Letras). PAANANEN, Victor N.(ed.). British Marxist Criticism. New York & London: Garland Pub., Inc., 2000. PERL, Jeffrey M. The tradition of return. New Jersey: Princeton UP, 1984. SARTRE, Jean-Paul. O que é literatura? São Paulo: Ática, 1993. ______. Mallarmé: la lucidité et sa face d´ombre. Paris: Gallimard, 1986. RABATÉ, D. Le sujet lyrique en question. Modernité 8. Bourdeaux: Presses Universitaires de Bourdeaux. SILVER, K. Vers le retour à l'ordre. Paris: Flammarion, 1992. SIMON, Iumna Maria, “Esteticismo e participação”, In: Pizarro, Ana (org.). América Latina: palavra, literatura e cultura. São Paulo: Memorial; Campinas: Ed. Unicamp, 1993, v3. _____. Drummond: uma poética do risco. São Paulo: Ática, 1978. WEISKEL, T. O sublime romântico. Rio de Janeiro: Imago, 1994. WILLIAMS, Raymond. Cultura e Sociedade. São Paulo: Ed. Nacional, 1969. WOLOSKY, Shira. The art of poetry: how to read a poem. Oxford: Oxford UP, 2001.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA