Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE (31001017106P0)
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE I - FUNDAMENTOS
NUT
765
4
01/01/2012 à -
Não
Concepções de ciência e saúde. Educação em Ciências e Saúde: emergência e consolidação de um campo de investigação. Histórico, epistemologia do campo. Aportes teóricos para o campo da Educação em Ciências e Saúde: Educação; Psicologia cognitiva; História e filosofia da ciência; Comunicação e discurso.
KRASILCHICK, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, vol.14, n. 1, 85-93. ARROYO, M. (1988). A Função Social do Ensino de Ciências. Em Aberto, Brasília, ano 7, n. 40, out./dez. ASSIS, M. (1998). Educação em Saúde e qualidade de vida: para além dos modelos, a busca da comunicação. Estudos em Saúde Coletiva, n. 169. Rio de Janeiro: IMS-UERJ. GHIRALDELLI Jr., P. (2002). Filosofia da Educação. DP&A Editora (cap.1). LIBÂNEO, J.C. (1983). Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista da ANDE, V.3, no 6, p.11-19. GADOTTI, M. (2004). Pensamento Pedagógico Brasileiro. São Paulo: Ática, (cap.7). LOPES, A. C.; MACEDO, E. (2011). Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez Editora. (Capítulo 1) GOODSON, I. (2007). Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação v. 12 n. 35 , pp. 241-252. (http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a05v1235.pdf) FREIRE, P. (2006). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (cap. 3) SILVA, T. T. (2000). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica. (Pedagogia do Oprimido versus Pedagogia dos Conteúdos) LOPES, A C. (2006). Quem defende os PCN para o Ensino Médio? In LOPES, AC & MACEDO, E (org.). Políticas do currículo em múltiplos contextos, São Paulo: Córtex, pp.126-158. SANTOS, W. L. P. (2008). Educação científica humanística em uma perspectiva freireana: resgatando a função do ensino de CTS. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, V. 1, n. 1, pp.109-131. http://alexandria.ppgect.ufsc.br/v1_n1_mar_2008.htm VASCONCELOS, E. M. (1998). Educação popular como instrumento de reorientação das estratégias de controle das doenças infecciosas e parasitárias. Cad. Saúde Pública, vol.14 supl.2, pp. 39-57. http://www.scielo.br/pdf/csp/v14s2/1324.pdf SANTOS, W. L. P. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.36, pp. 474-549. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782007000300007 MARANDINO, M. (2004). Transposição ou recontextualização? Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Rev. Bras. Educ., n.26, pp. 95-108. http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n26/n26a07.pdf ARARUNA, Lucimar Bezerra. Investigando ações de Educação Ambiental no Currículo Escolar / Lucimar Bezerra Araruna. – Rio de Janeiro: UFRJ/CFCH, 2009.144f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009. (capítulo 2). TARDIF, M.; (2000). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, N. 13, jan-abril, pp. 5-24. http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n13/n13a02.pdf SCHNETZLER, R. P. (2000). O professor de ciências: problemas e tendências de sua formação. In Schnetzler, R. P. & Aragão, R. M. R. (Org.) Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas, SP: UNIMEP. CASTANHO, M.E. (2002). Professores de Ensino Superior da área da Saúde e sua prática pedagógica, Interface Comunicação, Saúde, Educação, v.6, n.10, pp.51-62.http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-32832002000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt RODRIGUES et al. (2010). Uma hipótese curricular para a formação continuada de professores de ciências e de matemática. Ciência & Educação, v. 16, n. 2, p. 415-426. http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v16n2/v16n2a10.pdf AMORETTI, R.A (2005). Educação Médica diante das Necessidades Sociais em Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, vol 29, n. 2, mai/ago, pp. 136-146. http://www.educacaomedica.org.br/edicoes/numero_int.php?numero=13 LIMA, E. A. S. (1990). O Conhecimento Psicológico e suas Relações com a Educação, Em Aberto. Brasília, ano 9, n. 48. http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/issue/view/56 PIAGET, J. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense, 1967. (Cap. 1) VYGOTSKY, L. (2005). O Desenvolvimento dos conceitos científicos na infância, in Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes. SOUZA, S. & KRAMER, S. (1991). O debate Piaget/Vygotsky e as políticas educacionais. Cadernos de Pesquisa, n. 77, p. 69-80. GAZZINELLI, M. et al. (2005). Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cad. Saúde Pública, v. 21, n. 1, pp. 200-206. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000100022&lng=en&nrm=iso LIMA, M. E. C.; MAUÉS, E. (2006). Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio Pesq. Ed. Ciências, v. 8, N. 2, pp. 161- 175. http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/115 NASCIMENTO, J.M. e AMARAL, E.M.R. (2012).O papel das interações sociais e de atividades propostas para o ensino aprendizagem de conceitos químicos. Ciência & Educação, v. 18, n. 3, p. 575-592. http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v18n3/06.pdf

Cursos

EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
Mestrado
60

Áreas de Concentração

ENSINO DE CIÊNCIAS E SAÚDE