Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE (31001017106P0)
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE II - TENDÊNCIAS
NUT
766
4
01/01/2012 à -
Não
A Educação em Ciências e Saúde como campo de investigação: temáticas, perspectivas e tendências. Relações entre a pesquisa em Educação em Ciências e Saúde e a Educação em Ciências e Saúde.
SANTOS, W L P e MORTIMER, E F (2000). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, vol.2, n.2, 133-162. CANESQUI A.M. (2016), Reflexões sobre os conceitos de saúde e doença e suas implicações...Physis - Revista de Saúde Coletiva [en linea] Rio de Janeiro, 26 [ 1 ]: 369-372, 2016 [Resenha do livro: CZERESNIA, D.; MACIEL, E.M.G.S.; OVIEDO, R.A.M. (Org.). Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2013] BRANQUINHO, F. Contribuição da Antropologia da Ciência à Educação em Ciência, Ambiente e Saúde (anped) FAYERABEND, Paul « Cómo defender a la sociedad de la ciencia », Polis [En línea], 1 | 2001, Publicado el 29 noviembre 2012, consultado el 05 agosto 2016. URL : http://polis.revues.org/8230 ZIONI, F; WESTPHAL, MF. "O enfoque dos determinantes sociais de saúde sob o ponto de vista da teoria social." Saúde e Sociedade16.3 (2007): 26-34. CANGUILHEM G. Canguilhem y el estatuto epistemológico del concepto de salud. História, Ciências, Saúde—Manguinhos. 1997 Jul;4(2):287-307. VERMELHO, C. ; SOUZA, M. M. M. .; FIGUEIREDO, GO Análise da produção da linha temática Educação em Saúde nos Encontros Nacionais de Pesquisa em Educação em Ciências.. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015, Águas de Lindóia. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências,2015. X ENPEC. Rio de Janeiro: ABRAPEC, 2015. v. 1. p. 1-12. PAIM J, TRAVASSOS C, ALMEIDA C, BAHIA L, MACINKO J. Saúde no Brasil 1 O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Veja. 2012;6736(11):60054-8. RAMOS CR, DA SILVA JA. A emergência da área de Ensino de Ciências e Matemática da CAPES enquanto comunidade científica: um estudo documental. Investigações em Ensino de Ciências. 2016 Jun 3;19(2):363-80 BOURDIEU (1989) A genesis dos conceitos de habitus e de campo in: O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil. (Capitulo III p.59-74) CONTANDRIOPOULOS, ANDRÉ-PIERRE. "La salud entre las ciencias de la vida y las ciencias sociales." Cuad Med Soc 77 (1999): 19-33. CAMPOS GW, BEDRIKOW R, AMORIM SANTOS J, VIDAL TERRA LS, AZEVEDO FERNANDES J, TONACO BORGES F. Direito à saúde: o Sistema Único de Saúde (SUS) está em risco?. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2016 Jan 1;20(56). FRANCELIN MM. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Ci. Inf., Brasília. 2004 Sep;33(3):26-34. LEMKE, J. L. (1990) Talking science : language, learning, and values / Jay L. Lemke. p. cm. (Language and educational processes) Includes bibliographical references. ISBN 0-89391-565-3. Ablex Publishing Corporation, New Jersey. (Páginas 1-25) FIGUEIREDO, GO. Investigación Acción Participativa: una alternativa para la epistemología social en Latinoamérica. in Latin America. Revista de Investigación (Caracas), v. 39, p. 255-285, 2015. KUHN, THOMAS. Estrutura das Revoluções Científicas. "Editora Perspectiva." São Paulo (2000). (Pg.19-28; 67-76;125-182. BRANQUINHO, FTB; SANTOS, JS (2007). Antropologia da Ciência, Educação Ambiental e Agenda 21 Local, educação e realidade, v. 32,(1), p. 109-122 MASSON G, MAINARDES J. A ideologia da sociedade do conhecimento e suas implicações para a educação. Currículo sem fronteiras. 2011 Jul;11(2):70-85. DONDA, CS .Bioética, derechos humanos y ciudadanía Bioethics. Revista Brasileira de Bioética 2008;4(1-2):9-23 SISSON, D. A educação inclusiva e a Ética da Libertação de Paulo Freire. Revista Brasileira de Bioética 2009;5 (1-4):48-62 AMORIM FV. O quê e como ensinar, hoje? Breve ensaio sobre a ética e a epistemologia do ensino a partir da perspectiva de Paulo Freire. Revista Espaço Acadêmico. 2014 Nov 24;14(164):26-34. CALDERÓN AI, GOMES CF, BORGES R. Responsabilidade social da educação superior: mapeamento e tendências temáticas da produção científica brasileira (1990-2011). Revista Brasileira de Educação. 2016 Sep;21(66):653-79. SÁ, MB. Entre o governo dos outros e o governo de si: uma análise foucaultiana da liberdade e suas práticas em vídeos educativos do Nutes/ UFRJ. Rio de Janeiro, 2011. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Saúde) – Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. (Pagina 21 a 65) HENRY GIROUX; PETER MCLAREN (1986) Teacher Education and the Politics of Engagement: The Case for Democratic Schooling. Harvard Educational Review: September 1986, Vol. 56, No. 3, pp. 213-239. VASCONCELOS, E. M. Educação popular como instrumento de reorientação das estratégias de controle das doenças infecciosas e parasitárias. Cad. Saúde Pública, 1998, vol.14 supl.2, p. 39-57. (http://www.scielo.br/pdf/csp/v14s2/1324.pdf) CANDEIAS, N. M. F. & MARCONDES, R. S. Diagnóstico em educação em saúde: um modelo para analisar as relações entre atitudes e práticas na área da saúde pública. Rev. Saúde Públ., S. Paulo, 13:63-8, 1979. (www.scielo.br/pdf/rsp/v13n2/02.pdf) MELO, J. A. Educação e Saúde: dimensões da vida e da existência humana. In: AMÂNCIO FILHO, A. (org). Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1997. p. 65-69. MINAYO MC, HARTZ ZM, BUSS PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc saúde coletiva. 2000 Jan;5(1):7-18. CNDSS (2008) . As Causas da Iniquidade em Saúde no Brasiil. Relatorio Final da Comissao Nacional de Determinantes Soiais em Saúde. Brasilia.(Pg 10-51 e 181-202) Czeresnia, Dina. "O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção." Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências 3 (2003): 39-54. SIQUEIRA VH, DE FÁTIMA ROCHA GW. A construção de diferenças de gênero entre estudantes de medicina. cadernos pagu. 2016 Apr 7(30):231-68. Siqueira VH, Fonseca MC, Sá MB, Lima AC. Construções identitárias de estudantes de farmácia no trote universitário: questões de gênero e sexualidade. Pro-Posições [Internet]. 2012;23(2):145-59. SACAVINO, SUSANA, AND VERA MARIA CANDAU. "Derechos humanos, educación, interculturalidad: construyendo prácticas pedagógicas para la paz." está indexada en (2014): 205. CANDAU VM. " FORCE-IDEAS" IN BOAVENTURA SOUSA SANTOS'THINKING AND INTERCULTURAL EDUCATION. Educação em Revista. 2016 Mar;32(1):15-34. APPLE MW. Expandindo a dinâmica do poder: Freire e a política racial na educação. Revista Científica e-Curriculum. 2016 Apr 12;14(1):277-95. BUTLER J. Repensar la vulnerabilidad y la resistencia. InXV Simposio de la Asociación Internacional de Filósofas (IAPh). Madrid 2014 Jun (pp. 24-27). LEMKE, J. L. (1990) Talking science : language, learning, and values / Jay L. Lemke. p. cm. (Language and educational processes) . New Jersey: Ablex Publishing Corporation. (Páginas 167 a 182) LAUGKSCH, R. C. (2000) Scientific literacy: a conceptual overview. Science Education, vol. 84, No.1, pp.71-94. MARTINS I, OGBORN J E KRESS G (1999) Explicando uma explicação. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, vol. 1, n. 1, pp.29-46 (http://www.fae.ufmg.br/ensaio/v1_n1/1_2.pdf) LIRA E TEIXEIRA (2013) A linguagem, o discurso e a interação como elementos constituintes da explicação IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC Águas de Lindóia, SP – 10 a 14 de Novembro de 2013 AUTHIER-REVUZ J. Dialogismo e divulgação científica. RUA. 2015 Oct 7;5(1):9-16. OLIVEIRA MV, TRINDADE GS, FILGUEIRA DM. Uma discussão acerca do que é fazer ciência: algumas considerações sobre comunicação e divulgação científica para a promoção da saúde. VITTALLE-Revista de Ciências da Saúde. 2015 Jul 6;24(2):53-62. MOREIRA AF, SILVA-JÚNIOR PM. Currículo, Transgressão e Diálogo: quando Outras Possibilidades se Tornam Necessárias. Revista Tempos e Espaços em Educação. 2016;9(18):45-54. LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação, v. 1, n. 26, p. 109-118, 2004 LAMPERT, J. B. (2000) Currículo de Graduação e o Contexto da Formação do Médico. Revista Brasileira de Educação Médica, v .24, nº 3, 7-19. CANDAU VM, LEITE MS. A didática na perspectiva multi/intercultural em ação: construindo uma proposta. Cadernos de Pesquisa. 2013 Jun 21;37(132):731-58. CASTANHO, M.E. (2002) Professores de Ensino Superior da área da Saúde e sua prática pedagógica, Interface Comunic, Saúde, Educ, v.6, n.10, p.51-62. FIGUEIREDO, GO Educação, Política e ideologia: estudos do currículo na educação superior em saúde In: Nunes, TC; Almeida-Filho, N (orgs). A Educação e a Saúde: convergências Brasil e Portugal. Salvador: Editora UFBA, 2016.(No prelo) AMEM, B. M. V.; NUNES, L. C. Tecnologias de Informação e Comunicação: contribuições para o processo interdisciplinar no Ensino Superior, Revista Brasileira de Educação Médica, Rio De Janeiro, V.29, Nº 1, 171-180. SILVA JF, SILVA LD. Inclusão do computador e do celular como recursos de tecnologias de informação–tic’s, na educação básica. InII Seminário do GEPALE: Do direito à educação: pressupostos políticos e perspectivas atuais 2016 Jan 21. SIQUEIRA, V. H. F. (1998) O vídeo educativo produzido pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde/UFRJ: uma visão crítica. Revista Brasileira de Educação Médica, 22: 77-82. REZENDE-FILHO, LAC, et al. "Contribuições dos estudos de recepção audiovisual para a educação em ciências e saúde." Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia 8.2 (2015): 143-161. STRUCHINER, Miriam ; GIANNELLA, Taís Rabetti; RAMOS, Paula; A pesquisa baseada em design em artigos científicos sobre o uso de ambientes de aprendizagem mediados pelas tecnologias da informação e da comunicação no ensino de ciências. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 77-102, maio 2010. CORTEZ EA, CORDEIRO DAS NEVES SILVA A, DOS SANTOS AM, BC. Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2015 Apr 1;20(4). DOS SANTOS RM, SELLES SL. Políticas de Currículo e Sistema de Avaliação Externa: Disputas Pela Autonomia Docente. movimento-revista de educação. 2016 Sep 8(4). GUEDES MD; MURANAKA, MF, ARAGÃO JEO (2016). "Políticas de avaliação da educação superior no Brasil de FHC a Lula: uma análise crítica dos seus pressupostos e fundamentos. Revista de Ciências da Educação, v1(34), p. 103-122. RELATÓRIO DO 3 o SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO Dias 7 a 9 de maio de 2014, Local: CAPES-Brasília/DF Relatorio Sucupira PPGECS/Nutes GIMENES N. Tendências da avaliação da aprendizagem em sala de aula. Estudos Avaliação Educacional. 2015, 29;26(63):564-6. DALBEN A; ALMEIDA LC. (2015) "Para uma avaliação de larga escala multidimensional." Estudos em Avaliação Educacional 26 (61), p.12-28. OLIVEIRA DA. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade. 2004 Sep;25(89):1127-44. SOUSA-SANTOS, Boaventura. La izquierda del futuro: una sociología de las emergencias. In: ANDERSON, P., GENTILI, ET AL (Orgs) Golpe en Brasil : genealogía de una farsa Buenos Aires : CLACSO ; Buenos Aires: Fundación Octubre ; Buenos Aires : UMET, Universidad Metropolitana para la Educación y el Trabajo, 2016. (p.203-212) CUNHA VG, MARCONDES MI, LEITE VF. Formação da identidade do professor no cenário das políticas locais de centralização curricular: Limites e possibilidades. Revista Científica e-Curriculum. 2015 Dec 28;13(4):683-710. ALMEIDA C, Pires de Campos R, Buss P, Ferreira JR, Fonseca LE. Brazil’s conception of South-South ―structural cooperation‖ in health. RECIIS Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde. 2010;4:23-32. TELLO C. O Campo teórico da política educacional: modelos, abordagens e objetos de estudo. Revista de Ciências Humanas-Educação. 2015 Oct 6;16(26):140-58. VILLALOBOS C, QUARESMA ML. Sistema escolar chileno: características y consecuencias de un modelo orientado al mercado. Convergencia Revista de Ciencias Sociales. 2015 Aug 27;22(69). AGUIAR Jr, O. (2001) Mudanças conceituais (ou cognitivas) na educação em ciências: revisão crítica e novas direções para a pesquisa, Ensaio: pesquisa em educação em ciências, vol.3, No. 1. WARDE M. O papel da pesquisa na pós-graduação em educação. Cadernos de pesquisa. 2013 Aug 5(73):67-75. MARTINS I. Analisando livros did• ticos na perspectiva dos Estudos do Discurso: compartilhando reflexıes e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Pro-posições. 2016 Feb 29;17(1):117-36. NACARATO AM. A parceria universidade-escola: utopia ou possibilidade de formação continuada no âmbito das políticas públicas?. Revista Brasileira de Educação. 2016 Sep;21(66):699-716. CHIZZOTTI A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista portuguesa de educação. 2003;16(2):221-36. GATTI, B. ―Implicações e perspectivas da Pesquisa Educacional‖. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Editora Autores Associados, n.113, p.65-81, 2001. GATTI BA. Os professores e suas identidades: o desvelamento da heterogeneidade. Cadernos de pesquisa. 2013 Jul 18(98):85-90. BALL SJ, BAILEY P, MENA P, DEL MONTE P, SANTORI D, TSENG CY, YOUNG H, OLMEDO A. A constituição da subjetividade docente no Brasil: um contexto global. Revista Educação em Questão. 2014 Apr 16;46(32). FARJADO, MINAYO E MOREIRA (2010). Educação escolar e resiliência: política de educação e a prática docente em meios adversos. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 18, n. 69, p. 761-774. ESTRADA, MARÍA LUISA CASTRO, MARÍA JOSÉ RODRIGUEZ REJAS, and EMILIANO URTEAGA URÍAS. "Abrir las aulas: el vínculo entre docencia, investigación y vinculación comunitária." Revista Brasileira de Educação 21.66 (2016): 737-758. NÓVOA, Antonio S. "VIII SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E II COLÓQUIO INTERNACIONAL DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Transnacionalização das Políticas Educacionais: Impactos na formação docente." Revista de Ciências Humanas-Educação 16.27 (2015): 160-179. FIGUEIREDO, GO Análise das categorias identidade profissional, trabalho docente e ideologia em articulação com a área de políticas públicas de educação. Anais do I Encuentro Latinoamericano de Profesores de Política Educativa e II Seminário Internacional de Questões de Pesquisa em Educação. Guarulhos - SP: UNIFESP, 2015. p. 1-27. DIAS-JUNIOR MJ; ROSA SVL (2016). "TRABALHO, IDEOLOGIA E A CONSTITUIÇÃO DO SER SOCIAL: REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO DA IDENTIDADE DOCENTE| Working, ideology and the constitution of social human being: reflexions about the teacher identity question." Trabalho & Educação 24 (3):105-122 ROCKWELL, ELSIE, AND RUTH MERCADO (1986). "La práctica docente y la formación de maestros." La escuela, lugar del trabajo docente. México: Centro de Investigación y de Estudios Avanzados del IPN (1986): 63-75. CECCIM RB, ARMANI TB, ROCHA CF. O que dizem a legislação e o controle social em saúde sobre a formação de recursos humanos e o papel dos gestores públicos, no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2002 Apr;7(2):373-83. CAMPOS GWS, CUNHA GT(2013). Práxis e formação Paideia: apoio e cogestão em saúde. São Paulo: Hucitec CARVALHO YM, CECCIM RB. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. Tratado da saúde coletiva. Rio de Janeiro: Fiocruz. 2006:137-70. MERHY EE. Educação Permanente em Movimento-uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes. 2014 Dec 15;1(1):07-14. CECCIM RB, FEUERWERKER LC. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004 Jan 1;14(1):41-65. RIBEIRO VM, LEHER EM, GOMES MP, ROCHA HC, DA SILVA MATTOS D, MAIA MV, ROMANO VF. Formação de professores e preceptores no contexto de inovações curriculares. Revista Docência do Ensino Superior. 2015 Dec 23;5(2). LIMA VV, FEUERWERKER LC, DE QUEIROZ PADILHA R, GOMES R, HORTALE VA. Ativadores de processos de mudança: uma proposta orientada à transformação das práticas educacionais e da formação de profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(1):279-88. PIRES, MRG.(2006). Po l i ti c i d a de do cuidado e processo de trabalho em saúde : con h ecer para cuidar mel h or, cuidar para con f ron t a r, cuidar para em a n c i p a r. Ciencia e saúde coletiva 10 (4), , p. 1025-1035.

Cursos

EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
Mestrado
60

Áreas de Concentração

ENSINO DE CIÊNCIAS E SAÚDE