Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE (31001017106P0)
PLANEJAMENTO CURRICULAR E DE ENSINO NA ÁREA DA SAÚDE
NUT
732
4
01/01/2012 à -
Não
Condições da formação e do exercício profissional e docente na área médica. Políticas de Saúde e de Educação. O processo educativo na área da saúde e o papel do professor. Educação permanente e gestão participativa em saúde. Sala de aula e outros espaços de relações sócio-pedagógicas. O processo de ensinagem. Currículo, construção do conhecimento, projeto, planejamento, programa e avaliação. Prática de aula.
ALMEIDA FILHO, N. de e JUCÁ, V. Saúde como ausência de doença: crítica à teoria funcionalista de Christopher Boorse. Ciência e Saúde Coletiva. v. 7, n. 4, pp. 879-889. 2002. (disponível em http://www.scielosp.org/pdf/csc/v7n4/14611.pdf) ALMEIDA, M.J.; CAMPOS, J.J.B.;TURINI, B.; NICOLETTO, S.C.S.; PEREIRA, L.; REZENDE, L.; MELLO,P. Implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais na Graduação em Medicina no Paraná. Revista Brasileira de Educação Médica. 31 (2), p. 156-165, 2007. BATISTA, N.A. Planejamento na Prática Docente em Saúde. In. N. Batista e S.H. Batista (Org). Docência em Saúde: temas e experiências. São Paulo: SENAC, 2004, p. 35-74 BERBEL, N.A.N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface - Comunicação, Saúde, Educação, nº 2, p. 139-154, 1998. BERLINGUER, G. Globalização e Saúde Global. Estudos Avançados, v. 13 n. 35, p. 21- 38, jan./abr.1999. (disponível em http://www.scielo.br/pdf/ea/v13n35/v13n35a03.pdf) CANDEIAS, N.M. F. (1997). Conceitos de educação e de promoção em saúde. Mudanças individuais e mudanças organizacionais. Rev. Saúde Pública 31 (2): 209-13 CRISTEL, E.C.; SOUZA, L.M.B. Mudança Curricular no Curso de Medicina da UNIFESO. Cadernos da ABEM. V.4, out, 2008. CYRINO, E.G. e RIZZATO, A.B.P. Contribuição à Mudança Curricular na Graduação da Faculdade de Medicina de Botucatu. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 4 (1), 56-59, jan/mar, 2004. CZERESNIA, D. O Conceito de Saúde e a Diferença entre Prevenção e Promoção. In CZERESNIA, D.; FREITAS, C.N. (orgs). Promoção da saúde conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003. Diretrizes Curriculares Nacionais Medicina – disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04.pdf GOMES, R. et al. A formação médica ancorada na aprendizagem baseada em problemas. Uma avaliação qualitativa. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 13 (28): 71-83, 2009. MAMEDE, S. Características, Processos e Racionalidade. In: S. Mamede e J. Penaforte (Org.). Aprendizagem Baseada em Problemas: anatomia de uma nova abordagem educacional. HUCITEC/Escola de Saúde Pública do Ceará, Fortaleza: 2001, pp. 25-48. MASETTO, M.T. Competência Pedagógica do Professor Universitário. São Paulo: Summus, 2003. OLIVEIRA, J.A.A; MUNIZ NETO, F.J. M., PINTO, F. J. M., Silva, M. G. C. & Jorge, M. S.B.A. Transversalidade do Conhecimento da Saúde Coletiva no Currículo de Medicina de uma Escola Médica Pública: Relevância das Disciplinas na Formação dos Alunos, Revista Brasileira de Educação Médica 34 (2) : 278–283; 2010. SILVA, T. T. Documentos de identidade. Uma introdução à teoria do currículo. Belo Horizonte. Autêntica, 2007. STOTZ, E.N.; DAVID, H.M.S.L. & BORNSTEIN, V.J. Educação popular em saúde. In: Martins, C.M. & Stuaffer, A. B. Educação e saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, p.35-70, 2007. VASCONCELLOS, E. M. (2007) Educação popular: instrumentos de gestão participativa nos serviços de saúde (disponível em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/caderno_de_educacao_popular_e_saude.pdf) Bibliografia complementar: AMORETTI, R. (2005). A educação médica diante das necessidades sociais da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica 29 (2): 136-146 APPLE, M. (2004). Ideologia e Currículo. Porto Alegre: Artmed. BAPTISTA, T.W. de F. (2007). História das políticas de saúde no Brasil: a trajetória do direito à saúde. In: Matta, G.C. & Pontes, A.L.M. Políticas de saúde: a organização e a operacionalização do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, p.29-60. CANDAU, V. (Org.).. (1983). A didática em questão. Rio de Janeiro: Vozes. CIUFFO, R.S. & RIBEIRO, V M. B. (2008). Sistema único de saúde e a formação dos médicos: Um diálogo possível. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 12(24): 125-40. COELHO, M. T. A. D. & Almeida Filho, N. (1999).Normal-patológico, saúde-doença: revisitando Canguillem. Physis: Revista de Saúde Coletiva,9 (1), 13-36. GAZZINELLI, M. et alli. (2005). Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cad. Saúde Pública 21 (1) p. 200-206. L’ABBATE, S. (1994) Educação em saúde: uma nova abordagem. Cad. Saúde Pública10(4):481-484. PIMENTA, S.G. (Org.). 1997. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez. REGO, S. (2003). A formação ética dos médicos. Saindo da adolescência com a vida (dos outros) nas mãos. Rio de Janeiro. Editora Fiocruz, p. 9-44.

Cursos

EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
Mestrado
60

Áreas de Concentração

ENSINO DE CIÊNCIAS E SAÚDE