Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE (31001017106P0)
POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO
NUT
709
4
24/08/2016 à -
Não
Fundamentos filosóficos e políticos da educação. Tensões entre Estado, democracia e educação na contemporaneidade. Globalização, regulação de políticas públicas e reformas educacionais. Revolução tecnológica, variáveis macroeconomicas e políticas sociais. Reestruturação produtiva, trabalho e formação humana. História, cultura e política na América Latina e no Brasil. Ideias, atores e práticas políticas na educação. Justiça Social e critérios de qualidade na educação pública. Políticas e sistemas de avaliação educacional. Identidade, formação e trabalho docente. Etnografia e práxis política no “chão-da-escola”. Agenda internacional de pesquisa em políticas públicas de educação. Politicas aplicadas aos campos da educação em saúde e do ensino de ciências.
AGUERREDONDO, I. (1993). La calidad de la educación: ejes para su definición y evaluación. Revista Interamericana de Desarrollo, 116 (3). APPLE, AU; GANDIN, L. [orgs] (2011) Educação Crítica: Análise Internacional. Porto Alegre: Artmed. APPLE, M.; BALL, S.; GANDIN, L. [orgs] (2013). Sociologia da Educação: Análise Internacional. São Paulo: Penso. AZEVEDO, J. M. L. de; AGUIAR, M. A. A (2001) produção do conhecimento sobre a política educacional no Brasil: um olhar a partir da ANPED. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 77, p. 49-70, set./dez. BALL, S; MAINARDES, J. [org].(2011) Politicas Educacionais: Questões e Dilemas. Rio de Janeiro: Cortez. BALL, S. ( 2005) Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564. BALL, S. (2001) Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. BALL, S. (2004) Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set-/dez. BALL, S. (2006). Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, pp. 10-32, jul./dez. BERTOLDO, MOREIRA ; JIMENEZ (orgs). Trabalho, Educação e Formação humana frente à necessidade histórica da revolução. São Paulo. Instituto Lukács, 2012. DALE, R. (2004). “Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educativa Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”?, Educação & Sociedade, vol. 25, n. 87, pp. 423-460. DALE, R. (2010). “A Sociologia da Educação e o Estado após a globalização”, Educação & Sociedade, vol. 31, n. 113, pp. 1099-1120. DEUBEL,, A. N. (2008). “Perspectivas teóricas para el análisis de las políticas públicas: ¿de la razón científica al arte retórico?”, Estudios Políticos, n. 33, pp. 67-91. DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução. Anette Pierrette R. Botelho e Estela Pinto R. Lamas. Portugal: Porto editora, 1997. EVANGELISTA, O. & SHIROMA, E.O. (2007) Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.3, p. 531-541. FOUCAULT, M. (1993). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal. FREIRE, P. (1970). Pedagogia do Oprimido. 36ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra. FREIRE, Paulo. (2003). Política e Educação. São Paulo: Cortez Editora, 7ª edição. FRIGOTTO, G. A (1984) Produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 1984. GADOTTI, M.. Educação e Poder: Introdução à Pedagogia do Conflito. São Paulo: Cortez, 2012 GENTILI, P.A. ; SILVA, T.T.(Orgs) Neoliberalismo e qualidade total e educação: Visões criticas. Petrópolis (RJ): Vozes, 1995. GEWIRTZ, S. ; CRIBB, S. (2011). Concepções plurais de justiça social: implicações para a sociologia das políticas. En: Ball, S. J.; Mainardes, J. (Orgs.). Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez. GOROSTIAGA, J. ; TELLO, C. (2011). “Globalización y reforma educativa en América Latina: un análisis inter-textual”. Revista Brasilera de Educación, v.16, n. 47. HARVEY, D. (1994). Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 4ª ed. São Paulo: Edições Loyola. [1a ed. 1992) MAINARDES, J. (2009). “Análise de políticas educacionais: breves considerações teórico-metodológicas”, Contrapontos, vol. 9, n. 1, pp. 4-16. MAINARDES, J.. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, 2006. MANNHEIM, Karl (1982). Ideologia e Utopia – Zahar ed., 4 ª edição, Rio de Janeiro. MARCONDES, M.I. & MORAES, C.L. . (2013) Currículo e Autonomia Docente: Discutindo a ação do professor e as novas políticas de sistemas apostilados na rede pública de ensino. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 451-463. MESZAROS, Istvan. A educação para além do capital. São Paulo, Boitempo, 2008 MOREIRA, A. F. & SILVA, M. V. .(2011) Trabalho docente na esfera pública: controvérsias e vicissitudes sob a ótica dos sujeitos da educação. Revista Eletrônica Política e Gestão Educacional. Araraquara, n. 10, p. 1-22. MOREIRA, Antônio Flávio. (2009) Formação de Professores: Da Regulação à Autonomia. In: DOURADO, Luis Fernandes.(Org.) Políticas e Gestão da Educação no Brasil: Novos Marcos Regulatórios? São Paulo: Xamã. NAJJAR, Jorge (2007) Gestão democrática da escola, ação política e emancipação humana.. Movimento (Niterói), v. 13, p. 20-33. NAJJAR, Jorge (2012) Políticas públicas em Educação (e outras nem tanto): cidadania, trabalho docente e identidade. 1. ed. Niterói: Intertexto, v. 1. 180p . NEVES, M.Y. & SANTOS, F, A. . Implicações das políticas educacionais nas vivências subjetivas de professoras de escolas públicas. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2013, vol. 16, n. 2, p. 241-257, 2013. NIETZSCHE, F. (2000). Humano, demasiado humano - Um livro para espíritos livres. São Paulo: Cia das Letras. OLIVEIRA, Dalila. (2005) Regulação das Políticas Educacionais Na América Latina E Suas Conseqüências Para Os Trabalhadores Docentes. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 92, p. 753-775. PAULSTON, R. G. (2001). Mapeando a educação comparada depois da pós- modernidade. Educação, Sociedade & Culturas, n. 16, pp. 203-239. POWER, S. (2006). O detalhe e o macro-contexto: o uso da teoria centrada no Estado para explicar práticas e políticas educacionais. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 11-30, jan./jun. ROCKWELL, E. (2000) De huellas, bardas y veredas: una historia cotidiana en la escuela. En Rockwell, E. La escuela cotidiana. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica. ROCKWELL, Elsie; MERCADO, Ruth.. La escuela, lugar del trabajo docente. 3. ed. México: DIE-CINVESTAV-IPN, 1999. SANTOS, A. L. F. ; AZEVEDO, J. M. L. de. A Pós-Graduação no Brasil, a pesquisa em educação e os estudos sobre a política educacional: os contornos da constituição de um campo acadêmico. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 42, p. 534-550, set./dez. 2009. SANTOS, M. (2000). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record. SAVIANI, D. Da Nova LDB ao novo Plano Nacional de Educação. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 1998. SCHEIBE, L. . Valorização E Formação Dos Professores Para A Educação Básica: Questões Desafiadoras Para Um Novo Plano Nacional De Educação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 981-1000, 2010. SCHNEIDER, M. P. Pesquisa em política educacional: desafios na consolidação de um campo. Revista Educação (PUC-Campinas), Campinas, v. 19, n. 1, p. 5-13, jan./abr. 2014. SCOCUGLIA, A.C. . Globalização, trabalho e docência: constatações e possibilidades. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 175-190, 2010. SEVERINO, Antonio Joaquim. Educação, ideologia e contra-ideologia – São Paulo: Ed. Pedagógica Universitária, 1986. SILVA, T. T.. (1993)Teoria educacional crítica em tempos pós-modernos. Porto Alegre: Artes Médicas. SILVA, T.T.(1999) Documentos de Identidade: Uma introdução as teorias do currículo. Belo Horizonte: Autentica. TELLO, C. ; MAINARDES, J. (2012). “La posición epistemológica de los investigadores en Política Educativa: debates teóricos en torno a las perspectivas neo-marxista, pluralista y posestructuralista”, Archivos Analíticos de Políticas Educativas, vol. 20, n. 9. Disponible en http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/988. TELLO, C. (2015). La/s política/s educativa/s. Campo teórico, campo de intervención y la preocupación ética en la investigación. Curso de Posgrado. UNLP-ReLePe. Buenos Aires, pp. 1-29 TEODORO, A. (2003). Globalização e educação: políticas educacionais e novos modos de governação. São Paulo: Cortez-Instituto Paulo Freire. THIOLLENT, M. (1987). Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis ed., 5ª ed. VYGOTSKY, L.S. (1999). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999 ZEMELMAN, H. (1998). “Crítica, epistemología y educación”, Revista de tecnología educativa, vol. 13, n. 2, pp. 119-131. ZIBAS, D. (1997). ¿Un juego de espejos rotos? La vida escolar cotidiana y las políticas educativas en América Latina, Revista Iberoamericana de Educación, n. 15.p- 20-42.

Cursos

EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E SAÚDE
Mestrado
60

Áreas de Concentração

ENSINO DE CIÊNCIAS E SAÚDE