Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
LITERATURA, HISTÓRIA E NAÇÃO NA PASSAGEM DOS SÉCULOS XIX-XX
FLC
6091
8
01/01/2012 à -
Não
Objetivos: A disciplina visa o estudo dos impasses da constituição de um campo literário no Rio de Janeiro do início da República, a partir de autores fundamentais das letras e do pensamento desse período e de seus escritos, especialmente três obras: Um Estadista do Império (1898-99), de Joaquim Nabuco, Os sertões (1902), de Euclides da Cunha, e D. João VI no Brasil (1908), de Oliveira Lima. Tais livros, em um momento de propostas de modernização político-social, forjam o discurso historiográfico e ensaístico de pretensões literárias para representar a Nação. Justificativa: O período que se extende da crise do Romantismo, na década de 1870, à eclosão do Modernismo, em 1922, tem sido subestimado pela crítica e historiografia literárias, ora em função das vitórias estéticas do século XX, ora pelas dificuldades em analisar a variedade de suas tendências. Em lugar de validar a artificialidade de uma classificação como “Pré-modernismo”, torna-se fundamental compreender como nesse meio século, do fim do Império à consolidação da República, os conflitos entre tradição e inovação conformaram os primeiros passos da autonomização de um campo literário. Nesse processo, a historiografia e o ensaio cobram fôlego, a meio caminho das belas-letras e da institucionalização como ciência, como gêneros privilegiados para a representação desse conturbado e incerto momento. Joaquim Nabuco, Euclides da Cunha e Oliveira Lima podem ser considerados seus protagonistas tanto por estarem intimamente envolvidos com a vida literária na passagem dos séculos XIX-XX, quanto por terem se dedicado a obras de fôlego e de impacto a respeito da nação. Conteúdo: 1- A crítica e a historiografia sobre a passagem dos séculos XIX-XX; 2- Rio de Janeiro: encruzilhada política e literária; 3- A Revista Brasileira e a constituição da Academia Brasileira de Letras; 4- Diplomacia e viagens: entre a atração pelo mundo e o sertão/ Amazônia; 5- Jornalistas: a crônica, o artigo e o compromentimento; 6-7: Um Estadista do Império e Minha Formação: as biografias da nação; 8-9: Os sertões: a nação dividida; 10-11: D. João VI no Brasil: o nascimento da nação; 12- José Veríssimo crítico de Nabuco, Euclides e Oliveira Lima. Forma de Avaliação: Seminários e monografia final.
ABREU, Regina. O enigma de Os Sertões. Rio de Janeiro: Funarte: Rocco, 1998. ALONSO, Angela. Idéias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002. _____ Joaquim Nabuco: os salões e as ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. AMORY, Frederic. Euclides da Cunha: uma Odisseia nos Trópicos.Cotia, SP: Ateliê Editora, 2009. ARANHA, Graça, org. Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência. 3ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003. BARBOSA, João Alexandre. A tradição do impasse. Linguagem da crítica & crítica da linguagem em José Veríssimo. São Paulo: Ática, 1977. BERNUCCI, Leopoldo M. A imitação dos sentidos: prógonos, contemporâneos e epígonos de Euclides da Cunha. São Paulo: EDUSP, 1995. _____ org. Discurso, ciência e controvérsia. São Paulo: EDUSP, 2008. BOSI, Alfredo. O Pré-modernismo. São Paulo: Cultrix, 1966. _____ Joaquim Nabuco, o ícone do novo liberalismo In Ideologia e contraideologia: temas e variações. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e Estrutura do Campo Literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. _____ A economia das trocas simbólicas. 6ª ed. Introdução, organização e seleção de Sérgio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 2007. BROCA, Brito. A vida literária no Brasil, 1900. 4ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005. CARONE, Edgar. A República Velha – Instituições e classes sociais. 3ª ed. São Paulo: Difel, 1970. _____ A República Velha – Evolução Política. 3ª ed. São Paulo: Difel, 1971. _____ A Primeira República: 1889-1930 (Texto e contexto). 3a ed. São Paulo: Difel, 1976. CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. _____ A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. _____ Brasil 1870-1914: a força da tradição In Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005. CUNHA, Euclides da. Um paraíso perdido: ensaios, estudos e pronunciamentos sobre a Amazônia. Edição de Leandro Tocantins. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994. _____ Obra completa. 2 volumes. Edição de Afrânio Coutinho. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995. _____ Diário de uma expedição. Edição de Walnice Nogueira Galvão. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. _____ Os sertões (campanha de Canudos). Edição de Leopoldo M. Bernucci. São Paulo: Ateliê Editorial, Imprensa Oficial do Estado, Arquivo do Estado, 2001. _____ Poesia reunida. Edição de Leopoldo M. Bernucci e Francisco Foot Hardman. São Paulo: Editora UNESP, 2009. DIMAS, Antonio. Tempos eufóricos: análise da revista Kosmos. São Paulo: Ática, 1983. EULALIO, Alexandre. O ensaio literário no Brasil In Escritos. Berta Waldman e Luiz Dantas, orgs. Campinas, SP: Editora da UNICAMP; São Paulo: Editora da UNESP, 1992. FACIOLI, Valentim e NASCIMENTO, José Leonardo do Nascimento, org. Juízos críticos: Os sertões e os olhares de sua época. São Paulo: Nankin Editorial: Editora UNESP, 2003. FAUSTO, Boris, org. História geral da civilização brasileira. v. 8. Período republicano. Estrutura do poder e economia (1889-1930). 6ª ed. São Paulo: Bertrand, 2006. _____ História geral da civilização brasileira. v. 9. Período republicano. Sociedade e instituições (1889-1930). 6ª ed. São Paulo: Bertrand, 2006. FREYRE, Gilberto. Ordem e progresso. 6ª ed. Sao Paulo: Global, 2004. GALVÃO, Walnice Nogueira. No calor da hora. A Guerra de Canudos nos jornais. 4ª expedição. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1994. _____ e GALOTTI, Oswaldo, orgs. Correspondência de Euclides da Cunha. São Paulo: EDUSP, 1997. _____ Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. GAY, Peter. O estilo na História: Gibblon, Ranke, Macaulay, Burckhardt. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. GOMES, Ângela de Castro, org. Em família: a correspondência de Oliveira Lima e Gilberto Freyre. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2005. _____ A República, a História e o IHGB. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009. _____ Rascunhos de história imediata: De monarquias e republicanos em um triângulo de cartas. Remate de Males, Campinas, SP, v. 24, n. 2, nov. 2012. GOUVEA, Fernando da Cruz. Oliveira Lima: uma biografia. 2 volumes. 2ª ed. Recife: CEPE, 2002. HARDMAN, Francisco Foot. A vingança da Hileia: a Amazônia e a literatura moderna. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios. 1875-1914. 13ª ed. Trad. Siene Maria Campos e Yolanda Stidel de Toledo. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2009. _____ Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. 5ª ed. Trad. Maria Celia Paoli e Anna Maria Quirino. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008. LIMA, Luiz Costa. Terra ignota: a construção de Os Sertões. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997. _____ Intervenções. São Paulo: EDUSP, 2002 (ensaios “Nabuco: trauma e crítica”, “Os Sertões: ciência ou literatura” e “O D. João de Oliveira Lima”). _____ História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras: 2006. LIMA, Manuel de Oliveira. Nos Estados Unidos. Impressões políticas e sociais. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2009. _____ Na Argentina. Impressões de 1918-19. São Paulo: Weisflog Irmãos, 1920. _____ Impressões da América Espanhola (1904-1916). Edição de Manoel da Silveira Cardozo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1953. _____ Obra seleta. Edição de Barbosa Lima Sobrinho. Rio de Janeiro: INL, 1971. _____ Ensaios literários. Edição de Barbosa Lima Sobrinho. Rio de Janeiro: ABL, 1975. _____ No Japão. Impressões da terra e da gente. 3ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997. _____ D. João VI no Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006. MACHADO NETO, A. L. Estrutura social da República das Letras. Sociologia da vida intelectual brasileira (1870-1930). São Paulo: Grijalbo, EDUSP, 1973. MALATIAN, Teresa. Oliveira Lima e a construção da nacionalidade. Bauru: EDUSC; São Paulo: FAPESP, 2001. MARTINS, Eduardo Vieira. Nabuco e Alencar. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, , v. 19, n. 2, p. 15-32, dez. 2010. MARTINS, Estevão de Rezende, org. A História pensada: teoria e método na historiografia européia do Século XIX. São Paulo: Contexto, 2010. MATOS, Olgária. A História. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2011. MICELI, Sérgio. Poder, sexo e letras na República Velha (estudo clínico dos anatolianos) In Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. MINÉ, Elza. Perfis de Nabuco em textos inéditos de Jaime Batalha Reis e Manuel de Oliveira Lima. Via Atlântica. n. 3, pp. 297-311, 1999. NABUCO, Joaquim. Escritos e discursos literários. L’opition. São Paulo: Instituto Editorial Progresso, 1949. _____ Cartas a amigos. 2 volumes. Edição de Carolina Nabuco. São Paulo: Instituto Editorial Progresso, 1949. _____ Um Estadista do Império. 2 volumes. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997. _____ Minha formação. 14ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999. _____ Diários. Edição de Evaldo Cabral de Mello. Rio de Janeiro: Bem-Te-Vi, 2006. _____ Essencial. Evado Cabral de Mello, org. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2010. NEEDELL, Jeffrey D. Belle Époque Tropical. Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Trad. Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. NOGUEIRA, Marco Aurélio. O encontro de Joaquim Nabuco com a política: as desventuras do liberalismo. 2ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010. PRADO, Antonio Arnoni. Um paladino da monarquia na imprensa republicana. Remate de Males. Campinas, n. 24, pp. 33-50, 2004. SALLES, Ricardo. Joaquim Nabuco: um pensador do Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002. SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão. Tensões culturais e criação cultural na Primeira República. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1995. VENTURA, Roberto. Estilo tropical. História cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. VERÍSSIMO, José. Um historiador político In Estudos de literatura brasileira. 1ª série. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1976, p. 99-114. _____ Os penúltimos anos do Império In Estudos de literatura brasileira. 2ª série. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1977, p. 133-139. _____ O Sr. Joaquim Nabuco. A propósito de seu livro Minha formação In Estudos de literatura brasileira. 3ª série. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1977, p. 89-97. _____ A Campanha de Canudos. Pelo Sr. Euclides da Cunha In Estudos de literatura brasileira. 5ª série. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1977, p. 45-53. _____ D. João VI e o Brasil In Estudos de literatura brasileira. 7ª série. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1979, p. 79-87. WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. Trad. José Laurêncio de Melo. 2ª ed. São Paulo: EDUSP, 2008.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA