Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE (31001017106P0)
COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
NUT
731
4
01/01/2012 à -
Não
A identidade cultural na pós modernidade e o descentramento do sujeito. Implicações para a educação e a saúde. O sujeito e a experiência num mundo mediado. Mudanças paradigmáticas para a análise da comunicação na América Latina: da emissão às condições sociais de produção e recepção. Processos de subjetivação pela mídia na constituição das identidades sociais e relações com a educação e a saúde. A lógica da midia e suas possibilidades educativas. Opções pedagógicas, a incorporação de materiais e procedimentos em projetos educacionais voltados à formação do cidadão.
Caldas G. (2006) Mídia, escola e leitura crítica do mundo. Educação & Sociedade Vol 27, No 94, pp 117-130. Candau V. M. (2002) Cidadania e pluralidade cultural: questões emergentes In Candau V M (org.) Sociedade, Educação e Cultura(s): questões e propostas. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes (capítulo 2, pp. 30-51) Chartier R. (1999) A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora UNESP. Dierking, L.D. (2005) Lessons without limit: how free-choice learning is transforming science and technology education. História, Ciências, Saúde. V.12 (suplemento), p 145-60. Fischer, r M.B. (2002) Problematizações sobre o exercício de ver: mídia e pesquisa em educação. Revista Brasileira de Educação. ANPED Mai/Jun/Jul/Ago. Freire, P (1977) Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra Ghiraldelli Jr., P. (2002) Filosofia da educação. Rio de Janeiro. DP&A. Joly, M (1996) Introdução à análise da imagem. Campinas, SP. Ed. Papirus Lefèvre, F. (1991) O medicamento como mercadoria simbólica. São Paulo: Cortez. Lemke J (1998) Multiplying meaning: visual and verbal semiotics in scientific text In Martin J R e Veel R Reading Science: critical and functional perspectives on scientific discourse. London: Routledge Lemke J (2006) Investigar para el futuro de la educación: nuevas formas de aprender nuevas formas de vivir. Enseñanza de las ciencias, Vol. 24, No. 1, pp.5-12. Libâneo J C (1983) Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista ANDE, V. 3, No. 6, pp. 11-19 Logan, R (2001) Science mass communication: its conceptual history. Science Communication, Vol. 23, No. 2, pp. 135-163. Lopes A R C (2006) Integração e disciplinas nas políticas de currículo. In Lopes A R C; Macedo E F; Alves M P C (orgs.) Cultura e política de currículo. Araraquara, SP: Junqueira & Marin (pp.139-160) Melber, L.M. & Cox-Petersen, A.M. Teacher professional development and informal learning environments: investigating partnerships and possibilities. Journal of Science Teacher Education (2005) 16:103-120. Meyer, D.E.E., Mello, D.F., Valadão M.M, Ayres, J.R.C.M (2006) “Você aprende. A gente ensina?” Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva de vulnerabilidade. Caderno de Saúde Pública, R.J. 22(6) p. 1335-1341. Mohr A; Schall V T (1992) Rumos da Educação em Saúde no Brasil e sua relação com a Educação Ambiental Cadernos de Saúde Pública, Vol. 8, No. 2, pp. 199-203 Moreira, A F B (2003) A crise da teoria curricular crítica. In Costa, M V (org.) O currículo no limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: Ed. D P & A (capítulo 1, pp. 9-36) Ogborn J (2005) 40 years of curriculum development. In Boersma K et al (eds.) Research and the quality of science education Dordrecht: Springer (pp. 57-65) Orlandi, E.P. (1999) Discurso e leitura. 4ª ed. São Paulo: Ed. Cortez. Polistchuk, I; Trinta, A R (2003) Teorias da Comunicação: o pensamento e a prática da comunicação social. São Paulo: Ed. Campus (capítulos 5 e 6, pp. 83-167) Silva T T (2003) Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular Belo Horizonte: Ed. Autêntica (pp. 7-29) Temporão J G (1986) A propaganda de medicamentos e o mito da saúde Rio de Janeiro: Ed. Graal (capítulo 1, pp.25-69)

Cursos

EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
Mestrado
60